O amante !

Resultado de imagem para sensualidade gif

O amante é a resposta aos teus desejos. Mas não o procure para matar o tempo! Procura-o sempre nas horas vivas. Porque ele deve preencher a tua necessidade, mas não o teu vazio.

Igor Hunsaker.

O telefone foi desligado e eu fiquei sem saber quem era.

PACIENTE 15120.2

Tenho 49 anos, divorciada, sem filhos, enfermeira profissional, trabalho num grande hospital particular na zona oeste de São Paulo. Sou alta, 1,77m, morena, cabelos e olhos castanhos, quadril grande, seios fartos e volumosos, coxas grossas e uma buceta bem desenvolvida, que forma uma pata de camelo.

Nos últimos dias do ano passado, por volta das dez horas da noite, o meu celular tocou e eu imaginei que era alguma emergência do hospital, no automático, sem olhar o número que estava chamando,

Atendi:

MARIA FERNANDA DISSE, COMO SEMPRE ATENDO O CELULAR. FINALMENTE TE ENCONTREI SUA PUTA, SUA VAGABUNDA SAFADA.

QUEM ESTÁ FALANDO, PERGUNTEI, DEPOIS DO SUSTO.
QUEM ESTÁ FALANDO É UMA MULHER SÉRIA, CASADA E DONA DE CASA.
LIGUEI PARA ALGUNS HOSPITAIS DA ZONA OESTE E CONSEGUI O SEU TELEFONE, SUA SEM VERGONHA.

NÃO ESTOU ENTENDENDO PORQUE VOCÊ ESTA ME TRATANDO DE FORMA TÃO GROSSEIRA, EU NÃO LHE CONHEÇO.

NÃO É VOCÊ QUE RELATOU SEUS CASOS QUE SÃO PUBLICADOS NA INTERNET? SIM, EU ESCREVI ALGUNS E QUAL É O PROBLEMA?

O PROBLEMA SUA MESSALINA, É QUE O MEU MARIDO LEU OS SEUS RELATOS NA INTERNET E SE TRANSFORMOU EM OUTRO HOMEM.

ALIÁS, ESTAMOS EM VIVA-VOZ E ELE ESTA ESCUTANDO A NOSSA CONVERSA.

DEPOIS QUE ELE COMEÇOU A LER OS SEUS RELATOS, SUA BUCETUDA DO CARALHO, ELE SÓ QUER SABER DE ME FUDER E FAZER TODA SORTE DE PUTARIA. ANTES NÓS DÁVAMOS A NOSSA METIDA A CADA QUINZE DIAS E EU NEM CHEGAVA A GOZAR.

AGORA ELE ME FAZ CHUPAR A PICA QUASE TODO DIA, VIVE ME ENCOCHANDO NA PIA DA COZINHA E APERTANDO OS MEUS PEITOS. TREPAMOS TRÊS VEZES POR SEMANA. AGORA ELE COME O MEU CU, COMO SE EU FOSSE UMA PUTA DE RUA.

SOU OBRIGADA A BATER PUNHETA, ENQUANTO ELE ASSISTE OS FILMES DE PUTARIA QUE COMPROU. ENQUANTO EU FICO PUNHETANDO A PICA DELE NO SOFÁ, ELE METE OS DEDOS NA MINHA BUCETA. EU ATÉ JÁ GOZEI NOS DEDOS DELE.

NA SEMANA PASSADA, ELE METEU A ROLA NA MINHA BOCA E ESPORROU E ME FEZ ENGOLIR A PORRA. AGORA EU GOZO TODA VEZ QUE ELE ME COME. TREPAMOS EM TODAS POSIÇÕES.

E TEM MAIS, DURANTE AS NOSSAS TREPADAS, ELE ME XINGA, ME CHAMA DE PUTA, CACHORRA, VADIA, SAFADA, PUNHETEIRA, ELE NUNCA TINHA ME CHAMADO POR ESSE NOMES. MAS VOU CONFESSAR, EU FICO DOIDA DE TESÃO QUANDO ELE ME XINGA.CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

ELE ME DISSE QUE ESTÁ PENSANDO EM CONTRATAR UMA PUTA PARA ELE COMER JUNTO COMIGO NA NOSSA CAMA. EU ESTOU PENSANDO EM CONCORDAR.

AGORA SÓ DE OUVIR A NOSSA CONVERSA ELE JÁ ESTÁ DE PAU DURO, BATENDO UMA PUNHETA. NUNCA VI A PICA DELE DESSE TAMANHO.

AI AMOR PARA, EU ESTOU NO TELEFONE. TÃO BOM, SÓ A CABECINHA EU DEIXO. AI AMOR QUE PAU DURO E GROSSO, VAI METE TUDO SEU FILHO DA PUTA, FODE A SUA VADIA BUCETUDA. ISSO BRINCA NO MEU GRELINHO, MINHA BUCETA ESTÁ TODA MOLHADA, VAI FODE COM FORÇA QUE EU VOU GOZAR, SEU CACHORRO, EU VOU GOZAR NESSA PICA, METE MAIS QUE EU VOU GOZAR. ESTOU GOZANDO CARALHO, ESTOU GOZANDO GOSTOSO. ISSO ENCHE DE PORRA QUENTE A BUCETA DA SUA PUTA, GOZA SEU FILHO DA PUTA…..

O telefone foi desligado e eu fiquei sem saber quem era a DONA DE CASA.

Você vai conversar com seu namorado sim!

PACIENTE 15120.1

Meu nome é Camila e tenho 19 anos, sou clara, bunda e peitos médios. Faço cursinho pra passar em Medicina e tenho um namorado que amo muito mas que mora em outra cidade por conta da faculdade.

Era sábado a noite, estava sem nada pra fazer então resolvi entrar em um chat somente para passar o tempo. No chat eu conheço um cara que tinha um bom papo e conversamos por bastante tempo. Ele me falou que morava em uma cidade em outro estado, mas que estava na minha cidade visitando parentes.

A conversa estava ótima ate que ele me perguntou se eu ja tinha feito sexo anal com meu namorado. Como eu não o conhecia e ele não me conhecia eu decidi me abrir:

– Ja tentei fazer com meu namorado, mas desisti na hora porque estava doendo – Nisso ele respondeu:

– Você tem que fazer com quem sabe fazer, pois dessa forma eu garanto que você vai gostar. Se eu for ai na sua casa eu te prometo que vou comer sua bunda e você vai pedir mais.

Achei um pouco de grosseria ele me falar isso, mas confesso que fiquei um pouco excitada só de pensar.

– A é?! e existe alguma técnica pra fazer isso certo? – eu perguntei.

– Existe sim, mas eu não te falo. Se você quiser eu posso te mostrar.

– Claro que não, eu tenho namorado.

– Não precisa se preocupar, você não me conhece e ninguém vai ficar sabendo. Nos dois iremos curtir. E como prometido, voce vai amar.

Essa conversa estava me deixando muito excitada, e o cara que eu nem conhecia continuou falando:

– Se eu for ai, eu vou enfiar meu pau tão fundo na sua bunda que voce vai ficar com as pernas moles. Vou te comer de 4 ate gozar no seu cuzinho.

– Eu tenho medo de doer muito – eu respondi, já com minha buceta molhada.

– Se voce não tiver aguentando nos para, voce paga um boquete pra mim ate se recuperar e depois eu volto a enfiar na sua bundinha.

A forma com ele falava, a falta de respeito dele por mim estava me deixando excitada. Eu sempre fui muito bem tratada, ser desrespeitada era novo para mim e eu estava gostando.

– Ta bom, você pode tentar… mas me promete que se eu não estiver gostando voce para?

– Prometo sim – ele respondeu.

– E ninguém pode ficar sabendo, principalmente meu namorado.

– Combinado

Como meus pais estavam em casa, eu combinei que ele iria comer minha bundinha no carro dele. Ele iria dirigir ate uma rua mais deserta e ia mandar ver. Assim que ele chegou, eu falei para meus pais que ia na casa de uma amiga e já voltava.

Com um pouco de medo sai de casa com uma blusinha branca e uma mini saia. Quando entrei no carro, reparei que ele era uma pessoa atraente mas muito metido. Logo que entrei, ele falou:

– Ola minha putinha, ta pronta pra ter seu cuzinho arrombado?

Foi muito desrespeitoso o que ele me falou, mas eu realmente estava agindo como uma putinha. E também estava gostando de ser tratada daquele jeito.

– Estou sim, so peço que voce seja carinhoso comigo – eu falei pra ele, com um sorriso tímido no rosto.

– Eu serei, enquanto isso que tal você chupar meu pinto ate acharmos um lugar pra eu te comer?!

Ele falou isso, já tirando seu pinto para fora. Depois puxou minha cabeça deixando ela em seu colo. O pinto dele tinha um tamanho considerável e a sensação de medo estava me deixando mais excitada.

Quando minha boca estava a pouco centímetros do pinto dele eu levantei um pouco minha saia pra mostrar que estava sem calcinha e comecei a chupar. Enquanto eu chupava ele apertava minha bunda e falava:

-Voce é muito puta sabia disso? sua cadela boqueteira!

Eu não respondi, mas com o pinto na boca dei um sorrisinho tímido. Escorria saliva do canto da minha boca. Em alguns momentos eu tentava uma garganta profunda e em outros momentos eu simplesmente passava a língua em volta da cabeça. Estava me sentindo um biscate.

O carro parou em uma rua pouco movimentada. Ele puxou me cabelo, e olhou para mim. Eu estava com o cabelo bagunçado e com a boquinha bem molhada com gosto de pinto. Sem dizer uma palavra, ele tirou minha sai e o restante da minha roupa. Eu estava submissa a ele. Em um movimento involuntário, eu coloquei a minha mão tentando tapar minha ppk, pois estava com um pouco de vergonha por estar completamente nua, mas muito excitada.

Nisso, ele abriu a porta do carro, me pegou pelo cabelo e me puxou ate a frente do carro, me deixando curvada sobre o capo, sem nenhuma peça de roupa.

– Voce esta louco, alguem pode nos ver!

– Cala a boca e empina a bunda, eu vou ate o carro pegar uma coisa e ja volto – ele ordenou.

Fiquei curvada no capo do carro ate ele voltar com um lubrificante. Ele passou no meu cuzinho e enfiou um dedo. A sensação era incrível. Depois enfiou mais um dedo e ficou fazendo movimentos de vai e vem. Ele puxou meu cabelo e aumentou a velocidade dos movimentos.

Eu fechei os olhos e mordi o canto dos lábios. Nem me importava por estar no meio da rua, totalmente pelada com a bunda empinada. Ele segurou meus braços nas minhas costas, de forma que eu não poderia mais escapar daquela situação. E começou a enfiar seu pinto na minha bundinha.

Eu estava submissa, meus dois braços estava sendo segurados e quanto mais ele enfiava mais eu sentia meu cu se abrindo e mais começava a doer. Com a voz tremida eu falei:

– Ai Ai Para um pouco que esta doendo… Huum

– Eu só vou parar quando entrar tudo, aguenta ai sua puta.

Eu vendo que não tinha outra alternativa, fechei os olhos com o rosto retorcido pela dor e aguentei ate aquilo entrar tudo. Quando o pinto entrou inteiro ele ainda fez força pra entrar mais ainda. Me empurrando para frente no capo e me deixando só nas pontas dos pês. Eu soltava pequenos gritinhos.

Ele começou com movimentos de vai e vem. E eu comecei a gemer mais alto, pedindo pra ele ir mais devagar, mas não adiantava:

– Ai Ai…. ta doendo Huum Ai vai mais… Huuuum…. devagar.

Como meus braços estavam curvados para trás eu não tinha como sair daquela situação. Fiquei gemendo baixinho e aguentando. Ate que meu celular começa a tocar.

Eu vi que meu namorado estava me ligando, na hora eu lembrei dele e me senti um pouco culpada por estar dando meu cuzinho para outro. Mas o sentimento de culpa foi substituído por dor e eu soltei outro gritinho abafado. O cara enfiou seu pinto novamente na minha bunda e eu soltei um gritinho mais forte.

O celular continuou tocando, porque eu não queria desliga-lo, pois meu namorado poderia desconfiar de algo.

Enquanto isso, continuei com meu cuzinho sendo regaçado e realmente estava começando a gostar daquilo, embora meus gritinhos estivessem ficando mais e mais forte a cada movimento.

– Acho melhor voce atender seu celular! – O cara falou.

Eu respondi com dificuldades:

– Melhor eu res.. Aiiii responser depois… Aiiii… Hummm.

– Voce vai atender agora sua putinha!

– Agora eu não consi… Aiiii… Aiiii…. devagar! Aiii… Não consigo! – falei choramingando.

Nisso ele torceu meus braços nas minhas costas e segurou-os com uma mão. Com a outra mão ele pegou meu celular e falou:

– Voce vai conversar com seu namorado sim! Eu vou continuar comendo seu cu. Eu quero que voce converse bastante com ele! Se eu ver que voce não esta conversando eu pego o celular e eu conversarei com ele.

– Não, Não, por fa… Aiiii… Huummm.

Nisso, ele colocou o celular na minha orelha e eu escutei meu namorado me dando oi, no mesmo momento que o cara enfiou seu pau na minha bundinha. Nesse momento eu segurei meu gritinho e fechei os olhos tentando ignorar a dor e respondi:

– Oi amor, como vc esta? – Minha cara estava com uma espressão de dor.

– Estou bem. Fiquei preocupado, vc não atendia. O que voce estava fazendo?

Eu não estava conseguindo ignorar a dor, nessa horas levantei a cabeça para o céu e abri a boca para gemer, mas consegui bloquear o som. Respirei fundo e respondi:

– Estava tomando ba… – Nessa hora eu senti outra vez o pinto do cara invadindo minha bundinha. Tentei me soltar, mas não consegui. – banho.

– A entendi, e voce vai estudar agora ou já vai dormir?

– Já vou dormir! – Outra vez eu senti o pinto sendo enfiado fundo na minha bunda, dessa vez uma das minhas pernas até levantou um pouco do chão.

Enquanto eu esperava uma resposta do meu namorado, eu coloquei uma das minhas mãos tampando a minha boca, porque a vontade de gritas e gemer estava alta.

Outra vez senti o pinto invadindo meu cuzinho.

Senti mais uma vez.

Abaixei a cabeça e soltei um “Aiii” baixinho, torcendo para meu namorado não ter escutado.

– Sua voz esta estranha! – Meu namorado falou – Esta tudo bem mesmo?

– Esta sim! – Eu falei com lagrimas escorrendo pelo meu rosto retorcido pela dor – So estou com sono!

O cara que estava me comendo falou baixinho no meu ouvido “Continua falando com ele, já estou terminando”.

– O que voce esta fazendo amor? – Eu perguntei sentindo o movimento ficar mais rápido e deixando minha boca aberta como se qualquer som de gemido ou dor pudesse sair a qualquer momento.

Quando meu namorado começou a falar eu senti o pinto saindo da minha bunda, minhas mão foram soltas mas minha cabeça foi puxada em direção ao pinto do cara. Eu cai ajoelhada e totalmente pelada no chão.

Enquanto meu namorado me respondia, o cara colocou seu pinto dentro da minha boca e começou a gozar. Eu senti o sêmen grosso e quente cair sobre minha linguá e preencher minha boca.

– Continua conversando! – o cara falou.

Meu cuzinho estava ardendo, minha boca estava suja de porra, eu estava ajoelhada na rua totalmente pelada com o celular na mão falando com meu namorado. Mas, estava aliviada por aquilo estar acabando.

– Amor… precisarei desligar, amanha tenho que acordar cedo pra estudar. – Enquanto eu falava, o semen escorria da boca e caia nos seios.

O cara, vendo o sêmen escorrer, passava a mão nos meus seios e depois passava na minha cara. Minha boca e minha cara estavam melecada de porra.

O celular foi deligado, eu estava aliviada por aquilo ter terminado. O cara me levantou, me virou de costa e deixando curvada sobre o carro. Me deu um tapa forte na minha bunda e perguntou se eu tinha gostado… Eu fiquei em silencio, até ele me dar outro tapa e fazer a mesmo pergunta. Eu respondi que tinha gostado:

– Eu gostei, agora posso colocar minha roupa? Você pode me levar embora?

– Claro, só não limpe seu rostinho!

Me rosto estava muito sujo de porra, minha boca tbm. Eu sentia ela colando enquanto tentava falar.

Ele me deixou em casa. No chuveiro eu fiz uma siririca, ainda sem saber ao certo porque. Gozei muito pensando em tudo que aconteceu!

DOIS MIL E VINTE.

Imagem relacionada

Para ganhar um novo ano que mereça este nome, você, SANTA, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.

Sou casada há 10 anos e amo meu marido.

PACIENTE 100120.4

Temos um filho de 7 anos e o nosso casamento vai muito bem. Sempre gostei de me sentir desejada e por isso não dou bola quando recebo cantadas, até converso com alguns homens pela internet. Adoro saber que eles me acham bonita e gostariam de me levar pra cama. Mas fico só na conversa, enrolo eles e nunca vou além disso.


Acontece que tenho um colega de trabalho que demonstrou interesse em mim. Ele é um pouco mais velho, é casado também e fisicamente me atrai. Depois de alguns anos trabalhando juntos, criamos certa intimidade. Falamos sobre vários assuntos, inclusive alguns mais íntimos às vezes.
Nunca falamos sobre sexo diretamente, mas já contei pra ele, por exemplo, que prefiro homens peludos (como ele), que não uso anticoncepcional, a frequência com que faço sexo com meu marido etc. Sempre que falamos sobre esse tipo de assunto ele se mostrava muito interessado e eu tinha certeza de que ele se sentia atraído por mim.

Como disse antes, eu amo meu marido, mas estava subindo pelas paredes. Estava com vontade experimentar algo diferente e esse colega era perfeito para isso. Volta e meia pensava em como seria nosso encontro. Pensava nos detalhes: a roupa que usaria, como começaria beijando ele e depois tiraria a roupa, as posições que gostaria de fazer etc.

Depois de muito pensar, decidi tentar dar uma chance pra ele e ver o que aconteceria. Como eu sabia que ele não tomaria a iniciativa, comecei a falar sobre assuntos mais íntimos com ele nas nossas conversas pra ver se ele se abria mais também. Passado algum tempo, depois de fazer minha depilação íntima, tirei uma foto e mandei pra ele, já que havíamos falado sobre isso antes e eu tinha contado como eu gostava de fazer (não depilar tudo). Ele disse que tinha ficado muito bom e que eu tinha uma buceta bonita.

A partir desse dia nossas conversas ficaram mais íntimas, até que ele me convidou para sair. Me fiz de desentendida e perguntei o que ele tinha em mente, se era para ir beber alguma coisa ou algo do tipo. Ele perguntou se eu não gostaria de ir para um motel com ele, logo dizendo que era só um convite e que entenderia caso eu recusasse.

Nesse momento meu coração disparou. Apesar de ter pensado muito sobre isso, na hora surgiu uma grande indecisão, afinal eu nunca havia pulado a cerca e tinha medo que desse errado, que alguém descobrisse, principalmente meu marido ou a mulher dele. Depois alguns instantes disse que queria ir. Combinamos o dia e o horário. Seria na quarta-feira, no intervalo de almoço. Nos dias que antecederam o encontro, não falamos mais sobre ele, as conversas eram sobre assuntos completamente normais, mas era perceptível uma tensão sexual enorme entre nós, nossos olhares não eram mais os mesmos.

No dia combinado, escolhi vestir um vestido e calçar um par de sandálias, já que ele disse que gostava dos meus pés. Chegando no motel, estávamos nós dois nervosos. Entramos no quarto, ligamos a TV, sentamos na cama e tentamos conversar um pouco. Logo ele disse que se eu estivesse pronta poderíamos começar. Eu disse que sim, ele se aproximou e começou a me beijar.
Foi uma sensação maravilhosa ser beijada por ele. Naquele momento, depois de já ter acordado excitada de manhã, já não estava mais aguentando sentir tanto tesão. Disse para ele tirar a roupa. Ele tirou os sapatos, levantou da cama e, sem tirar os olhos de mim, começou a tirar a camisa. Eu já imaginava que ele tinha um corpo bonito, mas me surpreendi. Ele tem um peitoral bonito, másculo, cheio de pelos. Em seguida, ele começou a tirar a calça. Abriu o cinto, abaixou ela e tirou a cueca. Que homem maravilhoso. Ele não é o que eu chamaria de superdotado, mas tem um membro lindo. Curvado para cima, com uma forma bonita (combinação do corpo do pênis e da cabeça), acompanhado de um saco grande, cercados de muitos pelos. Macho do jeito que eu gosto.

Pedi para ele voltar para a cama e comecei a chupá-lo. Colocava o pau todo na boca e lambia ele da base até a ponta da cabeça, enquanto massageava as bolas. Acho que chupava com tanta vontade que por duas vezes ele pediu para parar um pouco porque ele ia gozar. Nesses momentos, enquanto eu admirava o corpo dele, confessei que há muito tempo tinha vontade de transar com ele. Ele disse que também tinha essa vontade e até havia se masturbando pensando em mim.
Foi aí que ele pediu para que eu tirasse a minha roupa também, disse que queria ver tudo, muito mais do que a foto que eu havia enviado. Enquanto eu tirava a roupa, ele segurava o pau, passava a mão por ele. Depois que tirei tudo, ele pediu para eu me virar e mostrar minha bunda para ele. Ele disse que me achava uma gostosa.
Fui para a cama, ele passou as mãos por todo o meu corpo, detendo-se na minha buceta, que ele acariciou com cuidado. Ele enfiou um dedo nela e saiu todo melecado, eu disse que ela já estava pronta para receber o amiguinho dele. Ele perguntou se eu queria usar camisinha, já que ele era vasectomizado (algo que eu não sabia). Na hora fiquei um pouco em dúvida, mas acabei dizendo que poderíamos fazer sem, afinal eu prefiro assim e a ideia de ter um homem me penetrando sem qualquer proteção me excitou.

Deitei na cama, abri minhas pernas e ele veio por cima e me penetrou. Que sensação maravilhosa. Fui aos céus com aquele homem delicioso me comendo. Ele começou com carinho, mas logo estava metendo com força, enquanto eu passava as mãos na bunda dele. No início estava um pouco contida, mas logo me soltei e comecei a gemer. Quanto mais forte ele enfiava, mais alto eu gemia, até o ponto de gritar em alguns momentos. Me senti como há muito tempo não sentia: uma mulher livre, desejada e capaz de dar muito prazer.
Depois de alguns minutos ele saiu de cima de mim e começou a me chupar, beijava, passava a língua, colocava os dedos dentro. Me senti completamente vulnerável, mas no bom sentido. Estava absolutamente entregue a ele. Nesse momento ele já conhecia cada centímetro do meu corpo e sabia que podia fazer o que quisesse comigo.
Ele disse que não estava satisfeito e me comeria mais. Fizemos em várias posições: de quatro, de costas, de lado, por cima, por baixo etc. Depois de algum tempo, enquanto ele me comia de bruços, ele disse que ia gozar. Mal tive tempo de esboçar uma reação e comecei a sentir o esperma quente dele me preencher. Ele continuou me penetrando até o pau começou a perder a rigidez e ele o tirou. A sensação do corpo pesado dele sobre o meu, me deixando imóvel, fez aumentar o tesão.
Me virei para ele e não disse nada. Ele me perguntou se eu havia gostado, se ele era um bom comedor. Eu disse que tinha adorado. Ele então me deu um beijo e começou a me masturbar, massageando o meu clitóris. Gozei também. Estava feliz e satisfeita.
Fomos tomar um banho. Eu não estava acreditando muito bem em tudo que havia acabado de acontecer, mas estava ainda anestesiada pelo tesão. Não conversamos mais muito, mas ele demonstrava estar aliviado, como se também estivesse esperando muito tempo por isso.
Voltamos para o trabalho e naquele dia não nos falamos mais. No dia seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que tinha adorado nosso encontro e que me achava uma delícia. Disse que achava o mesmo, mas encerrei a conversa.
Não me arrependo de ter tido essa experiência, mas não quero repeti-la tão cedo, não quero que se torne uma rotina.
Descrevi ela em detalhes porque isso me excita e não tenho com quem dividi-la, além de que assim posso ler e relembrar esse dia.

Se o meu marido soubesse, ficaria furioso.

PACIENTE 100120.3

Eu e Marcos trabalhamos na mesma empresa e fomos convocados para participar de um Congresso fora da cidade onde trabalhamos.

O hotel já havia sido reservado pela agência de viagem que atende a empresa que sugeriu que fossemos de carro pois era numa cidade próxima.

Após algumas horas de uma viagem cansativa, chegamos ao hotel e para nossa surpresa a agência de viagem errou e havia reservado um quarto de casal, e como o Congresso seria no próprio hotel não havia mais quartos disponíveis.

A solução foi ficarmos juntos, afinal era apenas uma noite.

Como já era mais de 22:00 decidimos que iriamos direto pro quarto, pois já era um pouco tarde e o dia tinha sido bem cansativo.

Marcos foi tomar banho enquanto eu organizava no armário a roupa que iria usar no dia seguinte. Neste momento percebi que a camisola que havia levado era um pouco transparente. Fiquei um pouco sem saber o que fazer, mas como não tinha outra alternativa, deixei rolar.

Marcos saiu do banho somente de short e sem camisa. Pediu desculpas por isso e disse que não imagina que iriamos ficar no mesmo quarto. Disse a ele que não tinha problema, que poderia ficar a vontade.

Peguei minha camisola e fui tomar banho. Enquanto tomava banho fiquei pensando em toda aquela situação. Se o meu marido soubesse, ficaria furioso. Ele é muito ciumento (rs).

Sai do banho, coloquei uma calcinha branca e vesti a camisolinha que havia levado. Agi naturalmente para não chamar a atenção de Marcos. Enquanto enxugava o meu cabelo com a toalha aproveitamos para conversamos um pouco a respeito do que teria no Congresso. Depois passei um creme nas minhas pernas e nos deitamos. Percebi que Marcos não tirava o olho de mim.

Após deitar logo comecei a cochilar devido ao cansaço, mas em pouco tempo percebi que a luz estava acessa e Marcos não estava na cama… depois descobri que ele havia levantado para poder me espiar e fazer algumas fotos que me mandou depois. Como estava muito cansada não me importei e voltei a dormir.

Um pouco mais tarde percebi um leve toque na minha bundinha. Como se fosse algo involuntário. Não demorou muito e Marcos colocou a mão sobre a minha perna, na posição de conchinha. Fiquei sem saber o que fazer… me abraçou por trás encostando seu pau, já duro, na minha bundinha. Fiquei super excitada com aquela situação. Minha bucetinha já estava molhadinha … mas decidi acender a luz e pedir o Marcos para se afastar.

Quando acendi a luz e puxei a coberta ele estava completamente sem roupa e com seu pau completamente duro (certamente tinha mais de 20 cm). Ele pediu desculpas e disse que não estava resistindo aquela situação toda, que não aguentaria dormir na mesma cama comigo sem me tocar e me comer, que há muito tempo estava a fim de mim e aquela era a oportunidade de ficarmos juntos. Que eu era muito gostosa e que tudo aquilo não poderia ser por acaso. Mesmo doida para dar para o Marcos pedi a ele para se conter, apaguei a luz e virei de lado.

Estava ansiosa em sentir o pau do Marcos dentro de mim. Fingi que estava dormindo e não demorou muito para sentir o seu pau encostar novamente em minha bundinha. Fiquei um pouco em dúvida se deixaria as coisas acontecerem, mas percebi que aquela situação me excitou bastante e não resisti. Deixei acontecer …

Ele colocou seu pau entre as minhas coxas e começou a alisar minhas pernas e minha bundinha bem de levinho. Bem devagarzinho enfiou a mão na lateral da minha calcinha e começou a abaixa-la, bem devagarzinho. Fingindo estar dormindo fiquei de barriga para cima, o que facilitou para ele acabar de tirar a minha calcinha.

Minha bucetinha estava completamente encharcada naquele momento. Marcos alisava minhas coxas e tocava minha bucetinha de um jeito muito especial. Não me contive em dei um gemidinho. Era o sinal que ele esperava para poder me penetrar.

Me virou de lado e encaixou seu pau em mim, nossa, foi uma delícia, sentir aquele pau enorme entrando e saindo da minha bucetinha. Ficamos nesta posição por um bom tempo. Adora ser comida de ladinho. Enquanto ele me penetrava e passava as mãos pelos meios seios eu tocava a minha bucetinha. Fomos assim até eu gozar.

Logo em seguida ele me pegou de quatro e me penetrou. Ele me penetrava forte e eu sentia seu pau todinho dentro de mim. Enquanto me comia e me chamava de puta, gostosa e de outras coisas. Dizia que a marquinha de biquini que tenho é uma delícia e penetra cada vez mais forte.

Depois Marcos se deitou e pediu para eu cavalgar em seu pau. No início foi difícil, por causa do tamanho do pau dele, mas aos poucos foi entrando tudinho e foi muito bom. Quanto mais eu rebolava mais ele apertava minha bundinha e meus seios. Sentia seu pau bater bem no fundo da minha bucetinha. E foi inevitável, gozei muito. Quando ele sentiu o meu gozo escorrer pela minha bucetinha e molhar o seu pau e os lençóis ele não resistiu e gozou junto comigo. Foi incrível!!!

Quando acabamos aquele frenesi todo nos abraçamos e dormimos. Acordamos apreçados pra não perder a hora de irmos para o Congresso e saímos sem falar uma palavra um com o outro. Voltamos para nossa cidade em silêncio. No fundo eu queria mais… mas acho que ele ficou com medo de alguma coisa, afinal ele também é casado.

Foi uma experiência que ficou guardada na memória, e claro, espero um dia poder repetir a dose novamente.

Quando meu marido saiu, no horário costumeiro, mandei mensagem pro Cris.

PACIENTE 100120.2

Como de costume uma vez por semana meu marido (agora ex) saia para jogar com os amigos. Era meu dia de folga e fazer o que eu gostava, ser a puta de alguém.
Eu estava trocando mensagens com o Cris a umas 3 semanas, fotos, vídeos e vídeos chamadas já tinham rolado, mas eu queria mais, precisava o pau dele maminha buceta. Ele tinha um pau maravilhoso, comprido, não muito grosso, com a cabeça mais vermelha. Seu saco também me fazia ter vontade de enfiar tudo na minha boca.
Nessa semana eu tinha convencido ele a vir até a minha casa, meu marido saia as 19 e só voltava depois das 22, poderíamos aproveitar bastante.

Quando meu marido saiu, no horário costumeiro, mandei mensagem pro Cris. Ele já estava esperando perto da minha casa, em 2 minutos estava lá.
Como meu marido tinha saído de carro, mandei ele guardar o dele na garagem.
Quando ele desceu do carro, fui até ele e dei um beijo pra acender nosso tesão.
Ele já me levantou no seu colo, me escorou na parede e ficamos ali por um tempo, era a primeira vez que ficávamos juntos e estávamos cheios de tesão um pelo outro. O Cris me colocou no chão, depois foi tirando minha roupa ali mesmo, tirou minha blusa, minha saia. Quando tirou meu sutiã aproveitou pra chupar e morder meus peitos, me deixando ainda mais louca por ele. Depois de um tempo assim ele se ajoelhou na minha frente e baixou minha calcinha, colocou o rosto na minha buceta e cheirou “caralho de buceta mais cheirosa, já posso imaginar o gosto”
Me empurrou pro seu carro, ficando de costas pra ele. Deu tapa forte na minha bunda, se ajoelhou abriu minha bunda e foi lamber meu cu “Ah, e esse cu, que maravilha”
Eu só queria que ele parasse de falar e me chupasse então implorei
“Cris, por favor, me chupa, não aguento mais”
Ele ficou atrás de mim, abriu bem minhas pernas e se enfiou embaixo, assim conseguia chupar minha buceta e cu. Ficou colocando o dedo pra dentro do meu cu, que já piscava de vontade de receber aquela caralho gostoso nele. Quando ele percebeu que eu ia gozar, massageou meu clitóris, o que aumentou meu prazer e me fez gozar. Gemi igual cadela e ele ficou com a cara enfiada na minha buceta, sugando todo meu líquido.
Depois de me fazer gozar ele se levantou e tirou a roupa. O pau dele saltou quando tirou a cueca.
Na hora me ajoelhei na frente dele e caí de boca naquele pau que a dias me deixava acesa.
Chupei seu pau, lambi a cabeça daquele caralho, brincando com ela, enquanto ouvia os gemidos do Cris. Massageie e depois enfiei as bolas dele na minha boca, chupando elas também.
Quando voltei a colocar o pau dele na minha boca, ele segurou minha cabeça e começou a fuder minha boca, me afogando, mas não parou.
Ele não queria gozar na minha boca, queria aproveitar mais nosso momento. Subimos pela escada interna da casa e fomos pro meu quarto.
Lá ele me jogou na cama e voltou a me chupar. “Caralho de língua gostosa essa, puta que pariu”
Eu queria mais daquele pau na minha boca, então num 69, começamos a nos dar prazer. Só o que se ouvia eram nossos gemidos no quarto.
Eu estava quase gozando quando o Cris parou, me colocou de lado e foi trás de mim, ergueu uma das minhas pernas e com minha buceta bem lubrificada enfiou todo o pau na minha buceta

“Ah, esse pau é muito gostoso”
“E essa buceta apertada, não vou aguentar”
Ele ficou um tempo parado e depois começou a movimentar bem devagar aumentando o prazer e a expectativa do gozo.
Depois de umas socadas nessa posição o Cris me colocou na posição frango assado, e voltou a meter na minha buceta me fazendo gozar mais uma vez.
Ele tirou o pau melado do meu gozo, deu uma cuspida no meu cu, enfiou um dedo, depois dois e então levou aquele pau pra minha entrada. Ele enfiou a cabeça e eu rebolei então, sem conseguir se controlar ele meteu tudo pra dentro, arrancando gemidos de nos dois.
Foi o fim pra ele que com umas metidas já estava gozando e enchendo meu cu de porra.
Caímos exaustos na cama.
Depois de descansar fomos pro banho, onde mais amassos rolaram, então o Cris se vestiu e foi pra casa.
Eu coloquei minha camisola e deitei na minha cama, estava muito cansada.
Quando meu marido chegou, tomou um banho e venho deitar comigo. Naquela noite não dei pra ele, disse que estava muito cansada, só não expliquei o porquê. E ele corno, dormiu na cama onde a pouco tinha um cara fudendo sua esposa.

Meu primeiro sexo anal.

PACIENTE 100120.1

Depois que perdi a minha virgindade com meu primo. No dia seguinte, quando os meus tios saíram para trabalhar, meu primo também foi fazer os seus alfazeres na chácara, eu fiquei deitada na minha cama. Esperando meu primo chegar em casa para fircamos juntos novamente .
Eu levantei e fui escovar os dentes, depois tomei um banho bem gostoso, fiquei bem cheirosa para o meu macho gostoso .

Quando foi 11:30 da manhã meu primo chegou em casa, ele me deu um beijo na minha boca, e depois disse que iria tomar um banho , então eu disse que esperaria ele no quarto .
Enquanto o Caio tomava banho, eu fui para o quarto, e fui tirando a minha roupa enquanto Caio não chegava.
Depois de uns dez minutos, Caio entrou no quarto com uma toalha na cintura, com o pau já duro.

Eu já estava sem roupa, deitada na cama. Caio tirou a sua toalha da cintura seu pau estava muito duro e já foi foi colocando o seu pau na minha boca pra mim chupar.
Comecei a chupar o seu pau, Caio ficou ajoelhado do meu lado, eu fiquei de ladinho e fiquei chupando o seu pau bem gostoso. Eu chupava, lambia o seu pau, beijava a cabeça, e chupava o seu saco também .
Chupei o seu pau por uns 10 minuto, Caio pediu para ficar de quatro que ele iria me comer de quatro .

Fiquei na posição de quatro, Caio veio por trás e foi metendo o seu pau na minha buceta .
Caio começou metendo devagar, devagar, e aos poucos foi aumentando as enfiadas que seu pau já entrava até o fundo da minha buceta.
Caio metia muito gostoso, ele não parava de mete, metia, enquanto metia ela dava uns tapas na minha bunda, eu cada vez mais com muito tesão. Caio era um tesão de homem na cama, sabia meter, e da prazer a uma mulher.

Caio continuou metendo em mim bem gostoso, que eu estava preste pra gozar, eu pedia pra ele meter, meter, enfiar o seu pau todo na minha buceta, Caio obedecia, e cada vez que eu pedia pra ele meter forte em mim mais Caio metia.
Até que não aguentei mais e acabei gozando, caio diminuiu o ritmo das metida e foi só enfiando o pau devagar até que ele parou de me comer .
Caio foi ao seu quarto e voltou com o seu lublificante, e disse que iria comer o meu cuzinho .

Quando Caio disse que iria comer o meu cu, eu fiquei aflita, pois seu pau e grande e grosso, fiquei com medo que irá doer quando, seu pau entrar no meu rabo.
Todos que falam que da o cu, todos dizem que dói muito por isso da minha aflição .
Mais Caio como um bom comedor, um macho gostoso, foi logo me acalmando dizendo que não iria me machucar,,que iria ser carinhoso com o meu cuzinho.

Caio já pegou o lublificante, e passando no meu cu, foi enfiando o dedo para deixar meu cu todo lambuzadinho por dentro . Ele fez isso por umas quatro vezes enfiando o dedo, até que a última vez ele enfiou dois dedos no meu cu.
Caio também lublificou a cabeça do seu pau, e pediu para mim deitar de ladinho, pois eu já estava de quatro esperando ele mete no meu cu .
Deitei de ladinho, Caio deitou atrás de mim, pediu para mim levantar uma perna, e abrir a minha bunda .

Senti o Caio encostar a cabeça no meu burraquinho qinda virgem, Caio encostou e foi empurando e seu pau ia forçando para entrar, como estava bem lublificado não foi difícil de entrar,,eu comecei a sentir dor, Caio perguntou se estava tudo bem,,e,se,estava doendo, eu disse que estava doendo um pouco sim, mais quemainda daria para aguentar, parecia que seu pau estava todo dentro do meu cu, perguntei para o Caio, ele disse que não tinha entrado nem a metade ainda.

Caio foi metendo um pouco mais forte, eu sentia seu pau entrando e saindo do meu cu, Caio voltou a perguntar se estava doendo, mais uma vez eu disse que estava um pouco, ele quis parar eu disse que não para continuar metendo.
Foi quando Caio começou a mexer no meu grelinho, enquanto comia o meu cu, já comecei a ficar excitada com muito tesã. Caio metia, metia, e gemia muito também, como eu também gemia no pau do meu primo .
Caio meteu mais uns dez minutos em meu cu , eu disse a ele que iria gozar, ele aumentou um pouco mais as metidas que acqbou gozando junto comigo também.
Sentia seu pau jorrando porra dentro do meu cu , enquanto eu gozava nos dedos do meu primo .
Caio ainda ficou alguns minutos com pau dentro do meu cu, até que foi murchando e saindo do meu cu.

Eu e meu primo fomos tomar um banho juntos, depois voltamos para a cama, e ficamos na cama conversando por um tempo, até que meu primo começou a me beijar, depois começou a chupar os meus seios, minha buceta, eu chupei o seu pau.
Meu primo e eu transamos a tarde toda, foi uma tarde maravilhosa com muito sexo .
Meu primo meu comeu a minha buceta mais uma vea, e ainda comeu meu mais uma vez de ladinho , foi muito gostosa essa tarde.

Depois vou lhe contar como conheci a namorada do meu primo.

Eu era muito parecida com a minha mãe…

PACIENTE 90120

Meu nome é Carolina.
Eu era mãos nova quando meus pais resolveram se separar, então desde essa separação eu passei a morar com a minha mãe em um apartamento, eu sou filha única da minha mãe, mas tenho um irmão de 22 anos, filho do meu pai, logo após uns 7 meses dela é meu pai se separarem ela já tinha um caso com um homem do trabalho, que era 9 anos mais novo que ela, minha mãe tinha 36 e ele 27, o nome dele era Henrique, quando eu fiz 15 anos, ela me chamou e teve uma longa conversa comigo, dizendo que amava o Henrique e que queria tentar de novo, e dizendo que meu pai tinha sido um grande babaca e blá blá blá,

Até que ela lançou a seguinte frase “O Henrique vai se mudar para cá, semana que vem” eu apenas fiz um sinal de desaprovação com a cabeça e sai, eu nunca tinha visto esse tal de Henrique, e olha que já fazia quase um ano que minha mãe é ele namoravam, relevei essa situação, passou alguns dias, e eu estava sentada no sofá vendo TV e minha mãe na mesa de jantar, foi quando a campainha tocou e ela levantou correndo pra atender, quando ela abriu a porta, estava um cara alto, loiro, dos olhos escuros e bem forte na frente da porta, então minha mãe disse para ele entrar, e nos apresentou.

“Henrique essa é minha filha Carolina, Carolina esse é o meu namorado Henrique” e então ele esticou a mão, e eu tinha que ser educada, estiquei a minha também, e ele disse “oi, e um prazer te conhecer” eu apenas sorri, foi quando ele soltou um ” eu não sabia que você tinha uma filha tão linda” minha mãe sorriu e agradeceu.

Eu era muito parecida com a minha mãe, muito mesmo, então ele disse que as malas dele estavam lá fora, e saiu para buscar, quando ele voltou ele olhou pra mim é disse: “então, você já deve saber que a partir de hoje vou morar com vocês né?” eu balancei a cabeça e disse que sim.

Então minha mãe levou ele até o quarto dela para ele arrumar as coisas dele, eu me levantei e fui dormir, então como eles trabalhavam na mesma empresa, eles saiam juntos todas as manhãs, e como era férias da escola, eu acordava bem tarde e passava o dia inteiro entediada, então já tinha uns 9 meses que o Henrique estava morando lá em casa, ele é minha mãe já tinha mais de 1 ano de namoro,

Então o Henrique resolveu pedir minha mãe em noivado, fiquei muito feliz por eles, ele fez um pedido super romântico, e deu pra ela um anel perfeito, ela tava nas nuvens, 3 semanas depois do pedido, eu chego da escola umas 17:40 por que estudo a tarde, e na volta sempre peço um uber, quando eu cheguei da escola, minha mãe estava na cozinha e meu padrasto na sala vendo televisão, e minha disse: “filha, depois eu e seu padrasto queremos te contar uma novidade” eu respondi com um ok e fui tomar banho,

Terminei de tomar banho, e coloquei meu pijama, queria ficar muito a vontade, ele é um shorts bem curto e com tecido de seda, e uma blusinha de alçinha de seda também, então eu sentei no sofá e fiquei esperando minha mãe, quando ela sentou no sofá do lado do meu padrasto, ela começou a falar um monte de coisa, sobre família e sobre laços, mas eu não prestei muita atenção por que eu só conseguia olha para o meu padrasto, e a cara de safado que ele fazia olhando pra mim, e mordendo os lábios, até que ela disse: “você vai ter um irmãozinho” eu na mesma hora comecei a chorar e a pular de alegria,

E abracei minha mãe, e depois abracei meu padrasto, e quando ele me abraçou ele me apertou contra o tórax dele, eu sei que ele fez isso com a intenção de sentir meus seios, já que estava sem sutian por que odeio usar isso em casa, tudo bem, passou 4 meses, e minha mãe descobriu que o bebê era outra menina, e que o nome dela ia ser Alice, passou mais 2 meses e minha mãe já ia completar 7 meses de gravidez, ela tinha pedido licença maternidade do trabalho e apenas meu padrasto estava trabalhando, então uma sexta a noite, eu e minhas amigas combinamos de sair para uma social que ia ter na casa do Juninho nosso amigo,

Então eu pedi permissão para a minha mãe é ela com era uma mãe demais, deixou eu ir, me arrumei, vesti um vestido que modelava meu corpo, coloquei um tênis e uma jaqueta jeans por cima, e sai, esse dia eu me diverti muito, e também bebi muito, mas não ao ponto de ficar totalmente louca, voltei para casa, quando eu cheguei na frente da porta do apartamento eu peguei meu celular e eram 2 horas da manhã e tinha 7 ligações perdidas do meu padrasto.

Eu abri a porta e ele tava deitado no sofá vendo TV, e quando ele me viu ele levantou e perguntou aonde eu estava, se eu achava bonito ficar na rua até aquela hora, então eu respondi que ele não era meu pai e que minha minha tinha deixado eu sair, foi quando ele me puxou e me sentou no sofá e disse: “Carolina, sua mãe está grávida, ela não pode passar nervoso, por causa do bebê, ela estava muito preocupada com você, então pedi pra ele descansar, mais ela não conseguia, então tive que dar um remédio pra fazer ela dormir, você consegue entender isso?

” Eu disse que sim, então ele me abraçou, e ele sentiu o cheiro forte de álcool e disse: “eu não acredito que você bebeu, meu deus garota” então ele me pegou pela mão e me levou até o meu quarto e disse: “deixa eu tirar essa sua roupa e te dar um banho” na minha casa tinha 2 quartos e todos eles era suítes, e eu como tinha bebido muito, apenas deixei, ele tirou meu tenis, minha jaqueta e por último meu vestido, e me deixou apenas de calcinha e sutian,

Então ele me pegou nos braços e me colocou sentada embaixo do chuveiro, foi aí que ele tirou a camisa, e perguntou se eu queria ficar nua, eu disse que não, então ele começou a passar a boca lentamente no meu pescoço e dava uns beijinhos, então ele virou meu rosto e começamos a nós beijar, tava com muito tesão mas aquilo era totalmente errado, então eu afastei ele é disse: “pode sair agora, eu já tô bem” então ele olhou nos meu olhos e fez carinho na minha bochecha e sorriu, ele se levantou, vestiu a camisa e saiu, eu fiquei lá, pensando no que tinha acontecido,

Terminei de tomar banho e fui direto para o meu quarto dormir, na manhã seguinte eu levantei para tomar café da manhã, e o meu padrasto já tinha ido para o trabalho, tomei meu café, não estava me sentindo muito bem, pois na noite anterior tinha bebido, e estava com uma ressaca enorme, então pedi para minha mãe para eu faltar a escolar por que não estava me sentindo bem, ela concordou, então fui para o meu quarto tirar um cochilo por que estava realmente cansada, algumas horas depois, minha mãe bate na porta do quarto e diz que tem um exame marcado as 4, para ver como estava a bebê, eu sorri e disse que estava tudo bem, então ela saiu, a gente tinha o costume de sempre trancar as portas.

Por medo de roubo e coisas assim, então eu tranquei e resolvi tomar um banho quente, então tirei minha roupa e fui para o banheiro, quando estou no banho, escuto a campainha, e saio toda molhada apenas de toalha para abrir a porta, e era meu padrasto, então ele entrou é trancou a porta, e me olhou de novo com aquela cara, eu já não conseguia mais se segurar, eram tantas indiretas, então ele perguntou pela minha mãe, e eu disse que ela tinha ido ao médico para ver a bebê, e que não sabia quando ela voltava, ele estava lá, de pé, olhando pra mim com muito tesão.

Então eu saí e disse que iria continuar meu banho, então ele veio até mim, e me segurou pelo o braço, e disse: “eu te quero tanto” eu me assustei e fiquei parada, sem reação, então começamos a nós beijar de novo, era tão delicioso que minhas pernas tremiam, então ele beijava meu pescoço e eu conseguia ouvir sua respiração forte bem perto do meu ouvido, enquanto ele sussurava o quanto eu era gostosa, então ele puxou a minha toalha e me encostou na parede, ele me olhava como se eu fosse sua presa.

Então ele começou a chupar meu seios, era tão gostoso, então a mão dele começou a descer pela minha barriga até minha buceta, e ele começou a fazer carinho nela, tava tão gostoso que queira gemer muito alto, então ele pediu para que eu abrisse a boca, então ele meteu os dois dedos dele nela e pediu para eu chupar como se fosse chupar o pau dele, chupei bem gostoso.

Então senti aqueles dedos entrando e saindo da minha bucetinha, ele meti a com vontade enquanto olhava o meu rosto, eu gemia bem gostosinha pra ele, então ele pegou minha toalha e fomos para o meu quarto, chegando lá, trancamos a porta e ele me colocou de quatro em cima da minha cama, e começou a lamber minha buceta, era tão delicioso sentir aquela língua passando na minha buceta, ele chupava ela com muita vontade, e isso me deixava louca de prazer, então ele me virou de frente e começou a me beijar e a meter os dedos na minha bucetinha, ele metia gostoso enquanto chupava meus seios e eu gemia feita louca querendo mais, então ele disse: “fica de joelhos”

E eu fiquei foi quando ele tirou a roupa inteira, e eu vi aquele pau enorme e gostoso, comecei a chupar ele com vontade, enquanto olhava para o rosto dele cheio de tesão, então ele gozou e jogou tudo na minha boquinha e eu engoli com prazer, então ele me colocou de quatro de novo e começou a esfregar o pau gostoso dele na minha bucetinha, ele dizia que minha buceta era muito linda e que tava doido pra me comer desde o dia que me viu, então eu disse que minha bucetinha era toda dele, ele podia fazer o que quisesse com ela,

Foi aí que senti aquele pau gostoso entrando na minha buceta, ele me comia forte enquanto dava tapas na minha bunda e puxava meu cabelo, eu gemia feito louca, então ele tirou o pau dele de dentro de mim e pegou a gravata dele que estava no chão e amarrou minhas mãos e pegou minha calcinha e colocou na minha boca e começou a me comer de frente, eu estava com muito tesão, sentir aquele pau entrando e saindo da minha buceta era a melhor sensação do mundo, eu gozei demais, então ele me colocou de lado e meteu o pau mais uma vez em mim.

Enquanto o pau dele entrava e saía, ele estava me masturbando, eu gemia muito alto, por que aquela foda tava sendo uma delícia, então ele me desamarou e eu comecei a cavalgar naquela rola gostosa, sentava forte, e nós dois gemiamos muito gostoso, então ele gozou.

Senti sua porra quentinha dentro da minha buceta, então ele pediu para eu ficar de quatro enquanto eu chupava o pau dele e ele metia os dedos dentro da minha buceta, eu estava louca de tesão e queria dar mais pra ele, aquele homem era uma delícia na cama, então comecei a bater uma punheta pra ele, e ele gozou no meu rostinho, sujando ele todinho de porra, então fomos para o banheiro, tomamos banho juntos, foi quando ele me pegou no colo e encaixou o pau na minha buceta e começamos a fuder de novo.

Embaixo do chuveiro, então ele pediu para comer o meu cuzinho, e eu disse que nunca tinha dado ele pra ninguém, então fiquei de quatro no chão do banheiro enquanto ele chupava gostoso meu cuzinho, e metia o dedo, tava tão gostoso que pedi pra ele meter o pau logo, então ele comeu meu cuzinho bem gostoso, enquanto ele metia na minha bunda, eu metia o dedo na minha xota e me masturbando gostoso,

Então gozamos juntos, foi uma delícia, nós beijamos mais e fomos cada um para seu quarto, fui para o meu quarto pensando naquela foda gostosa que tinha dado e não aguentei e tive que trocarf4 siririca pensando naquela transa gostosa, vesti meu pijama e fui para a sala, quando cheguei lá, ele estava sentando no sofá, então eu passei na frente dele e ele deu um tapa na minha bunda e me chamou de gostosa, então me sentei e ele se levantou para fazer a janta, então minha mãe chegou e foi banhar, então jantamos juntos, e foi aí que minha mãe percebeu uns arranhados no braço dele, então ele olhou pra mim assustado e eu abaixe a cabeça e continuei comendo, então ele disse que tinha sido a gata da mãe dele, e ainda bem que ela acreditou.

Então voltamos a rotina normal, passou algum tempo, minha mãe já estava com 9 meses, faltando poucos dias para a bebê nascer, eu e meu padrasto não transamos mais, por que não ficávamos sozinhos nunca, foi aí que então era de madrugada, quando ouvi alguém abrindo a porta do meu quarto, era ele, então ele veio até mim e disse que estava com saudade, e nós beijamos, então ele meteu a mão dentro do meu short e começou a me masturbar e a infiar os dedos na minha buceta,

Mas eu não gemer, então comecei a chupar o pau dele até ele gozar na minha boquinha, e eu engolir tudo, então ele tirou meu short e chupou a minha buceta gostoso, então ele colocou o pau dentro da minha bucetinha, e estava louca de prazer, que homem gostoso era aquele, então nós fudemos gostoso, dei meu cuzinho pra ele de novo, e ele gozou gostoso dentro dele, daí em diante ele vem algumas noites até meu quarto e nós fudemos gostoso, esse homem me deixa com muito tesão.

Foram incontáveis as tardes que passamos juntas…

PACIENTE 090120

Ana era apenas dois anos mais velha do que eu, mas já sabia de umas coisas e dessas já havia feito muitas, enquanto eu ainda estava aprendendo. Foram incontáveis as tardes que passamos juntas assistindo o que não deveríamos assistir e conversando sobre o que não deveríamos conversar. Ela tinha as manhas, trazia na mochila filmes e revistas e depois de um tempo até alguns brinquedos. Ela sabia como acessar sites bloqueados na redes e conversava com estranhos como se fossem bastante íntimos. Às vezes ela se mostrava para eles. Eles sempre se mostravam para ela.

– Mostra também! – Ela me dizia. Mas eu tinha vergonha. Vergonha e uma curiosidade sem fim. Eu a admirava, a invejava, queria ser como ela.

Um dia, para se exibir num chat, enquanto conversávamos com um sujeito, ela me agarrou e me deu um beijo. Foi rápido, seco e fez um pequeno estalo. Pressionou os lábios fechados contra os meus e sorriu pra mim. Eu sorri de volta, com o coração batendo rápido. Claro que já havia beijado antes, mas foi a primeira vez com uma garota.

– Só isso? – Provocou o sujeito do outro lado da câmera.

Ana não gostava de ser desafiada. Toda vez que alguém dizia que ela não conseguiria fazer algo, ela dava um jeito de fazer. Uma vez, numa brincadeira do tipo “Verdade e Consequência”, disseram para ela masturbar um cara que estava na roda. Ela aceitou, mas não fez na frente de todos. Eles foram até o corredor do lado da sala e voltaram minutos depois. Ana mostrava, na mão aberta, o sêmen do rapaz, que havia gozado nela. “Duvido que você prove” disse uma garota zoando. Ana, sem perder tempo, lambeu a própria mão na frente de todos. Sugou rápido o líquido branco e depois chupou os dedos.

O sujeito do chat queria ver mais. E minha amiga me agarrou de novo, me puxando para cima dela, fazendo nossos lábios se tocarem mais uma vez, junto com nossos peitos. Sua boca foi abrindo e sua língua úmida foi forçando meus lábios a se abrirem. Me rendi ao desejo dela e senti o gosto de sua saliva. Tentei retribuir, empurrando a minha para dentro dela. Ana fechou os lábios sobre e chupou minha língua como se fizesse sexo oral num homem. Ficamos ali abraçadas, brincando com nossos lábios, por um bom tempo. Terminamos com mais daqueles beijinhos menores, mas que agora estavam bastante molhados.

– Assim tá bom? – Ela perguntou e o sujeito respondeu que estava muito bom, mas seria melhor se estivéssemos sem roupa. Ana apenas riu e disse para o sujeito ir sonhando.

Eu sentia um calor enorme dentro de mim. Respirava ofegante e o coração batia rápido como se estivesse terminado uma corrida. Ana percebeu, pegou minha mão e disse para me acalmar. Falei que era minha primeira vez com outra mulher e ela sorrindo disse que também foi sua primeira vez.

– Foi bom? – Ela me perguntou.

– Foi! – Eu disse, um tanto envergonhada, e nos beijamos de novo.

Desse dia em diante, sempre que estávamos juntas e sozinhas, nós nos agarrávamos e nos beijávamos muito. Beijos que foram descendo para o pescoço e para os ombros, à medida em que ficávamos mais íntimas. Até que num dia de verão, quando podíamos sentir o gosto do suor na pele uma da outra, Ana tirou a camisa na minha frente e depois o sutiã.

Era a primeira vez que a via assim. Minhas mãos foram sozinhas neles, pequenos mas maiores do que os meus. Seus mamilos foram ficando durinhos nas pontas dos meus dedos. Me aproximei e os beijei com carinho, depois os chupei com um pouco de força. Ana, me tocando nos cabelos e de olhos fechados, gemeu baixinho.

Ela se encarregou de tirar a minha camisa. Eu já estava sem sutiã. Me deitou na cama e deitou-se sobre meu corpo, entre minhas pernas abertas. Ela me beijou e desceu até meus seios. Mamou em cada biquinho e desceu até meu umbigo, enquanto massageava meus peitos. Desejei que ela continuasse descendo, queria ver ela tirar meu shorts, minha calcinha e chupar minha xaninha, mas isso ficou só na fantasia da siririca daquela noite.

O sujeito do chat ainda nos chamava para conversar. Gostava de exibir seu corpo para nós, principalmente seu pau. Sempre ereto, em closes na câmera, o cara se masturbava para matar a minha curiosidade. Ana descrevia para mim a sensação de ter em mãos uma rola daquelas. Conversávamos sobre o gosto do sêmen, Ana dizia que gostava e o sujeito dizia que nunca havia provado, mesmo quando gozava para nós e ficava com os dedos lambuzados.

Em troca, nos beijávamos para ele, exibindo metade de nossos corpos nus. Até o dia em que ele pediu para ver mais e Ana topou, realizando o sonho dele.

Ela tirou a calça dela e depois a minha. Eu fiquei envergonhada, nunca tinha me exibido tanto assim. Mas ela dizia “é como ficar de biquíni na praia”. Não era a mesma coisa! E ficamos as duas, só de calcinha, se beijando e rolando na cama, com nossas mãos passeando pelo corpo uma da outra, tocando os seios e apertando as bundas.

Ana puxou minha calcinha até os joelhos. Minha reação foi cobrir a minha xaninha. Depois ela tirou a própria e a jogou longe no quarto. O sujeito comemorava. Então ela pegou em minhas mãos, dizendo “deixa eu ver”, e fui abrindo aos poucos. Assim que viu meus pentelhinhos escuros, Ana, que depilava a sua, sorriu para mim e riu baixinho, deitando-se mais uma vez sobre mim para me beijar.

Ficamos ali, deitadas de pernas entrelaçadas, trocando carícias e beijos, até minha curiosidade levar meus dedos para a xaninha dela. Queria constatar o quanto era lisinha, mas seus pelinhos já estavam começando a crescer. Ana, pensando em outras coisas, me ajudou a chegar lá, abrindo a perna, deixando-a dobrada na cama. Com meu toque, ela gemeu e se mexeu na cama, fazendo o quadril deslizar para cima de minha mão e meus dedos tocaram nos lábios de sua xaninha, já bastante molhadinhos.

Mesmo sem ser essa a minha intenção, Ana gostou e retribuiu me tocando também. Mais uma vez meu peito disparou com o coração batendo forte. Eu já suava, respirava forte e gemia também. Os dedos dela buscaram meu clitóris e ficaram brincando com ele, cada vez mais rápidos. Eu ia fazendo o mesmo nela. E nosso gemidos só eram abafados por nossos beijos.

Ana me fez ter um orgasmo. Meu corpo relaxou de um jeito que não consegui continuar masturbando ela. Ana ficou brincando sozinha enquanto eu ainda sentia o tesão percorrer por debaixo da minha pele. Foi tudo tão gostoso, que depois eu a agradeci lhe beijando muito, dizendo que a amava e ela dizia que me amava também.

Dali para o sexo oral não demorou muito. Nem esperávamos o cara do chat, queríamos fazer por nós e para nós. Mas nem sempre era fácil termos tempo juntas. A família da Ana era muito severa e religiosa, se soubessem de nosso relacionamento, ela estaria ferrada.

Nosso primeiro oral foi um 69 na minha cama, num feriado em que os pais dela precisaram viajar e ela passou uns dias com a minha família. Passamos uma longa tarde nos masturbando sem parar, trocando carinhos e beijos também. Meus beijos foram descendo pelo corpo dela até eu ficar entre suas pernas, pronto para chupá-la, mas Ana me puxou novamente para cima dela e me fez virar de lado. Assim ela pode me chupar também. E ficamos nessa posição até nós duas termos orgasmos. Fiquei com a língua doída, cansada, mas valeu a pena. Dormimos muito bem naquela noite, dividindo a minha cama, abraçadinhas.

Mais 69 rolaram depois deste, até que a família de Ana se mudou para a Argentina. Nunca mais a vi, mas ainda nos falamos e lembramos com carinho da nossa intimidade. O sujeito do chat? O conheci alguns anos depois, conto a história outro dia.

Eu precisei anotar alguma coisa, que não lembro…

PACIENTE 181219-3

Sou casada e comecei a trabalhar em um hospital, tem muito tempo. Conheci um médico lá, gente boa. Um gato, de olhar firme, que faz tremer a perna quando te olha nos olhos.

A primeira vez que o vi, fiquei encantada, cheia de vontade de descobrir se era isso mesmo, mas não sabia se podia, então fiquei na minha. Todo plantão nosso que batia, eu o observava de longe. O sotaque, o cheiro… nossa. Fiquei com uma vontade dele. Quando ele passava por mim queria agarrá-lo.

Num plantão nosso, eu não aguentei e comecei a puxar assunto enquanto ele fazia um procedimento… fiz várias perguntas, tagarelei. Mas olhando dentro dos olhos dele e ele respondia as minha olhadas.

Eu precisei anotar alguma coisa, que não lembro, peguei a caneta dele e depois elogiei a caneta (?). E ele disse que daria ela pra mim. Alguns minutos depois, ele foi no meu setor e levou a caneta e me pediu que escrevesse algo no papel. Algo que ele iria gostar (rs) Nem pensei duas vezes, dei meu telefone e anotei meu nome.

Ele me chamou no zap e conversamos sobre tudo (na verdade, conversamos até hj), disse a ele que era casada e ele me disse que tem um relacionamento tbm, mas que eu tinha chamado a atenção dele. Fiquei surpresa, pq ele tbm chamou a minha (gato demais).

Nesse mesmo dia, ele apareceu de surpresa no setor e me agarrou, demos um mini beijo mas com pegada que só serviu pra aumentar minha vontade, minha buceta pulsou naquela hora… como eu queria ter dado pra ele ali…Acabamos marcando de nos encontrarmos.

Chegou o tal dia marcado, ele demorou um pouco, me deixando mais ansiosa, mas apareceu Dentro do carro, ele pegou a minha mão e colocou no pau dele,tava tão duro e latejando… cheio de vontade de sentir minha buceta logo. Fiquei passando a mão e apertando devagarinho até chegarmos no motel. Chegando lá, ele não perdeu tempo, arrancou a minha roupa, me jogou na cama e me chupou. Mas foi A chupada, eu não queria que ele parasse, que boca, que tesão. Eu tava louca pra gritar e gemer alto. Me lembro que rebolei na cara dele de tanto tesão. Nunca fui tão bem chupada na minha vida toda. Delirei!

Fui pra cima dele, fazer o que faço de melhor e amo (sentar e rebolar). Fiquei rebolando na cabecinha do pau dele e olhando fixamente pra ver qual era a reação.

Ele tava louco de tesão… rebolava na cabecinha e sentava forte. Deixei o cara doido de tesão (adoro) fizemos outras posições, mas não consigo mais lembrar pq o tesão tava no nível máximo… mas me lembro dos tapas na raba, puxões de cabelo, sussurros no ouvindo me chamando de puta e gostosa.

Que fodaaa perfeita. Que homem!

Depois desse dia ficamos gamados um no outro e não paramos mais de foder gostoso. Já fizemos tanta loucura. Boquete no carro, sexo no meio da rua… enfim, a gente combina tanto na cama. Nosso sexo me deixa louca. Até o fim desse RELATO já melei a calcinha umas três vezes, só de lembrar 😋

RELATO PESSOAL 135

Resultado de imagem para SEXO GIF

Ultimamente tenho visto muitos amigos com problema no casamento, dizendo que esfriou, que a mulher não os procura mais e vice e versa, assim como também homens que estão viciados em pornografia e perdem o tesão pelas suas mulheres.

Ha cerca de um ano um amigo se abriu me contanto isso e não sabia como aconselha-lho, mesmo porque sou muito bem resolvido e nunca me imagino com este problema.

Aconselhei a saírem irem pra um motel etc, mas uma semana apos, meu amigo ligou dizendo que nada adiantava até que ele perguntou pra esposa se ela se imagina com um outro homem e ai que fiquei surpreso com a resposta ele disse que a resposta dela foi que imaginava transando comigo.

Fiquei sem jeito e espantado e curiosamente ele complementou dizendo que a pois ela dizer isso ele meteu como nunca e gozou muito.

Logo em seguida veio o pedido pra eu sair uma unica vez com a mulher dele, porque ela já tinha ouvido falar que eu dava um “choque-de-gestão” nas mulheres (amigas dela deve ter fofocado…)

Mesmo sem jeito aceitei, foi uma transa de quatro horas, com muito pica na buceta, no cuzinho (fez de difícil mas aceitou), gozou como louca e voltou pro maridinho. O marido diz que o casamento guinou pra cima e estão muito felizes.

ACONTECEU FOI QUE NUNCA MAIS TIVE COMO FICAR OLHANDO PARA O MEU AMIGO SEM ME SENTIR UM CAFETÃO.

A VOCÊS HOMENS QUE NÃO SÃO SANTOS, MAS TAMBÉM SÃO LEITORES….

Sabe aquela gata que se faz de difícil, eu mandei essa um dia você será minha, ela respondeu nem que você fosse o último homem da terra. Parece um fora não é verdade então um fraco abaixaria a cabeça e ia tomar umas cachaças, só que para um sedutor isso é música para os ouvidos.

Marcamos em cima cercando por todos os lados deixando ela perdidinha sem ação se divertimos muito com as investidas e como elas fazem para se esconder escapar e fugir. Como se isso pudesse parar um conquistador NATO esse nunca desiste persiste até o resultado desejado. Aí o legal é que ela pensa tudo bem já que você não me dá sossego vamos fazer um acordo eu saio com você e depois você me deixa em paz.

Sim claro acordo fechado, acontece que ela não sabe que quando cair nas tentações de um sedutor ela vai implorar por mais e mais aí a coisa muda, ao invés da gente correr atrás dela ela que viverá correndo atrás da gente porque se saciou como nunca.

É como eu sempre digo um sim ou um não faz parte mas as coisas também mudam. Você já viu vendedor de tapete, o cara bate em várias casas e sempre recebe não, não quero, mas chega uma hora que ele bate em uma casa e a pessoa compra, viu já pensou se ele desistisse no primeiro não.

A mesma coisa é com algumas mulheres, as vezes você receberá um não mas se aceitar o não já era mas você tem que entender que um dia esse não pode virar sim é como diz o ditado nunca diga dessa água não beberei, porque pode beber e ainda chupar o pote.

Porque digo isso talvez você esteja cansado de tentar algo com uma gata e nada, porém saiba que tudo muda e ainda que ela te diga nove não um dia pode dizer um sim e você esquecerá os nove não porque essas difíceis sempre dão mais prazer do que as fáceis que já são rodadas, então não se desespere a hora chega o dia chega, e o prazer é gozar com a gata e dizer consegui.

O problema básico é que depois que você conseguir ela não sairá mais do seu pé pediu ta pedido não pode ficar arrependido.

RELAXE E GOZE.

Imagem relacionada

Ao contrário do que muita gente pensa gostar de sexo não é ser mau caráter, pois é uma necessidade humana assim como comer, beber ou dormir.

As pessoas confundem muito as coisas, segurar essa vontade pode causar estresse nervosismo e até alergias pelo corpo.

Claro que cada um tem a sua maneira de aliviar o tesão alguns se masturbam, outros tem casos sem compromisso somente para sexo, e outros consomem pornografias, porém cada um busca uma forma de aliviar a tensão sexual.

O mau caráter já é outra coisa relacionada a personalidade o que é totalmente diferente de uma necessidade física.

Eu sei porque que o nosso site tornou-se o melhor site de sexualidade da internet, justamente por isso, ele permite o desabafo sexual das pessoas, suas taras, fantasias, fetiches, mas também pública algumas dicas e toques para galera que curte sensualidade e erotismo.

Pessoas adultas deveriam ser mais maduras a ponto de lidar com o sexo, é triste ver adultos com mimimi dizendo que quem curte sexo é tarado, endemoninhado, ou insano, então talvez ele tenha nascido porque a cegonha trouxe ele.

A única pessoa que não foi gerada através de sexo foi Jesus então sendo assim essa palhaçada de puritanismo ou santinhas já se esculachou faz tempo.

Acontece que devemos respeitar os limites de cada um e curtir apenas o que gostamos, mas nunca dizer a velha frase sexo não presta, ou quem gosta de sexo não presta, a verdade é que cada um se diverte como pode, seja na masturbação, seja na pornografia, ou seja saindo com alguém.

Aí você pode até pensar, quer dizer que você apóia coisas erradas, amiguinho ou amiguinha onde você encontra um certo hoje em dia?

Todos têm seus segredinhos, afinal é um jogo de máscaras, você usa uma face para agradar a sociedade, mas a sua verdadeira face ninguém sabe.

Como diria Capital Inicial oque você faz quando ninguém está te vendo, ou o que você queria fazer se ninguém pudesse te ver.

Então chega de mimi peitos, bundas, gozadas, e várias fodas, aqui é assim se gostou aguenta, se não gostou, volte para o personagem da vidinha medíocre que engana todo mundo menos você mesmo porque você sabe quem você é, e isso não dá para esconder a vida inteira.

Lembrei da Marta agora relaxa e goza.

Se libera queridinha estão só na expectativa….

PACIENTE 181219.2

Eu já vi mulheres sentir tesão por várias coisas agora mentir foi a primeira vez, ela usava saia comprida toda comportada falava como uma moça pura e delicada, mas bastava chegar a noite para essa máscara cair. Um bom vinho e milhares de calcinhas fio dental se vestia e passeava pela casa sem nenhum pudor, a mulher comportada e pura agora era uma loba a procura de prazer.

Mentir era excitante para ela e uma das suas maiores mentiras era justamente se fazer de santa, enganar todo mundo e secretamente mergulhar na putaria.

Eu acho que deve ser difícil ter que representar um personagem, de dia santa a noite puta, até ela mesmo já não sabia quem era mais.

O mais engraçado de tudo é que ela se achava super esperta, mas mais esperta do que ela são os homens maduros capazes de farejar safadezas.

Ela enganava mãe, pai, irmãs, e qualquer um que conversassem com ela tão pura doce um amor mas na calada da noite filmes pornôs masturbações exibicionismo e até mesmo umas saidinhas para uns motelzinhos tudo sigilosamente afinal a máscara de santa não podia cair.

Mentiras, enganos, serpente venenosa capaz de tudo para saciar seus desejos e ainda se passar por boa Mulher.

Quantas por aí não são assim duas faces anjinha e diabinha, para nós homens o melhor mesmo era assumir que era safadinha e parar com tantas mentiras e máscaras, vem fica de quatro e goza até quando vai ficar nessa palhacadinha de santinha do pau oco.

Se libera queridinha estão só na expectativa um dia te traçam.

Sua família sabia de tudo mas fingia não saber…

PACIENTE 181219.2

Uma mulher que trai corre o sério risco de não conseguir parar mais de trair, Cristina tinha um marido mas ficava de olho nos garotões principalmente se estivessem sem camisa, seu marido percebia muitas vezes chegava bravo em casa e quebrava o pau com ela porque ela ficava secando os rapazes na rua.

Seu relacionamento conjugal estava em crise foi aí que tudo começou, nascia naquele momento uma das maiores e mais inteligentes traidora. Cristina vasculhava o celular atrás de homens bonitos sarados e safados aos quais ela convidava para sair, sem seu marido saber, as vezes os caras vinham pegar ela em casa para levar para o motel, e quando alguém via ela inventava que era amigo da família ou vendedor.

Acostumou a trair e vivia com celular na mão em busca de homens e sexo sem compromisso. Como nem tudo é só alegria um dia seu marido descobriu e os dois se separaram. Cristina não podia conter tanta alegria dentro de si, porque agora estava livre para transar ainda mais.

Como estava sem marido e não precisaria esconder mais nada, o caminho estava aberto para vários homens vim transar com ela na sua casa, era um entra e sai de machos todos encontrados pelo celular. Cristina era feliz com suas transas porém nunca conseguia um marido ou namorado fixo, porque a fama de safada correu e ninguém queria morar em uma casa que mais parecia um puteiro do que um lar.

Tudo na vida tem um preço as nossas escolhas nos trazem alegrias e tristezas ela se transformou em uma viciada em trair, sendo assim nunca queria um homem só porque seu desejo era ter todos os homens do mundo. Cristina a traidora nos ensina uma coisa não dá para ter tudo alguma coisa você vai ter que abrir mão se quiser gozar e transar só por diversão. Mas não pense que ela se constrangida com nada era fria, calculista, trapaceira, e manipuladora, perfil de uma caçadora de homens a procura de sexo, diversão e prazer.

Sua família sabia de tudo mas fingia não saber afinal ter uma traidora e safada na família para os conservadores não é nada legal. Quem somos nós para julgar Cristina? Porque penso que como homem ela cruzasse o meu caminho eu comia também então ser adulto é assim sexo, prazer, e as vezes tristezas, faz parte da vida nós só somos felizes na inocência de criança quando se cresce o mundo é obscuro cheio de traições, mentiras, e vazio, o que sobra é uma boa chance de comer uma gostosa e esquecer todas as merdas que a gente passa.

Parabéns escritora deste texto…

Eu faço minha as suas palavas.

Imagem relacionada

Ontem conversando com algumas conhecidas minhas, fiquei pensando no porque escrever sobre este assunto. Mas foi mais forte que eu e resolvi compartilhar com vocês, público masculino e (espero eu) politizado. Uma amiga estava contando que se separou do marido e o mais engraçado, achamos até divertido, foi que a mãe dela disse “você está deixando um príncipe encantado pra trás!”.  Papo vai, papo vem, muitas histórias e uma conclusão entre três mulheres com mais de 30 anos, empreendedoras e com um filho cada: homem não tem nada de príncipe quando é tocado no bolso!
E cada uma relatou seus ensejos, seus problemas conjugais, falamos mal dos nossos maridos e todas tivemos as mesmas queixas: quando os homens se sentem acuados, quando uma separação ou uma briga acontece, o dinheiro está no ponto principal da discórdia. Muitas vezes achamos que é “privilégio” nosso ter alguém que nos cobra umas migalhas, ou que ainda joga na nossa cara o quanto custamos por mês. Mesmo que tenhamos assumido o compromisso de cuidar dos filhos, da casa e até do bendito marido, recebemos a fatura no final da relação. 
É tanto amor, tanto fervor que tudo vira briga! Os casos que mais parecem bizarros são aqueles no qual o casal vive super bem, tem uma vida confortável. O marido sai para trabalhar, a esposa fica cuidando dos filhos e da casa (afinal a casa não é automática, nem a comida, nem a organização) e se der sorte, ainda tem um tempinho para ganhar a vida em um emprego modesto, pois é o tempo que sobra. Aí então o casamento começa a ruir, acontece a separação e esta mulher fica desamparada, não tem onde morar, não tem renda suficiente, os filhos passam necessidades, o pai diz que não tem condições. Logo em seguida arranja uma namorada, faz viagens incríveis (as quais nunca levou sua esposa), arranja outros filhos e aquela primeira família vira uma pedra no seu sapato. 
O mais enigmático de tudo é que enquanto você estava na rua trabalhando, podendo ter tempo para todas as suas atividades (algumas vezes traindo sua esposa), ganhando a vida, estas pessoas faziam a sua vida acontecer. Pense bem: se você tivesse que cuidar dos filhos, da casa, etc, como você passaria o dia todo por aí? 
Quero te avisar meu amigo leitor, que este mal dura para sempre, esses filhos não esquecerão o que você causou nas suas vidas. Acho louváveis os homens que assumem não querer mais um relacionamento e se separaram, mas continuam amando seus filhos e os deixando confortáveis, dentro de suas casas, e não mentindo para juízes e advogados em audiências que estão quebrados, que não têm dinheiro para arcar com pensão, mas que prontamente voltam às suas vidas de solteiros caindo em baladas, trocando de carros e levando suas namoradas para Nova Iorque.
Fico feliz se não estamos nesse barco, eu e você! Eu estou casada e confesso que esse medo todos nós temos. Mas é bom sermos positivos e pensarmos que nada irá acontecer.  E se acontecer seja lá o que Deus quiser, ou o que deixamos planejado!

Apesar de todo joguinho que ela fazia…

PACIENTE 181219

Era uma manhã quente de sábado, acordei, e assim que abri os olhos já me levantei da cama, abrindo a cortina e em seguida janela, que iluminou o quarto inteiro com a luz dourada e brilhante. 

O plano era dar um passeio de jet entre amigos, e como já não acordar animada? Fiz um café, forte e minha tapioca, coloquei o biquíni e fui até a casa do Carlos, um amigo das antigas, no caminho, pegamos Bia. 

Dirigimos até a marina, som alto no carro. Bia era maluquinha, gostava de provocar quem quer que fosse, e eu, mal a conhecia, mas já estava curtindo, sempre alegre, pra cima, envolvente. Eu sabia o que queria naquele dia, e nos anteriores também, mas naquele sábado, o tesão só aumentou, queria beijar, mordiscar, fazer carinhos, e muito mais, você deve imaginar né?! 

Apesar de todo joguinho que ela fazia, entre elogios e provocações, e depois logo mudava de assunto ou se afastava, eu sabia que ela também queria. Eu percebi a forma como olhou pra minha boca quando tomei um gole da cerveja na nossa última jantinha entre amigos.

Carlos já havia percebido um clima diferente entre nós duas, e até perguntou se rolaria beijo triplo (risos).

Depois de pegarmos o jet, o clima ficou ainda mais descontraído, e a cada minuto a brisa aumentava um pouco, fazendo do mar mais agitado, assim ficaria ainda mais emocionante. 

Carlos sentou na frente, eu atrás e Bia por último. Ele era aventureiro demais, e queria mesmo ouvir nós duas gritando, a cada manobra que fazia. Bia segurava forte na minha cintura, e fazia questão de com uma das mãos, segurar na minha perna. 

O vento nos cabelos e aquele clima estavam perfeitos, mas eu queria mesmo é que as coisas ali esquentasse. Beijo triplo? Nao sei. Por mim até rolaria, na brincadeira, mas Bia, apesar do jeitinho provocante, era tímida. 

Quando chegamos perto da costa norte, Carlos fez uma manobra violenta pra esquerda, e nós duas caímos na água sem mal ver o que aconteceu, engolimos água, mas mesmo assim não parávamos de rir. Ele tinha nos pegado de surpresa. 

Ficamos por ali, curtindo o mar por alguns minutos. E na hora de subir no jet pedi pra Bia sentasse no meio, assim eu ficaria atrás, e teria total controle, mas não queria forçar nada, só fazê-la ver que seria melhor do que ela poderia imaginar. 

Sentei atrás dela, encaixando meu quadril no seu bumbum. Carlos percebeu a intenção, mas não dizia uma palavra, ficava na sua, apenas na expectativa de participar do jogo. Depois de sentar atrás dela, comecei afastando os cabelos da nuca, delicadamente, deixando ali livre, ela demonstrou prazer, deitando a cabeça para trás com os olhos fechados. Não tinha como ela não gostar. Estava no tempo certo, clima envolvente, leve. 

O passeio estava no fim, chegando na marina fomos direto tomar um banho, nos duas. Fomos para o banheiro feminino, e Carlos para o masculino (pra minha surpresa), pensei que ele fosse no mesmo banheiro com a gente. Que bom, vi ali uma forma para que Bia se sentisse mais à vontade para fazer o que quisesse, sem medo. Desamarrei a parte de cima do meu biquíni, liguei a ducha e peguei o sabonete, não a convidei, deixei que ela fosse até mim, que tomasse atitude. 

Funcionou, ela se aproximou brincando com o fato de estarmos quase peladas com a porta aberta. Mas não demorou até demonstrar o tesão que estava sentindo. Pedi que ela ficasse de costas, pra eu pudesse passar sabonete, ela me olhou e se virou empinando a bunda. Então passei a espuma e comecei a massagear, apertando forte seus ombros e a nuca, depois diminui a intensidade. 

Logo ela se virou de frente pra mim, e foi se aproximando da minha boca, fiquei parada. Ela deu uma mordidinha de leve, dizendo: 

– Quero você, mas nada de beijo triplo (risos).

Deu um beijo intenso, cheio de desejo, e foi descendo a mão com o sabonete pelos meus seios, passando a mão pelos bicos, depois segurou com mais força, enxaguou e beijou de leve. 

Carlos poderia aparecer a qualquer momento, e eu não queria que ele soubesse, nem que se juntasse a nós, estava perfeito daquele jeito. Segurei a Bia pela cintura, trazendo pra bem pertinho, encostando a buceta na minha coxa. Então beijei seu pescoço e dei leves mordidinhas, lambidas na pontinha dos seios, descendo até o bumbum, redondinho, bronzeado. Passei até a bucetinha, que estava escorrendo de tão excitada. Bia estava totalmente entregue, de olhos fechados e pernas abertas. Então coloquei dois dedos pra dentro, enquanto outro fazia um leve carinho no cuzinho dela, que gemeu alto, não pude relaxar, por isso tapei sua boca com uma das mãos. 

Fiquei naquele movimento de vai e volta, mantendo o mesmo ritmo, e beijando seus pescoço. Sabia que ela estava quase gozando, pois ela se contraia inteira, depois relaxava. Os gemidos foram ficando mais intensos, minha mão mais lambuzada, e eu me deliciei com a cena, quase gozei junto só de olhar.

Ela quis retribuir, apesar de nunca ter ficado com uma garota antes, sabia como fazer, como chupar. Se ajoelhou bem na minha frente, pediu que eu apoiasse a perna nela e começou a lamber meu clitóris, com a boca toda babada ela enfiava a língua na minha bunda, depois voltava pra buceta. Que aflição, ela ia e voltava quando eu estava prestes a delirar. Foi quando ela meteu um dos dedos no meu cuzinho, enquanto me chupava, explodi de tesão nessa hora. Gozei segurando ela pelos cabelos, queria tê-la mais, numa cama, no chão, queria ela inteira. 

Tudo aconteceu muito rápido ali no banheiro, mas prometemos segredo, ninguém saberia. Encontramos Carlos já no carro, e fomos embora, com as bucetas ainda molhadas, as pernas moles, rindo da situação.

Será que Carlos desconfiou de algo?

Sugar Babies

PATROCINADOR

No século 18, as gueixas japonesas faziam companhia (geralmente sem relações sexuais) para os soldados estrangeiros da Segunda Guerra. Hoje em dia, as Sugar Babies buscam benefícios como conforto, dinheiro, presentes, luxos, status social, viagens…

A socióloga americana Maren Scull, descobriu através de estudos que existem pelo menos sete tipos de relacionamento sugar daddy. Saiba agora quais são:


1 – Encontro recompensado: nesse tipo de relacionamento, envolve o pagamento em bens materiais ou dinheiro. Normalmente sem relações sexuais.

2 – Prostituição sugar: aqui existe uma ausência de sentimento, é tudo baseado em troca de sexo por presentes (dos mais variados tipos).


3 – Companhia recompensada: a mulher participa da vida do homem em variadas atividades (existindo até mesmo um entrelaçamento maior). Comum que não haja relação sexual. 


4 – Amizade sugar: o daddy é considerado um benfeitor, que ajuda a sugar baby a se manter. Normalmente esses homens já existiam na vida dessas mulheres.

Amizade sugar com benefícios sexuais: o sugar daddy banca algumas despesas da mulher, como aluguel, conta de telefone, roupas e viagens. E acontece a relação sexual.

6 – Namoro sugar: esta é a forma mais comum combinando vida e sexo. A maioria das babies recebem uma mesada fixa ou de acordo com as necessidades.

7 – Amor pragmático: ao invés de apostarem no amor romântico, preferem um acordo mais pragmático esperando construir uma relação duradoura para o resto da vida. 

Ola Igor….

PACIENTE 41219-2

Antes de mais nada quero dizer que sou sua fã incondicional e que há um ano você mudou minha vida. Isso mesmo, você! Exagero? Leia minha história.

Sempre fui atrevida. Desde cedo, descobri que adorava uma sacanagem e a sensação de estar aprontando. Ainda bem nova, beijava quem eu queria e depois que comecei minha vida sexual, aos 18, apaixonei-me por sexo casual. Transei com vários caras e curtia isso como ninguém. Só que, apesar de me divertir muito, no fundo, eu queria muito saber como era a sensação de amar e ser amada.

Um belo dia, conheci o tão aguardado príncipe encantado. E Deus caprichou no meu caso! Lindo, inteligente, gentil, bom de cama, divertido e louco, louco por mim. Nos apaixonamos completamente, e depois de dois anos decidimos nos casar! Lasciva, acredite, ele era mesmo o cara. Não tinha erro.

Eis que sem mal ter saído da puberdade, subi ao altar, vestida de noiva, com a festa dos sonhos. O tempo começou a passar, fui com ele para o exterior por alguns anos, vivemos tanta coisa! Nossa relação era simplesmente perfeita, exceto na cama. Confesso, a culpa era minha! Ele queria de todo jeito me comer, era habilidoso no sexo oral, fazia de tudo, era carinhoso, safado… Mas eu me sentia sexualmente oprimida pelo fato de tudo aquilo ser tão “correto”. Sentia falta de uma sacanagem, da coisa errada, de aprontar, do casual, do selvagem.

Mesmo vivendo uma vida sexual muito pobre pela minha falta de desejo, nosso casamento sempre foi maravilhoso. Uma amizade e cumplicidade que não vejo por aí. O tempo foi passando e fui me esquecendo de ser mulher. Engordei 30 quilos, não me arrumava mais e fugia de sexo sempre que podia.

Isso também afetou outras áreas da minha vida, porque minha autoestima já nem existia mais, de fato. Eu me sentia e me sinto muito culpada por ter alguém perfeito ao meu lado e não dar valor a tudo isso. Caí em depressão. Fiquei um ano deprimida, praticamente sem sexo.

Vi-me, depois dos 30, com mais de dez anos de casada, sem me sentir feminina, sem autoestima e com tudo para ferrar o casamento, que só ia bem porque ele era o cara mais compreensivo do mundo (reclamava, pedia mais, mas era muito compreensivo e sempre procurava me ajudar).

Até que um dia, vagando pela internet, encontrei seu blog. Me identifiquei tanto! Li tudo, cada artigo, os comentários, e senti tesão! Eu me lembrei o que era me sentir excitada! Terminava a leitura do texto e ia pesquisar mais. Comecei a ler sobre swing, sexting, erotismo, fetiches, e isso tudo de repente me lembrou que sou mulher! Chegava em casa do trabalho e corria pra internet para te ler e me lembrar mais um pouquinho do mundo que existia lá fora e que eu queria tanto.

Um belo dia resolvi que deveria experimentar sexo virtual. E fui. Fiz com um estranho, e amei! Minha autoestima começou a ressurgir. Comecei a controlar aquele impulso por comida (com o tempo, fui perceber que era exatamente por uma repressão sexual tão grande, que só a comida substitua tudo aquilo que eu não podia “devorar” de outras formas).

Comecei a emagrecer lendo seu blog, e lendo sobre sexo, quase todos os dias. Descobri a Regina Navarro, e tudo me pareceu fazer tanto sentido! Um dia, resolvi que deveria trair meu marido – eu me devia aquilo! E, em uma viagem a trabalho, fui a um swing. Lá eu tive a melhor noite de sexo da minha vida, do jeito que eu gosto, regada a perversões! Dei pra vários homens, experimentei mulher (e amei), saí de lá com a alma lavada e a buceta dolorida, rs.

Emagrecia mais e mais, o sexo no meu casamento melhorou! Comecei a transar muito com meu marido, o que acrescentou àquela relação de amizade e cumplicidade maravilhosa a um sexo muito bem feito.

Porém, sempre que peço ao meu marido para fazermos algo como ir a um swing ou um cruzeiro para casais, ele não admite sob hipótese alguma. Chamar outra mulher para transar com a gente? Nem pensar! Ele diz que qualquer coisa que envolvesse mais alguém na nossa cama (nem que só seja apenas olhando, veja só!), iria estragar nosso futuro, e acabaríamos nos divorciando, gerando sofrimento para nós dois. Quando somos só nós dois, vale tudo: ele ganha fio terra, me chupa, me fode, sexo anal, tapa, carinho, tudo. Só não pode envolver nenhuma outra pessoa, isso ele não admite. Traição então nem pensar! Jamais!

Bom, desde então, venho traindo meu marido com sexo virtual, presencial, e quando ele viaja, vou a casas de swing. Emagreci tudo que precisava, voltei a me arrumar, consegui a tão sonhada promoção no trabalho que melhorou minha situação financeira, retomei o gosto pela vida e meu casamento nunca esteve melhor. Final feliz? Não né…

Estou traindo meu melhor amigo, o cara que me ama e que não admite traição sob nenhuma hipótese. Isso iria acabar com ele, eu iria destruir seu coração. Só que é assim que eu me satisfaço sexualmente! Se eu perdê-lo, jamais me perdoaria, e eu sou louca por ele, apaixonada mesmo. Depois de mais de dez anos de casada eu ainda suspiro por ele.

Só que eu não consigo associar sexo apenas a amor. Eu sinto desejos. Quero sacanagem, swing, pornografia, outros homens me desejando, me comendo. Quero dar pra três na mesma noite, quero tudo isso! Definitivamente é isso o que me satisfaz na cama.

O que eu faço? Não suporto a ideia de viver longe dele, mas não quero nunca mais viver tanto tempo longe de mim mesma como eu fiz por tantos anos – isso só me deprimiu. A vida dupla seria minha única saída, mas eu estou enganando a pessoa mais legal, o cara mais decente que eu já conheci e que me trata como uma rainha.

O que faço?

Bom, é isso. Obrigada por me ajudar a retomar a vida e a alegria de viver. Te devo muito mesmo.
Um beijo.

A VIDA É BOA.

Imagem relacionada

Não existe nada mais excitante para um homem do que flagar uma gostosa de lingerie por acaso e por incrível que pareça isso pode acontecer.

As vezes a sua casa pode ficar próxima de uma vizinha gostosa e todas as vezes que ela está a vontade em casa pode acontecer situações inusitadas.

EU morava em um sobrado a casa ao lado vivia uma mulher solteira aparentando 30 anos. Todas as vezes que ela estava em casa a noite tinha a mania de sair no quintal só de lingerie porque pensava que ninguém via, pois ela só saia pra fora assim mais ou menos onze e meia ou meia noite porque ficava até de madrugada na internet.

Sabendo disso EU esperava nos horários que ela saia no quintal só para apreciar aquela bunda empinadinha com a calcinha toda enfiadinha que chegava o bumbum engolir a calcinha toda uma visão deliciosa e prazerosa.

Quantas vezes EU chegava com cara de sono no trabalho porque ficava escondido somente para ver sua delicinha sair para fora toda peladinha, as vezes ela saia só de calcinha, outras vezes de shortinho socado, e outras de camisola bem sexy.

EU estava subindo pelas paredes para ter a chance de transar com ela. O mais interessante é que depois de um tempo parece que ela desconfiou que alguém a espionava e aí mudou os horários de sair para fora, EU agora vivia sem saber como ver porque ela podia sair a qualquer momento para fora a noite só de lingerie mas como saber a hora exata que ela ia sair?

Histórias da vida real, como eu sempre relato ninguém imagina que na vida coisas inusitadas possam acontecer e na verdade, tudo acontece e você está no meio de situações sem nem saber porque.

Mas eu particularmente acho legal mulheres criativas no sexo, provocantes, sensuais e safadas, porque elas trazem alegria diversão e ânimo para a vida, são tantos os problemas contas para pagar, que uma mulher sensual safada e tesuda nos faz esquecer tudo e apenas relaxar um pouco.

Lembrei de uma vez que perguntei para um PACIENTE, quando a vida é boa? Ele respondeu quando você pega uma loira peituda e rabuda leva ela para o motel tira a roupa dela e não sabe nem por onde começar de tão gostosa que ela é aí a vida é boa.

As vezes a gente se priva demais, sendo que desse planeta ninguém sai vivo, por isso que não devemos ser 100% correto e nem 100% errado mais saber curtir.

Combinamos de nos encontrar em um sexta….

PACIENTE 41219

Sou morena, 1,60 de altura, corpo formato de pera e uma bundinha linda.

Aos 16 anos eu era a única menina virgem da rodinha de amigas e coloquei na cabeça que eu iria resolver esse problema.

Comecei a procurar por algum menino da minha idade ou mais velho para me ajudar com esse “problema” e acabei encontrando, ele tinha 19 anos, era alto e loiro, malhado da academia e uma pegada ótima.

Combinamos de nos encontrar em um sexta e ele foi me buscar de carro (eu disse pra minha mãe que ia em uma festa com as amigas, mas estava indo perder o cabaço kkk) logo que entrei no carro ele beijou meu rosto e passou a mão na minha perna (estava de saia, então o acesso era fácil kkk) colocou a mão no meu joelho, subiu um pouquinho e parou.

Escolhemos um lugar na cidade que era bem isolada e cheio de árvores, ele estacionou o carro, saímos e nem deu tempo ele já estava passando a mão na minha bunda e dizendo “que delícia essa bunda, não vejo a hora de tirar essa saia” eu bem safada já fui de encontro a ele dando um beijo naquela boca gostosa,

Passando a mão nas costas e nos braços daquele menino enquanto ele passava a mão na minha bunda por baixo da saia e o clima foi esquentando mais ainda e eu morrendo de medo de alguém nos pegar ali, ele me pega pela cintura e me coloca encostava no carro e tira minha calcinha me deixando apenas de saia, beijando minhas coxas, minha virilha, passando a mão na minha bunda e sua boca foi de encontro a minha bucetinha sugando todo meu mel, esfregando meu clitóris e passando um dedo no meu cuzinho.

Ele chupou minha buceta até eu gozar e já foi logo tirando o pau pra fora e me fez mamar bem gostoso enquanto me xingava de “cadela”, “cachorrinha” e dando tapas no meu rosto me deixando louquinha, me puxou pra cima e me colocou de costas pra ele apoiada no carro e já foi logo metendo na minha buceta sem camisinha e eu gemendo de dor e prazer enquanto ele me falava “vai sua puta, você não queria?

Agora toma meu pau todinho na sua buceta” “eu vou arregaçar sua bucetinha virgem” enquanto ele falava eu gemia de prazer e me segurava para não gozar e então ele diz “goza pra mim vagabunda, goza pro seu macho vai” “sei que você tá com tesão, goza pra eu comer seu cuzinho tbm” e então eu gozei bem gostoso com as pernas bambas e o coração acelerado enquanto ele tirava o pau da minha buceta e colocava no meu cuzinho virgem me fazendo delirar e pedir mais, mais, mais e mais…

Ele enfiou a cabeça com muita dificuldade e forçou até entrar tudo e dizer “vai levar no cuzinho também sua cachorra, vou gozar dentro do seu cuzinho” e meteu bem gostoso até gozarmos juntos bem gostoso. Depois nos limpamos e ele me levou de volta para casa toda arrombadinho.

AS “SANTAS” EVANGÉLICAS.

Não podemos banalizar existem evangélicas sérias essas eu admiro e respeito, mas o TEXTO a seguir desvenda o mundo secreto das falsas evangélicas.

Primeiramente uma “SANTAS” evangélica vai na igreja não para orar ou adorar a Deus, mas sim para arrumar marido ou namorado, isso porque a religião só permite sexo se casar, então as “SANTAS” evangélicas pensam mais em sexo do que as que se dizem putinhas.

É fácil identificar porque geralmente elas ficam sorrindo do nada, usam saias coladinhas e salto alto, algumas até são mais ousadas e abusam dos decotes e mini saias.

Sua intensão é só uma arrumar um marido ou namorado para liberar os seus desejos pois estão quase explodindo de tesão. Algumas tem tanto tesão que acabam saindo com os pastores ou membros da sua igreja não consegue esperar para fazer do jeito que a religião permite.

Masturbação para elas é normal geralmente acontece na hora do banho se acariciam enfiam os dedinhos na bucetinha e gozam imaginando homens.

Quer ser um mestre em identificar uma “SANTAS” evangélica aqui vão as dicas para você ser um expert no assunto. Primeira dica sorri do nada, segunda dica usa salto alto saia coladinha e um decotinho, terceira dica, estão sempre em grupinhos batendo papo, quarta dica olham pra vc com carinha de safada, quinta dica estão sempre com celular na mão.

Provavelmente muitas pessoas sabem disso mas acobertam porque imagina não é gostoso estar cercado de garotas assim safadinhas camufladas de “SANTAS” evangélicas até os pastores gostam. Porém as que são sérias merecem respeito, mas essas falsas que são santinhas do pau oco, o que merecem é uma boa foda para gozar gostoso e assumir suas fantasias mais enlouquecidas.

Uma “SANTAS” evangélica nem o Diabo quer porque uma hora é “SANTA” mas, outra hora PASSEIA NO INFERNO .