Mês: outubro 2018

O corpo tem sua sabedoria própria.

Não é raro a gente encontrar homens que dizem que amam chupar uma perereca. Quando esses homens se deitam com uma mulher, eles só enxergam três coisas: peito, bunda e perereca.

Massage therapy. Female version of a happy endingEu poderia apostar que esse tipo quando chupa uma mulher é mais para que ela fique molhada rápido, do que pensando realmente no seu prazer. Provavelmente, o mesmo cara que se vangloria que adora chupar, e que fala no seu ouvido que vai te comer a noite toda, é o mesmo que não aguenta três reboladas mais fortes que já goza.

Ele mete rápido, como um coelho, e advinha, também goza na velocidade da luz, deixando suas parceiras geralmente pensando o que tem errado com elas (afinal de contas, as mulheres ainda tem dificuldade de  se desvencilhar da mania de assumir a culpa por tudo de ruim que acontece com elas).

Pessoalmente, eu homem, não inicio pondo a mão direto nas suas intimidades. Pra mim o órgão sexual mais potente do corpo é a pele. Como já escrevi por aqui, eu gosto de tocar com calma, da mesma forma como se adora uma deusa.

Não tenho recursos pra pesquisas científicas, mas tenho uma teoria seríssima de que a mulher que recebe uma massagem antes do ato sexual em si (aliás, o que é o ato sexual em si? pra mim a massagem já é parte dele!) aumenta milhões de vezes suas chances de gozar.

Grande parte do sucesso em atingir um orgasmo reside em estar relaxada. Pensa comigo, quando uma mulher recebe uma massagem que a relaxa, as chances dela atingir o orgasmo aumentam exponencialmente!

Resultado de imagem para Tântrico Sex GIFQuando uma mulher é tocada em toda a dimensão do seu corpo, com toques que variam de velocidade e intensidade, todo o corpo se desperta, e então, quando o orgasmo vem não é aquele orgasmo aflito, de três segundos, é um orgasmo de corpo todo, que faz a mulher tremer inteira, perder o chão, para então voltar renovada à vida.
O tipo de sexo que acredito e pratico não tem regras. Não existe uma receita única de sucesso, uma bíblia de posições e técnicas infalíveis que vão atender a multiplicidade de corpos e gostos. Isso não existe.

O que eu posso recomendar, entretanto, é que a gente desaprenda tudo que nos foi metido guela abaixo ensinado pela pornografia e pela indústria cultural, e nos tornemos mais abertos a escutar nosso próprio desejo.

Eu sou da escola do toque. Gosto de quem come pelas beiradas (o que não significa em absoluto uma pegada mole ou fraca!) Gosto quando ao invés de ir direto chupando, te excite toda, de modo a você  ter que praticamente implorar pra que eu lhe chupe.

Gosto de dedos quentes que percorrem o corpo todo. Gosto de gente que não conhece limites. Mulheres que gosta de ser chupada no tornozelo (sério, experimenta!). Mulheres que adora ser lambidas em todas as articulações (sabia que isso faz liberar ferormônios?). Mulheres que querem ser lambidas o dedão do pé se tiver com vontade.

Sim, é fundamental saber onde fica o clitóris. Mas uma vez que eu já aprendi vou além dele! Exploro todo o corpo. Faço uma bela massagem nos pés, nas mãos, na cabeça.

Andamos tão estressados. Ajudo ela a relaxar com uma bela massagem nas têmporas. Passo os dedos pelos lábios dela. Beijo. Beijo. Beijo. Beijo a boca com a mesma intensidade com que vocês me faz o sexo oral. Puxo seu cabelo. Acaricio. Ouso.

Descubro qual é o lugar do corpo que realmente lhe dá tesão. Experimento a orelha, a nuca. Beijo seus mamilos, sim, mas também experimento beijá-la na altura do coração (sim na parte do osso). Quando estiver a chupando, não chupo só o clitóris. Chupo tudo. Beijo a coxa. Beijo a parte superior da vulva.

Pra quem não é “o” expert em massagem tântrica, uma dica quente! Tudo fica 10000000x mais prazeroso quando a mão desliza com facilidade.

Ou seja, suas chances aumentam muito quando você faz a massagem no corpo dela com óleo próprio pra massagem. Na Lolla Sex Shop tem várias opções de óleos pra massagem, sabonetes para banhos sensuais, excitantes, velas que viram óleo de massagem na medida em que queimam, etc.

O importante é fazer da cama um lugar prazeroso, leve, de brincadeira. O corpo tem sua sabedoria própria. Mais hora menos hora a penetração vai acontecer. Take your time. Vai com leveza e carinho que tudo vai dar certo.

E ah! Em caso de orgasmos múltiplos, lembre-se de respirar sempre. E parar um pouquinho a penetração pra continuar depois não é vergonha pra ninguém.

Sejamos felizes.

VAGINITE.

Imagem relacionada

Tem quase sete anos que eu não via uma amiga, e a penúltima vez, coincidência ou não, foi quando ela foi parar no hospital sem conseguir andar direito de tanta dor por uma infecção urinária que estava quase chegando nos seus rins.

Esse episódio reflete bem uma época da sua vida que a cada mês e meio lá estava ela, ligando chorando implorando pedindo pelo amor de jesus cristo pra eu marcar uma consulta de urgência com a ginecologista.

Era só dar uma descuidada da saúde, beber álcool demais, água de menos, ter um baque emocional mais forte… que atacava ou a infecção urinária, ou a cândida. Ou vinha uma, e logo depois a outra.

Quando a infecção urinária atacava e os métodos naturais não davam jeito ela tinha que apelar pro antibiótico, já sabia de antemão que logo em seguida a cândida viria.

A razão pra isso é muito simples. Na vagina há toda uma flora de fungos e bactérias que naturalmente a compõe. Inclusive, a cândida é um fungo que toda mulher tem. De vez em quando, quando sua imunidade abaixa, ou quando esse equilíbrio microbiótico é afetado… passam pelo inferno dessas crises e infecções.

Seus quadros eram tão recorrentes que a ginecologista lhe mandou prum alergista, que detectou que ela tinha alergia ao fungo da cândida, e lhe receitou uma série de vacinas caríssimas e semanais que teoricamente dariam um jeito na alergia.

Pão durice ou hippongagem, ela não animou entrar nesse tratamento.

Tratamentos naturais

Bom, nessa época, depois de tantos quadros, ela já era uma especialista em tratamentos naturais tanto pra infecção urinária quanto pra cândida.

Também já estava ligada que não existe nada pior para a saúde de uma perereca do que esses sabonetes íntimos industriais tipo Dermacyd (ainda que na embalagem venha escrito que é recomendado por ginecologistas) que alteram drasticamente o PH da vagina e são um prato cheio para o surgimento de infecções e desequilíbrios.

Então começou a usar um sabonete íntimo líquido de uma marca muito massa de Belo Horizonte chamada Pachamama (não estou ganhando um centavo por isso, eu juro).Essa marca é feita por mulheres para mulheres, e todos seus produtos são à base de extratos naturais e óleos essenciais.

Pois bem, o sabonete íntimo delas, que parece um shampoo bem escuro, leva extrato de barbatimão e óleos essenciais de tea tree e ylang ylang. Uma gotinha dele é o suficiente para deixar sua perereca fresca como se tivesse acabado de escovar os dentes.

Usou por meses (anos?) esse sabonete íntimo natureba (não muito barato), e se sentia muito bem com ele, pra ser sincero. Até que um dia conversando com sua cabeleireira sobre cândida e etc, ela lhe deu a dica de um milhão de dólares: que lavava sua perereca apenas com água e que nunca mais tinha tido nenhum tipo de cândida ou infecção desde então.

“Mas Liza, e o cheiro, como fica?”
“Miga, não aumenta o cheiro em nada”
“Como assim, cê é doida?”
“Confia em mim, faz o teste e depois me conta”

E sim, ela fez o teste. Não só não mudou em nada nem o cheiro nem o gosto (posso garantir, namorado da época) como milagrosamente ela nunca mais teve uma crise nem de infecção urinária, nem de cândida. Sim, ela, a garota que estava na fila de espera da ginecologista a cada mês e meio.

Tudo isso graças à… água. E nada mais que água.

A perereca é um órgão auto-limpante, quanto menos produtos químicos você colocar nela, melhor.

Pra lavar ela tudo que você precisa é água abundante… e dedos. Lava por dentro, tira qualquer excesso que tiver por dentro, delicadamente. Durante o banho eu pude até provar pra ver com que gosto estava. Eu tenho certeza que o gosto só melhorou ao longo do processo.

Pras garoutas que não conseguem pensar em ficar sem passar nada na perereca, uma outra dica, que ela fazia muito na época que sofria com cândida: passar óleo de côco na sua menina, durante ou depois do banho.

Outros métodos para controlar a cândida

A cândida é um fungo que se alimenta de açúcar (e consequentemente de lactose, o açúcar do leite). Então, quando sentir que ela tá tentando aproximar corta o açúcar e os laticínios. O café e a bebida também, para dar um grau na imunidade.

Uma gotinha de óleo essencial de tea tree na calcinha quando a candidíase tá pensando em se aproximar também salvam vidas.

Eu não sou ginecologista, mas, recomendo muitos banhos de assento com bicarbonato de sódio, mas, pra ser sincero, tem que ter muita paciência.

Agora é para vocês HOMENS…

Nunca deixe uma “mulher moderna” insegura. Antigamente elas choravam. Hoje, elas simplesmente traem, sem dó nem piedade.

Não ache que ela tem poderes “adivinhatórios”. Ela tem de saber – da sua boca – o quanto você gosta dela. Qualquer dúvida neste sentido poderá levar às conseqüências expostas acima.

Não ache que é normal sair com os amigos (seja pra beber, pra jogar futebol…) mais do que duas vezes por semana, três vezes então é assinar atestado de “chifrudo”. As “SANTAS” dificilmente andam implicando com isso, entretanto elas são categoricamente “cheias de amor pra dar” e precisam da “presença masculina”. Se não for a sua meu amigo… bem…

Quando disser que vai ligar, ligue, senão o risco dela ligar pra aquele ex bom de cama é grandessíssimo.

Satisfaça-a sexualmente. Mas não finja satisfazê-la. As “SANTAS” têm um pique absurdo com relação ao sexo e, principalmente dos 20 aos 65 anos, elas pensam em – e querem – fazer sexo todos os dias (pasmem, mas é a pura verdade)… bom, nem precisa dizer que se não for com você…

Lhe dê atenção. Mas principalmente faça com que ela perceba isso. Garanhões mau (ou bem) intencionados sempre existem, e estes quando querem são peritos em levar uma mulher às nuvens. Então, leve-a você, afinal, ela é sua ou não é????

Nem pense em provocar “ciuminhos” vãos. Como pude constatar, mulher insegura é uma máquina colocadora de chifres.

Em hipótese alguma deixe-a desconfiar do fato de você estar saindo com outra. Essa mera suposição da parte delas dá ensejo ao um “chifre” tão estrondoso que quando você acordar, meu amigo, já existirá alguém MUITO MAIS “comedor” do que você… só que o prato principal, bem… dessa vez é a SUA mulher.

Sabe aquele bonitão que, você sabe, sairia com a sua mulher a qualquer hora. Bem… de repente a recíproca também pode ser verdadeira. Basta ela, só por um segundo, achar que você merece… Quando você reparar… já foi.

Tente estar menos “cansado”. A “SANTA” também trabalhou o dia inteiro e, provavelmente, ainda tem fôlego para – como diziam os homens de antigamente – “dar uma”, para depois, virar pro lado e simplesmente dormir.

Volte a fazer coisas do começo da relação. Se quando começaram a sair viviam se cruzando em “baladas”, “se pegando” em lugares inusitados, trocavam e-mails ou telefonemas picantes, a chance dela gostar disso é muito grande, e a de sentir falta disso então é imensa. A “SANTA” não pode sentir falta dessas coisas… senão…

Bem amigos, aplica-se, finalmente, o tão famoso jargão “quem não dá assistência, abre concorrência”.

Deste modo, se você está ao lado de uma SANTA de quem realmente gosta e tem plena consciência de que, atualmente o mercado não está pra peixe (falemos de qualidade), pense bem antes de dar alguma dessas “mancadas”… proteja-a, ame-a, e, principalmente, faça-a saber disso.

Ela vai pensar milhões de vezes antes de dar bola pra aquele “bonitão” que vive enchendo-a de olhares… e vai continuar, sem dúvidas, DANDO só pra você!

AÍ TEM…

Imagem relacionada

As coisas são como são. Se alguém diz que está calmo, é porque está calmo. Se alguém diz que te ama, é porque te ama. Se alguém diz que não vai poder sair à noite porque precisa estudar, está explicado. Mas vocês não escutam só as palavras: vocês ouvem também os sinais.

Ele telefonou na hora que disse que ia ligar, mas estava frio como um iglu. Você falava, falava, e ele quieto, monossilábico. Até que você o coloca contra a parede: “O que é que está havendo?”. “Nada, tô na minha, só isso.” Só isso???? Aí tem.

Ele telefonou na hora que disse que ia ligar, mas estava exaltado demais. Não parava de tagarelar. Um entusiasmo fora do comum. Você pergunta à queima-roupa: “Que alegria é essa?” “Ué, tô feliz, só isso”. Só isso????? Aí tem.

Os tais sinais. Ansiedade fora de hora, mudez estranha, olhar perdido, mudança no jeito de se vestir, olheiras e bocejos de quem dormiu pouco à noite: aí tem. São doutoras em traduzir gestos, silêncios e atitudes incomuns. Se ele está calado demais, é porque está pensando na melhor maneira de lhes dar uma má notícia. Se está esfuziante demais, é porque andou rolando novidades que você não está sabendo. Se ele está carinhoso demais, é porque não quer que você perceba que está com a cabeça em outra. Se manda flores, é porque está querendo que você facilite alguma coisa pra ele. Se vai viajar com os amigos, é porque não lhe ama mais. Se parou de fumar, é uma promessa que ele não contou pra você. Enfim, o cara não pode respirar diferente que aí tem.

Às vezes não tem. O cara pode estar calado porque leu um troço que mexeu com ele, ou está falando muito porque o time dele venceu. Pode estar mais carinhoso porque conversou sobre isso na terapia e pode estar mais produzido porque teve um aumento de salário. Por que tudo o que eles fazem tem que ser um recado para vocês?

É uma generalização, mas as mulheres costumam ser mais inseguras que os homens no quesito relacionamento. Qualquer mudança de rota vos deixam em estado de alerta, qualquer outra mulher que cruze o caminho dele pode ser uma concorrente, qualquer rispidez não justificada pode ser um cartão amarelo. O que ele diz importa menos do que sua conduta. Pobres homens. Se não estão babando por vocês, se tiram o dia para meditar ou para assistir um jogo de vôlei na tevê sem avisar com duas semanas de antecedência, danou-se: aí tem.

Mas já não sabia como pedir…

Eram seis da tarde. Uma sexta-feira em que tinham a casa só para eles. Ele ainda estava a trabalhar. Só chegaria por volta das oito. Ela ainda tinha muito tempo. 

Já tinha começado a planear esta noite há já algum tempo, quando comprou aquele vestido preto, sem costas, ainda corria o mês de Setembro. Depois, aos poucos foi comprando o resto dos acessórios necessários para completar o seu quadro.

Na cozinha começou a preparar o jantar. Deixou tudo cortadinho, lavadinho e preparadinho. Como ainda tinha tempo (ainda eram sete horas), foi tomar um duche. O bainho serviu para arrefecer um pouco. Ultimamente andava com uma fome agoniante. Só pensava em sexo… O banho acalmou, serviu para relaxar, para se preparar. Vestiu a seu nova camisa de noite e foi pôr a mesa. Os individuais pretos, os copos vermelhos, os castiçais vermelhos, o vinho tinto, os pratos, tudo o que tinha comprado. Acendeu as velas para verificar o ambiente. Cheirava a sexo.

Às oito ele chegou. Ela foi buscar o avental para começar a preparar o manjar e ele foi investigar a sala, pois tinha achado estranho o convite. Deve ter sentido o cheiro que estava no ar e foi também tomar banho.

Com a ajuda dele, ela foi preparando o jantar, um estrogonofe diferente, mais cremoso e suculento… muito bom.

Ele foi acender as velas, enquanto ela foi vestir o vestido preto sem costas, que apertava à volta do pescoço. Também o vestido cheirava a sexo…

Jantaram ao som de música e falaram sobre as coisas do dia-a-dia. O vinho era bom, muito forte e não foi preciso beber muito para ela ficar muito quente.

Passaram para a sobremesa. Gelado com topping de morangos…

Acabada a sobremesa, ela queria foda. Mas já não sabia como pedir. Ela estava tímida. Fica sempre tímida… Mas ele também queria fodinha. Pressentiu o cheiro no ar. Puxou-lhe o braço e disse: 

“- Venha cá…”.

…e ela foi. Sentou-se no seu colinho e sentiu o seu caralho já meio duro. Ela fodeu-lhe a boca com a língua. A sua boca sabia a vinho…hum, sabia tão bem. Ela roçava-se toda nele, e o seu pau ficava cada vez mais teso. Ele também lhe fodia a boca e começou a desapertar-lhe o vestido. Desfez o único nó que o prendia e percorreu todo o seu corpo com as suas mãos que tão bem sabiam explorar um corpo que pedia sexo.

Ele levantou-a e sentou-a na cadeira. Beijando-a, retirou-lhe por completo o vestido e a calcinha preta. Abriu-lhe as pernas e começou a tocar na sua bucetinha. Logo, logo ela sentiu a sua língua a acariciar a sua coninha, que escorria prazer.

Mas, de repente, ele vai buscar alguma coisa à mesa. Ela não percebe o quê?!

Afinal ele ainda não estava saciado. Começa a barrar a coninha dela com o restante do topping de morangos. Como lhe soube bem o fresquinho na sua bucetinha a arder. Hum, e como ele se deliciou a comer a sua bucetinha, a olhar para os olhos dela, a sentir o seu tesão. Ela derreteu-se toda na sua boca. Com o seu pé, procurava o seu caralho. Estava agora muito rijo e ela não resistiu. Foi para o chão, para ao pé dele. Puxou-lhe as calças e enfiou o seu caralho na boca. Ela gostava mesmo de o ter na boca, ainda mais molhada ficava. Levantou o seu amor e encostou-o à parede e continuou a mamar no seu pau, mas a sua buceetinha também o queria…

Levantou-se e pôs a cadeira ajeito. Sentou o seu amor e foi para cima dele. Ela podia sentir o seu caralho muito duro, acabado de ser comido, chupado, lambido… Procurou-o com a mão e enfiou-o na sua coninha que já o pedia à muito. Sentiu toda a força dele dentro de si e roçou-se o mais que pode. A sua timidez já estava longe: 

“- Gosta?”, perguntou ela.

“- Gosto, gosto muito…”, suspirou ele.

Ela contorcia-se toda em cima dele, sentindo o caralho dele duro, a entrar e a sair, a sua cabecinha a vasculhar, mas ele queria dominar… Estava a rebentar de prazer. Pegou-a pelas ancas e levou-a para o sofá. Virou-a de costas para si. Agarrou-lhe as ancas e penetrou-a com violência… e como ela gostava de levar assim com ele, de o sentir a bater nas suas nádegas com toda a força, de sentir o seu caralho e entrar e a ir cada vez mais fundo. Mas ele não se queria vir já. Sentou-a no sofá e foi lamber-lhe a bucetinha mais uma vez, mas ela só queria sentir o tesão, não se queria vir, apenas se queira derreter com ele e levá-lo ao êxtase. Ela não queria ser saciada por completo. Sabia-lhe bem ficar molhadinha…

E mais uma vez ela teve que o meter na boca. Já estava com saudades. E ele agora sabia a ratinha, ao sabor que ela tanto gosta. Devorou-o, mais uma vez, na sua boca, mas ele não lhe queria dar o seu leitinho a provar.

Inclinou-a de forma a que ficasse com o rabo de fora do sofá e penetrou-a de frente, com força. Ainda estava muito teso, os seus olhos estavam revoltos, devia estar possuído de prazer. Enterrava o seu caralho na sua ratinha molhadinha e tirava-o por completo e voltava a enterrá-lo para que ela também pudesse ver…e como ela gosta de ver….hum! Mas não aguentou muito mais, tinha que se vir, mas não dentro do seu amor. Quando atingiu o orgasmo, veio-se na barriguinha do seu amor que pôde sentir a sua seiva quente a espalhar-se por cima dela. E assim ficaram, os dois ofegantes, lentamente a voltarem à realidade…

Há fodinhas que não nos ficam na memória, mas há aquelas que teimam em perdurar (e ainda bem) e esta é sem dúvidas uma delas e que ficam à espera de repetição…

Nova lembrança…

Dormes ou finges dormir. Procuro dormir mas não consigo. Procuro-te com o corpo e encontro-te. Consumo-te a boca que rapidamente responde e ficamos assim. Procuro-te por de baixo dos lençóis e sinto-te duro. Começo a descer. Beijo-te o peito, a barriga e sinto o teu sexo rijo a tocar nos meus lábios. Ele salta de prazer… Roço a minha cara nele, ainda por cima dos boxers, e… não lhe resisto mais. 
Com os lábios secos sinto a tua pele macia. Os meus lábios ficam colados e preciso de os desprender com a saliva que a minha língua traz. Assim começo a passear a língua pelo teu corpo teso, sentindo toda a tua doçura. Aos poucos sinto o teu volume a aumentar cada vez mais, à medida que me deixo invadir por ti.
Gemes baixinho como costumas fazer. Gosto de chupar a tua pele macia, saborosa. Não preciso das mãos, a boca faz tudo sozinha. Tu entras e sais e mais uma vez sinto-o a saltar de prazer, a latejar dentro da minha boca…. Sei que não vais aguentar muito mais… consumo-te com mais vigor e, assim, inundas-me a boca com todo teu prazer.

Bom soninho…!

Eu queria lhe dizer….

Que não me lembro como começou, pois isso não é importante. Tínhamos acabado de jantar, na sala. O quê, também já não me lembro. Levantei-me e fui até à janela, não sei ver o quê e tu viste atrás. Agarraste-me e começaste às “turrinhas”. Eu estava noutra, num mundo diferente, mas rapidamente percebi. Era a parte da sobremesa. Toquei-te e estavas duro. Fomos para o sofá. Num ápice nos envolvemos aos beijos, eu por cima de ti. Gosto de ter assim, sentado num sofá, comigo em cima de ti, e sentir o teu pau palpitante a pedir por mais. E eu não resisto a chupar-te assim, nessa posição. Desci, de joelhos no chão, desafivelei-te o cinto e despertei-te as calças e puxei-as (mais os boxers) ligeiramente para baixo. Segurei-te o pau pela base. Estava mais duro e grosso que o normal e não hesitei em abocanhá-lo. À medida que o comia, sentia-o a palpitar cada vez mais. (como sabe bem um pau !). Puxaste-me para cima e levantaste-te. De joelhos em cima do sofá e de rabo virado para ti, pude sentir a tua língua a explorar uma bucetinha molhada e por lá brincaste a molhá-la ainda mais. Já sabia o que ia acontecer. Não me encontraste assim… simplesmente, puseste-me, assim, à tua disposição. E rapidamente pude sentir a textura da sobremesa e toda a sua força dentro de mim. Encaixaste as tuas mãos nas minhas ancas e consumiste-me com força e vigor. (pena não poder partilhar a tua vista. Apenas pude ver trinta e cinco por cento do cenário “por trás”). Sempre, até ao fim, investiste com força. Tentaste desacelerar, mas não conseguiste (era sempre a dar-lhe), até que te vieste e te colaste às minhas costas para partilhares o teu prazer.

O centro de uma sala…

Uma casa vazia, cheia apenas com duas almas.

Uma parede suja.

O centro de uma sala.

Dois corpos que se encontram.

Um voraz apetite.

Duas línguas que se comem.

Um corpo que se encosta à parede.

Outro corpo que desce.

Um sexo consumido.

Uma boca que não se sacia…

uma mão que não consegue parar quieta.

Uma posição que se troca.

Outro corpo que se encosta à parede.

Duas mãos que se apoiam.

Uma língua que consome.

Um corpo que pede mais, um outro que se aproxima.

Dois corpos, que num se transformam, e uma parede que estremece

A parede teima em fugir, as mãos teimam em escorregar.

Um apoio forte nas ancas, umas mãos que protegem.

Uma explosão de força e um corpo gelado que se encosta à parede

Agora to toda molhadinha…

PACIENTE 301018-15

Meu chamo Ana acabei de completar 18 anos sou baixa de 1.50, peitos bem grandes uma bundinha maravilhosa… O  que aconteceu quando eu tinha 16 com um carinha que eu saia eu tinha acabado de perder a virgindade com ele foi bom o nome dele é Lucas negro, 1.80 de altura um corpo maravilhoso fomos para uma cachoeira aqui na região serrana do RJ numa quinta-feira quase fim da tarde quando sabíamos que iriamos vi ar sozinhos coloquei o menor biquíni que tinha pois também queria fazer bonito e deixar ele querendo mais… Encontrei ele é fomos chegando la eu estava com uma blusa mega grande ai ele já foi logo me molhando então a minha blusa ficou toda transparente e ele não tirava os olhos do meu peito eu só fiquei provocando ainda mais apertando e dizendo “olha o que vc fez ! Agora to toda molhadinha” então ele disse com um sorriso no rosto ” Vc Ta toda molhadinha? Deixa eu te ajudar… ” então ele me jogou dentro da agua como a calcinha do meu biquíni era de amarrar ele puxou o laço e disse “só tem a gente aqui fim de tarde vamos ficar mais a vontade” foi quando senti aquele pau duro ai ele tirou pra fora e começou a foder minha xana de baixo d’água que delicia eu gemia alto como uma verdadeira vadia e ele só falava “Ta gostando sua puta, tava louca pra dá de novo pra mim…” e so de ouvir aquilo eu ficava com mais tesão, sem contar que foder debaixo d’água é maravilhoso… Então eu tive meu primeiro orgasmo e foi inesquecível uma das melhor foda da minha vida…

Ele tirou a camisa e me pôs de costas pra parede…

PACIENTE 301018-24

Eu e meu marido frequentamos uma tabacaria na nossa cidade, algumas vezes precisei ir lá sozinha e foi quando um atendente me despertou interesse, ele é um negro alto, forte , careca e barbudo. Na primeira vez que me atendeu sozinha, me comeu com os olhos, eu estava com um cropped decotado e precisei repetir duas vezes minha pergunta pois ele não tirava os olhos dos meus seios, eu sorri e ele ficou sem graça. Tenho 25 anos, sou branquinha, pequena, ruiva, falsa magra, seios pequenos e bunda grande! Depois disso comecei a reparar mais nele e hj tive um sonho erótico com este rapaz. Sonhei que tinha ido até lá e ele nao tirava os olhos dos meus seios, veio em minha direção e na frente de todos, rasgou minha blusa e começou a chupar meus seios e eu deixei estava gostando da sensação de ser possuída por aquele homem gostoso na frente de outras pessoas, ele me levantou me pôs em cima do balcão , levantou minha saia e começou a me masturbar enquanto chupava meu peitinho, depois tirou minha calcinha e chupou gostoso a minha bucetinha, era tão real eu delirava . Ele tirou a camisa e me pôs de costas pra parede e chupou meu cuzinho, aquela língua quase entrava em mim, meu marido não me chupa assim! Quando senti aquela língua no meu cuzinho eu delirei de tesão, só conseguia pensar naquele pau gostoso q ele devia ter. Ele perguntou se eu queria pau, que ele ia me rasgar todinha, que não via a hora de me comer todinha, só o tamanho daquele homem em cima de mim já me cobria, sou pequena, imagina o pau de dentro de mim. Eu já estava encharcada quando ele tirou pra fora aquele pau enorme e grosso, e meteu forte na minha buceta, me chamando de safada, que eu gemia com uma cachorra, ele meteu gostoso, sentia aquele pau entrando e saindo da minha buceta, aquele negão gostoso tava me fazendo gozar, eu fui ao delírio, depois me fez chupar ele, ajoelhei e chupei gostoso aquele pau, chupei com muita vontade, enquanto ele segurava meu cabelo, depois gozou nos meus seios me sujando toda com o leitinho dele!

Acordei cheia de tesão, e me masturbei pensando no sonho! Se esse homem for tão bom de foda quanto sonhei, quem sabe eu não tiro a prova e conto pra vc!

Quando estava quase adormecendo…

PACIENTE 301018-32

Meu nome é Márcia tenho 19 anos e deis dos 15 que tinha dúvidas quanto a minha sexualidade, até o último verão que passei no Guarujá. Fui nas férias pra casa de familiares, que moram no litoral curtir praia e me divertir muito cheguei na casa de uma tia muito querida, a tia Cláudia irmã da minha mãe, ela tem dois filhos mais fazia muito tempo que nós não nos víamos porque eles sempre íam pra casa do pai dela passar as férias por isso nunca nos encontrávamos de da última vez ambos tínhamos 13 anos, dessa vez eles não foram pra casa do pai deles chegamos na tia quase ao mesmo tempo.
Chegaram com as namoradas, todos animados nos cumprimentando e era uma alegria só. Mais notei a diferença no cumprimento da namorada de um deles, ninguém percebeu, ou foi um acidente, mais o fato é que querendo ou sem querer ela passou a mão na minha bunda, estranhei mais não encanei. Nós ficamos ali batendo papo Natan a saudade até altas horas da madrugada, muito divertido, parecia que as férias seriam o máximo. Tia Cláudia dividiu mulheres no quarto e homens na sala, a casa era afinal a casa era pequena e não tínhamos avisado, nem eu nem os filhos dela.
Bateu o cansaço e dormimos. Quando estava quase adormecendo, senti uma mão nas minhas coxas passeando bem suave, pensei deve ser meu primo com safadeza, quando éramos novinhos demos uns beijinhos nada de mais, talvez agora ele queira experimentar um pouco mais. Com a namorada ali do lado não ia ser legal, poderia dar confusão e as férias só estavam começando, tirei a mão pra dar uma negativa.
Senti que não era uma mão masculina. Aí fiquei assustada, será que essas meninas gostaram de menina ou estão me sacaneando.
Deitei primeiro e não vi qual delas ficou do meu lado, muito cansada adormeci e novamente acordei agora parecia uma língua no meu umbigo.
Fiquei chocada essa menina pensa que sou lésbica, apesar de que estava bem gostoso e fiquei alí quetinha curtindo aquele momento. Pra todos os efeitos estou dormindo. A língua safada começou a passear um pouco mais abaixo bem perto da zona de laser, vindo subindo pelas coxas, me arrepiei e estava achando aquilo muito loco, mais estava ficando com muito tesão um pouco mais de ação dessa língua vai acabar me fazendo gozar.
Um barulho na cozinha ela se deitou e tudo parou ali, e nem sabia quem tinha usado tão bem uma língua.
Dia de Sol começou bem com uma ia a praia, tá tudo muito bom, divertido, agora precisava saber quem atuou tão bem a noite, a mais provável séria a Vivi, ela que passou a mão na minha bunda logo que à conheci, mais ela parecia indiferente a situação, será que sonhei? Seria possível isso ter acontecido?
A Paulinha parecia ser muito ceria não poderia ter sido ela.
—Márcia vamos, já estou mais do que bronzeado
— Claro Paulinha eu também estou uma Gabriela de tão morena vocês vão?
A princípio ninguém queria então fomos as duas, Paulinha foi pro banho logo após eu sair. Fui pro quarto me trocar, estava só de toalha quando chegou o Júlio tentando lembrar os velhos tempos, pedi pra que saísse até porque a namorada de está no banheiro logo do lado, ele insistiu muito Sesi um beijo e ele já veio com uma mão boba e se deu bem porque ainda estava sem calcinha e o tarado já foi enfiando o dedo, empurrei ele e o sacanagem puchou minha toalha, me deixou completamente pelada.
— Sua namorada está no banheiro, se ela chega vai dar confusão
— Ela não se importa com isso
— Como é ela não se importa com traição?
— Não é traição ela sabe, que nós tivemos um rolo quando éramos crianças e ela gostou de você.
—Como assim gostou?
—Ela falou que você também gostou de uma certa linguinha marota de madrugada
— Então era ela pensei que era a Vivi, ela tem cara de safada e não sei se foi um escorrego mais ela passou a mão na minha bunda.
— poderia ter sido também, Vivi também gostou de você e é mais afoita.
Muita doidera tudo isso, aí relaxei e beijei-o pelada mesmo, quando abrir o olho Paulinha nos observava e disse
—Começaram e nem chamaram
Tirando a toalha ficou nua também, corpo lindo, baixinha com tudo no lugar e proporção certa, um espetáculo. Acariciou meus seios e começou a chupar os biquinhos Júlio me beijando Paulinha me chupando, estava bom de mais. Trocando os objetivos Júlio desceu prós seios e ela pra minha buceta, vi que ficou um tempo admirando e finalmente enfiou a língua com vontade
Fazia umas coisas que os meus parceiros não faziam era sensações que não conhecia mas estava adorando, enquanto isso nos seios aquele capricho. Me deitaram na cama e recebi o maior banho de língua da história.
Aí precisava retribuir e comecei com Júlio pus o cacetão na boca e já chegou reforço.
Paulinha revezava na chupada até que entre línguas e caralho já estávamos nos beijando então também já era hora de chupar a bucetinha dela que recém depilada lisinha. Nunca chupei uma buceta mais estava com muita vontade de chupar a dela.
Será que sou lésbica? Isso naquele momento não importava o que eu queria era ser feliz e gozar, e gozei muito, fiquei em várias posições que nem conhecia. Realmente eu estava me achando uma analfabeta em termos de sexo, foi muito bom.

Fiquei muito curiosa e tentada, pois dinheiro estava difícil.

PACIENTE 301018-12

.
Me chamo Natália, tenho 25 anos, loira, 1,54 de altura.
Logo quando me mudei tive que me virar sozinha com as despesas, pois meus pais ficaram no interior e eu resolvi tentar melhorar de vida na aqui capital. No primeiro mês foi tranquilo, mas nos meses seguintes foi ficando mais apertado e eu n sabia como me virar, achar emprego estava difícil. Em uma certa noite estava em uma sala de bate-papo online e vi um nick que me chamou atenção “banco escrava”. Ele veio falar comigo e deixou claro suas intenções: ele queria uma escrava submissa e em troca iria bancar as despesas. Fiquei muito curiosa e tentada, pois dinheiro estava difícil. Passei meu contato e marcamos de nos encontrar em um restaurante movimentado na orla. o encontro não seria nada de mais, apenas para conversarmos, então não me produzi muito. Ao chegar no local combinado ele estava lá, calça social preta e camisa social manga longa vermelha e eu de vestido preto, conforme combinamos de nos reconhecer. Ele era um homem muito bonito, devia ter por volta de 50 anos, com físico bem atlético, nada muito musculoso, mas bem definido, Cabelos grisalhos, porem muito bem cuidado. Estávamos tendo um papo descontraído, nada a respeito da proposta que ele fizera no bate-papo. Após algumas bebidas eu já estava mais descontraída e ele me chamou para irmos para sua casa, ainda sem compromisso, apenas para bebermos com mais privacidade. fomos até seu carro: um porsche sedan preto. Ele morava a duas quadras do restaurante em um bairro nobre, sua casa tinha 2 andares e muito grande, com um jardim enorme na frente. Ao entrarmos, pude ver uma sala ampla com um lustre muito fino no centro e um bar no canto com várias bebidas na parede. continuamos conversando, mas dessa vez um pouco mais íntimos, ele me perguntava sobre experiencias sexuais, mas nessa época eu tinha apenas 18 anos e não tive muitas relações pois era do interior. Ele foi ao bar enquanto eu falava e preparou dois drinks. Durante o preparo dos drinks ele me perguntou se eu estava desposta a realizar a fantasia que ele propôs no bate-papo, eu disse que estaria disposta a tentar, mas eu nunca havia feito isso. ele veio em minha direção com os drinks, brindamos e bebemos. Após alguns momentos de conversa, comecei a me sentir mal, estava sonolenta e pedi para ir pra casa, a ultima coisa que me lembro era do seu sorriso malicioso antes que eu apagasse no sofá. Quando acordei estava em um quarto, tinha uma coleira em meu pescoço e uma corrente me prendendo, eu estava nua, fui até a porta para tentar abrir, mas a corrente me parou no meio do caminho, fiquei assustada, pois o quarto não tinha janelas e eu estava bem zonza. À essa altura eu já sabia o que havia acontecido: ele me drogou e me prendeu. comecei a gritar de medo e então a porta se abriu, era ele. Totalmente nu eu pude ver que seu corpo era bem atlético e que ele era muito mais alto que eu. Ele ainda tinha o sorriso malicioso no rosto.
– o que você fez comigo?
– calma, apenas te trouxe para experimentar o que eu tenho para lhe oferece. Não tente nada estúpido, pois como vê sou muito maior e mais forte que você.
Nesse momento eu entrei em pânico e comecei a chorar. Ele veio em minha direção e falou rispidamente “engole esse choro!”. Na mesma hora eu parei de chorar “boa menina, aprende rápido” eu estava sentada no chão e ele em pé na minha frente, ele me segurou pelos cabelos e me colocou de joelhos e começou a passar o pau no meu rosto, ele esfregava na minha boca e bochecha juntamente com suas bolas “você é uma delicia, precisa de treino e eu vou dar um jeito nisso, abre a boca e nem pense em morder” nessa hora eu gelei, ele iria me estuprar, comecei a entrar em panico novamente
– abre logo, escrava!
De vagar eu fui abrindo a bora e ele colocou seu pau dentro dela. Não estava completamente duro, mas foi endurecendo aos poucos até chegar um ponto que estava batendo em minha garganta, me fazendo engasgar
– já ta engasgando? eu vou foder sua boca gostosa.
ele enfiava fundo enquanto eu segurava em suas pernas tentando afastar para recuperar o fôlego,meus olhos se encheram de lágrimas e a maquiagem começou a escorrer dos meus olhos. Ele começou a enfiar com mais força e velocidade, fazendo com que eu respirasse menos ainda, eu estava quase vomitando.
– não desperdice nem uma gota, se não quiser apanhar
logo em seguida ele pressionou minha cabeça contra seu pau e gozou. Foram 3 jatos de porra inundando minha garganta. eu estava completamente sufocada, minha visão começava a escurecer, estava ficando sem forças. Então ele me soltou e eu caí no chão respirando forte ainda sentindo seu esperma descendo minha garganta, na boca eu conseguia sentir o sabor das ultimas gotas que sobraram, era grosso e viscoso.
– muito bem, engoliu tudo. amanhã tem mais – ele se dirigiu à porta para sair
– espera,por favor! me solta!
Já era tarde, ele nem olhou pra mim e saiu. não consegui dormir essa noite, apenas chorava e relembrava o que havia acontecido e como fui burra em ir para casa de um completo desconhecido.
dentro do quarto eu perdi a noção de horário e não sabia se era dia ou noite, pois não haviam janelas nesse cômodo. Após longas horas, a porta se abriu novamente, era ele com uma bandeja. logo me encolhi em um canto com medo do que viria a seguir.
– Calma, só vim te trazer o seu café da manhã, você deve estar com fome, né?
– S-sim…
– Então aproveite, pois fiz especialmente para você. – Novamente o sorriso malicioso em seu rosto. Ele virou a bandeja de cabeça para baixo e deixou tudo cair no chão – coma tudo, no almoço tem mais. – e saiu novamente
fiquei alguns instantes encolhida com medo sem me mover. olhei para a comida e notei q eram duas fatias de pão integral,cheguei perto e peguei para comer, notei que o pão estava com esperma em cima. fiquei com vontade de vomitar, mas não tive escolha, estava faminta, então devorei o pão. No almoço foi a mesma coisa: ele jogou a comida no chão e vi que havia esperma nela também, mas novamente comi por pura fome.
Após longas horas ele entrou no quarto novamente, mais uma vez nu.
– não precisa ficar com medo, estou aqui para conversar, podemos?
– Me solta, por favor
– tudo bem – ele foi até um armário que estava perto de mim e tirou uma chave, colocou em minha coleira e a abriu. – pronto, acho que agora você consegue respirar melhor. Sabe por quê fiz isso?
– Você é um monstro!
– Fiz isso porque você falou que queria testar a fantasia de ser escrava, é claro que isso foi uma sessão intensiva da vida de escrava. Se você aceitar minha proposta, você poderá andar livremente, pois sei que você vai voltar para seu dono.
– Como você sabe que não vou te denunciar à policia?
– Você deve ter percebido que tenho bastante dinheiro, logo sou uma pessoa bem influente. Posso resolver esse problema com alguns trocados e você vai sair prejudicada. O que eu estou lhe oferecendo é muito mais do que você poderia sonhar em conseguir trabalhando, e a melhor parte é que você não vai precisar trabalhar, apenas me servir.
– Você deve estar louco achando que vou aceitar isso.
– A escolha é sua. Pode sair por aquela porta e jogar tudo fora, tentar me processar e se expor ou você pode aceitar e ter uma vida de luxo.
– O que você quer de mim?
– Simples: seja minha escrava, meu brinquedo e ganhe todos os benefícios.
– quais benefícios? – eu n acredito que estava pensando sério nisso, mas ele tinha razão, eu não iria conseguir ter a vida luxuosa que ele estava me oferecendo, mesmo que trabalhasse a vida toda.
– bom, se você quiser, pode morar nessa casa, ela é minha mas não moro aqui. Pagarei todas as suas despesas, o que você quiser, roupas, sapatos, bolsas, viagens… tudo! e vou te dar um cartão com limite de 15 mil, pra você usar como quiser, e claro, eu vou pagar por isso também. Não se preocupe, se você quiser parar, podemos parar a qualquer momento. A partir de agora você é livre para fazer o que quiser, mas se escolher ficar, você vai fazer o que eu mandar. vai ser minha escrava, nada mais do que um brinquedo sexual que eu irei usar. O que me diz?
– Eu… Eu aceito
– Excelente! escolha inteligente. Bom, amanhã você traz todas as suas roupas pra cá, e iremos comprar roupas novas. tenho planos preparados para você. Agora eu tenho um presente para você. – novamente ele foi ao armário e pegou uma caixa preta de veludo e me entregou
– O que é isso?
– Abre
Abri a caixa com um pouco de medo, o que havia dentro era uma outra coleira, essa era mais enfeitada, mais bonita, eu diria. Nela havia a palavra SLUT (vadia em inglês) escrita com strass
– Agora você é minha cadela, vai usar coleiras.
Ele colocou a coleira em mim, essa não tinha corrente, mas tinha uma argola para poder colocar uma. Ele me pegou e me levou até a cama e então ele me usou pela primeira vez como sua escrava totalmente submissa.

VIDEOS RECEBIDOS…

Mais uma semana praticamente se passou…

PACIENTE 251018-11 

Mais uma semana praticamente se passou, início de noite e fim de mais uma quinta-feria. No trabalho, nada de novo e assim voltei para casa com a pretensão de cozinhar alguma coisa e assistir alguns filmes. Era pra ser um dia como qualquer outro se não fosse o desejo de transar com o meu colega de trabalho. Sim, se tornou um vício, uma sensação de abstinência. Não conseguia ficar mais sem aquele pau. Tentei abstrair, acalmar os meus instintos e desviar o pensamento para outras coisas. Tirei a roupa, já estava a essa altura com a calcinha encharcada de pensar nele e o suor já escorria na minha nuca. Entrei no chuveiro, mas não adiantou muita coisa. Fechei os olhos e por um instante, a água que escorria sobre o meu corpo se transformou em sua boca me lambendo inteira. Parecia que ele estava no chuveiro junto comigo. A água batia nos meus seios e eu os apertava como o Igor costuma fazer (sim, esse é o nome do meu prazer). Com a outra mão eu me masturbava e sentia toda a humidade que vinha de dentro de mim e que nada tinha a ver com a água. Eu mordia os meus lábios, eu me beliscava. Eu sentia ele, bem ali.
Saí do chuveiro e era impossível não pensar naquele homem. Era impossível não tremer com a sensação da sua língua chupando a minha buceta. Eu conseguia sentir os seus dedos me penetrando. A pele dele dentro de mim me fazia gozar só de encostar (não sei como estou conseguindo escrever esse texto excitada como estou). Me masturbei no chuveiro e fora dele, na minha cama. Eu queria o Igor ali agora, me rasgando. Rasgando a minha buceta e a minha bunda com aquele pau inigualavelmente gostoso. Queria que ele me botasse de joelhos e enfiasse o pau dele na minha boca até eu engasgar. Que ele me virasse de costas e empinasse a minha bunda e enfiasse só um pouquinho pra me deixar desesperadamente louca e implorando pra ser penetrada por aquele pau duro que tanto me viciou. 
Claro que eu perdi a noção e soltei um grito de prazer, me contorci e gozei não só pensando nele, mas por ele. Igor, eu não consegui me contentar sozinha e o chamei. 
Acho que deu para perceber a história apenas estava começando… Tenho que admitir que a realidade foi mil vezes melhor do que tinha imaginado mas conto pra vocês em outra ocasião. Só posso adiantar que a gente transou tanto, mas tanto, que ao voltar pra casa eu mal conseguia andar!

A ousadia é louca mas invejável…

PACIENTE 251018 – 40 fase 2

Diga sim, que…

Eu agora vou aí e bato na porta  do seu consultório.
Eu agora vou aí e fico a te olhar.
Eu agora vou aí e começo a beijar a sua boca.
Eu agora vou aí e sem despegar as nossas bocas sento no seu colo, cara com cara.
Eu agora vou aí e no teu pau começo a mexer até te sentir duro.
Eu agora vou aí e lentamente tiro uma perna… e depois a outra.
Eu agora vou aí e suavemente puxo-te o boxe para fora das calças .
Eu agora vou aí e puxo lentamente para cima.
Eu agora vou aí e começo a beijar-te o pau.
Eu agora vou aí e tiro-te o boxe e começo a descer.
Eu agora vou aí e beijo-te a barriguinha onde tens tantas cócegas.
Eu agora vou aí e lhe te faço gozar ai mesmo…

Só preciso de um venha…

RELATO PESSOAL 35

Não sei se você ainda lembra de mim…

Lembra da foto??? 1998 um sábado a tarde… Você gostava de fotografar os nossos dias….

Gostava quando me agarrava e me encostava ao teu corpo. Encostava a tua cabeça às minhas costas e apertas-me com força. Começava-me a descer e eu tirava as calças. Mordiscas-me as nádegas e começavas a tocar-me na ratinha. Como eu gostava do teu toque… 
Viravas-me para ti e eu sentia o teu caralho duro, desejoso, mas antes continuava a beijar-me, abrindo-me as pernas. Ainda molhada por me teres feito explodir com essa tua língua marota. Lambia-me até me ver e depois vinha dar-me a provar o meu sabor. Puxava-me as calças para baixo e não havia tempo para te lamber também, como tanto gostava da minha boca. Entrava na minha ratinha que estava encharcada de prazer. Entrava devagar e toda eu sentia o teu caralho teso dentro de mim. Gemias perto do meu ouvido. Como eu gostava de te ouvir gemer, baixinho… Continuavas a entrar, cada vez com mais vigor e com a minha ratinha cada vez mais derretida pela tua masculinidade. Estava na altura de chamar o terceiro elemento… 
Proteção colocada, voltava para dentro de mim, cada vez mais teso. A tua cabeça procurava caminho e eu sentia-a a vasculhar o meu interior, inchada, quase a rebentar. Como eu gostava de sentir a tua cabecinha dentro de mim… E assim foi. Entrava e saíste, entrava e saíste até te vires dentro de mim, gemendo, baixinho. Envolvi-te com o meu corpo e senti a tua pele arrepiada. Quero continuar a sentir a tua pele arrepiada por muito mais tempo novamente. Gostaria de voltar a te ver. Acho que ainda Amo você…

QUAL AS MINHAS TARAS ????

Com muito esforço, aqui segue a resposta a pergunta que me fizeram esta semana…

Resultado de imagem para FOTO PESSOAL POR TRAS IMAGENS

Como para mim, taras são manias e manias são taras, vou apenas responder uma única vez:

1.º: Tenho a mania de ficar sempre mais quinze minutos na cama de manhã, o que não faz com que ande atrasado.
2.º: Tenho uma grande tara por tudo o que relacione história Grega… simplesmente, adoro.
3.º: Tenho a mania de me sentar sempre no mesmo lugar nos mesmos restaurantes.
4.º: Tenho a mania de ler vários livros ao mesmo tempo, acabando apenas alguns.
5.º: No Inverno, tenho a mania de usar dois pares de meias…

E por fim: Tenho a mania de não responder perguntais como esta em relação a sexualidade….

Por isso podem ficar descansadas…

Igor Hunsaker.

 

Corajosa e Audaciosa…

PACIENTE 251018-40

Igor…

Eu agora iria aí e ao saboreá-lo, a minha língua devolvia-me o teu calor.

Eu agora iria aí e com a minha língua percorria todo o teu pau tesudo.

Eu agora iria aí e olhava para os teus olhos sérios de prazer.

Eu agora iria aí e concentrava-me apenas no teu sexo.

Eu agora iria aí e envolvia-o todo com a minha boca, sentindo toda a sua potência.

Eu agora iria aí e chupava-o, mas com pressão suficiente para te ouvir.

Eu agora iria aí e sentia o teu caralho a inchar de prazer dentro da minha boca úmida.

Eu agora iria aí e começava a chupar-te com mais vigor… segurando-o com a mão.

Eu agora iria aí e tu estavas-te quase a vir… mas eu abrandava o ritmo da minha boca.

Eu agora iria aí e fazia-te sofrer de prazer quase parando de te comer.

Eu agora iria aí, mas eu não parava de te devorar e tu já não sabias que posição manter.

Eu agora iria aí e sentia novamente o teu pau a inchar.

Eu agora iria aí e as tuas veias diziam-me que já não ias aguentar muito mais tempo.

Eu agora iria aí e o teu caralho estava cada vez mais impaciente.

Eu agora iria aí e chupava-o com toda a minha boca sentindo toda a tua pressão prestes a rebentar.

Eu agora iria aí e tu enchias-me a boca com todo o teu leitinho.

Eu agora iria aí e continuava a saborear-te até me cansar…

Eu agora iria aí…

Basta receber.

Bem…

Por hoje já chega…

Imagem relacionadaMas a vida inteira

É muito pouco tempo.

Vamos fazer assim…

Retornar amanhã,

e depois sexta,

e deixar a vontade

mostrar até quando !

Bye

Igor Hunsaker

 

A maior dor…

Imagem relacionada

A maior dor na vida não é morrer, mas ser ignorado.
É perder alguém que nos amava que depois deixou de se importar. 
É sermos deixados de lado por quem tanto nos apoiava. 
A maior dor na vida não é morrer, mas ser esquecido. 
É ver a indiferença num rosto amigo ou familiar quando abrimos o nosso coração, a nossa alma.
O que dói mais na vida é ver aqueles que foram nossos amigos ou são, sempre ocupados quando mais precisamos deles.

A LUZ…

Imagem relacionada

No cinema, a luz é ideologia, sentimento, cor, tom, profundidade, atmosfera, história.

Ela faz milagres, acrescenta, apaga, reduz, enriquece, anuvia, sublinha, alude, torna acreditável e aceitável o fantástico, o sonho, e ao contrário, pode sugerir transparências, vibrações, provocar uma miragem na realidade mais cinzenta, cotidiana.

Com um refletor e dois celofanes, um rosto opaco, inexpressivo, torna-se inteligente, misterioso, fascinante. 

Com a luz se escreve o filme, se exprime o estilo.

VERNISSAGEM II

A Magia Das Fotos…

Falar sobre LUZ é um assunto bem extenso e complexo, mas hoje, vou falar um pouco de LUZ Natural como fonte principal.

Para quem não sabe eu quase sempre opto pela LUZ natural nos meus ensaios, mas na mala do meu carro mora: meu kit de estúdio com 2 tochas da maço, um rebatedor 4 em um (dourado- prata- branco e difusor),de uns tempos pra cá uma luz de LED, e, levo ainda, pelo menos dois flashes dedicados no meu case, que já me salvaram de situações incríveis!!

Aprendi a criar opções muito cedo, pois a coisa mais importante para um fotógrafo é entender os aspectos da luz, como são os efeitos e como ela funciona.

Quando você compreende a luz e a sombra, passa a não precisar de todos os equipamentos de luz, pois aprende-se a ter domínio e criatividade.

Não sai investindo fortunas em luz.. E penso que ninguém precisa fazer isso no início de sua carreira.

Fotografar pessoas, é meu principal foco, assim sendo, é preciso ter em mente como a luz e a sombra irão atuar sobre o meu assunto.

Em geral meus ensaios são feitos em locações que eu conheço, quando se trata de local desconhecido, sempre dou uma volta sozinha para observar os cantos, a iluminação e tudo que pode me ajudar ou atrapalhar.

Gosto da luz suave, que não provoca sombras duras, adoro dias nublados, diferente de muita gente, pois ele deixa a luz difusa e acho lindo para trazer a delicadeza e sensualidade a foto.
Luzes vindas de janelas, e até o contraluz que estoura o fundo, tem todo seu valor.

Sempre que posso iniciar cedo as fotos nas locações que possuem uma janela com entrada forte de luz eu aproveito, adoro o resultado, percebe a idéia do frescor da manhã?!

Explore sempre as opções que o local te proporciona, use a criatividade, assim você não se joga no impulso de investir em muita coisa e começa de fato a saber explorar bem as ferramentas que tem.

Quando estamos fotografando antes do pôr do sol, podemos aproveitar alguns instantes da GOLDEN HOUR (hora de ouro), queridinha de muitos fotógrafos, luz é suave, com sombras também suaves, sem falar que a cor da luz é linda.

A melhor luz vai depender do seu propósito, e por isso é importante conhecer os tipos de luz, logo depois do sol se pôr, existe a Blue hour (hora azul) essa tem tons mais azulados, mas mistura-se laranja ainda e é bem suave… segue um exemplo abaixo:

Saiba usar os elementos na sua fotografia e enfatizá-los com a iluminação certa para o que você deseja, fotografar com luz natural exige paciência, muitas vezes você consegue um resultado lindo, rebatendo o flash em um rebatedor dourado, costumo dizer que é brincar de fazer sol, aquece a foto. Perceber transições e contrastes, também é importante pois esses muitas vezes oferecem uma apelo profundo a imagem.

Brinque com o contraluz, principalmente próximo a hora mágica, enfatiza o elemento em primeiro plano que fica contornado pela luz linda dessa hora.

Preste sempre atenção nas entradas de luz que existem no seu ambiente, caso necessite usar alguma outra fonte de luz cuide sempre de justificá-la!

Lembre-se que o sol nos dá apenas uma sombra, se sua janela é a direita cuidado com uma Luz muito forte a esquerda.. Entende? Observe as entradas de Luz e como elas se comportam.

Fica a dica: observe a fotografia no cinema, novelas… tudo isso servirá para te inspirar.

A sua participação é MEGAAA bem vinda, eu respondo todos os directs, todos os emails e vocês me motivam a continuar com esse canal aberto, fazendo amigos, aumentando a audiência e ajudando de alguma forma esse blog a crescer.

Gratidão a todos que mandaram mensagem e participaram de alguma forma com o conteúdo de hoje!

 

…como conheci meu marido.

PACIENTE 241018-04

Oi, meu nome é Karine, vou contar como conheci meu marido. Foi a muitos anos atrás. Morava em um bairro pobre com uma tia, ela era muito ruim, me deixava com fome, trancava tudo, saia pra trabalhar e só voltava a noite, tinha vez q comia no quarto escondida.
Para não morrer de fome eu me virava, saia na vizinhança procurando pequenos serviços, mas as mulheres me viam como ameaça, sempre fui magrinha, morena clara, seios um pouco grande e bundinha tb. Era difícil arrumar alguma coisa. Ate q bati na casa de seu Gustavo, meu atual marido. Morava sozinho, era divorciado. Perguntei se tinha algum serviço pra mim, recebia qualquer quantia. Ele viu q eu estava muito magra e desesperada tb.
Me chamou pra entrar, pegava nos meus bracinhos e me chamava de lindinha. Me levou na cozinha e tinha algumas vasilhas na pia, fui lavar. Mas seu Gustavo se aproveitou da minha situação e me abraçou por trás e ficou amassando meus peitinhos.
– Essas suas tetinhas são tão boas de pegar, deve ser uma delicia de morder…
Como eu precisava me alimentar, deixei ele ficar amassando. Depois q acabei ele me deu dinheiro e um lanche, comi tudo. Antes de ir embora ele me deu algumas frutas. Fiquei muito agradecida. Me disse pra voltar no outro dia.
No outro dia voltei, mesmo sabendo q ele podia pegar em mim de novo.
Fui pra pia, ele ficou atrás novamente pegando em meus peitos, meteu as mãos por baixo da blusa e pegava nos meus peitinhos diretamente e lambia minha orelha. Então desceu a mão e meteu dentro do meu short e pegou na minha bucetinha
– Q bucetinha gordinha… delicia…. seu pinguel está durinho…
Ele puxava meu clitóris e lisava minha xaninha. Baixou meu short até os joelhos, junto com minha calcinha, e ficou pegando em minha xota e meus petinhos, fiquei parada lá deixando ele tocar. Ele tirou o pau pra fora e ficou relando em minha bundinha, relou até gozar. Pegou um pano e limpou minha bundinha por cima.
Me ajeitei e ele me deu novamente dinheiro e lanche.
Passei semanas sendo tocada por ele, mas tinha dinheiro e comida. As vezes na cozinha, ele baixava minha calcinha e me baixava na cadeira, ficava em pé, mas a parte de cima do corpo abaixava e segurava na cadeira, e subia a bundinha, ele vinha por trás e passa a rola na minha bucetinha, ficava relando nela, até gozar. Ficamos meses assim. Meus peitinhos tb eram chupados diariamente, me sentava em suas pernas, de frente, levantava minha blusa e chupava, mordia e lambia. Era gostoso. Nos beijávamos de língua tb nestes momentos.
Como eu ia todos os dias pra casa dele, os vizinhos começaram a falar, dizendo q eu era a puta da rua. Os homens começaram a me cantar e tal. Falei com seu Gustavo. Ele então me disse q eu seria sua namorada então. Aceitei, claro.
Ele me deitou no sofá e se deitou sobre mim e ficamos abraçados chupando a língua um do outro. Depois tirou minha calcinha e chupou minha xoxota até me fazer gozar depois chupei sua rola. Engolindo seu leite.
Me pediu pra voltar a noite e dormir com ele, q era só sair de fininho e vir.
A noite sai bem caladinha de casa e fui pra casa dele, me levou pro quarto e me tirou a roupa, e a sua tb, se deitou e me deitou sobre seu corpo, só ao contrário, enquanto mamava sua vara ele mamava minha xoxota, estava uma delícia… ondas de prazer me percorriam e eu sugava sua madeira com gosto, gozamos um na boca do outro, depois ficamos deitados um do lado do outro, ele pegando na minha xota e eu palhetando sua rola.
– Minha flor agora vou comer sua bucetinha.. ela está quentinha querendo vara.
– Vc quer?
– Não sei… rsrs
– Abre as perninhas e fecha os olhos bebê.
Abri as pernas e ele deitou sobre mim, fechei os olhos como ele pediu, encaixou a pica na minha xana e penetrou, dei um gritinho, ele começou a chupar minha língua e cavalgar na minha xoxota, vai e vem, bem fundo… depois gozamos.
Mais tarde naquela mesma noite me levou pro banheiro, disse q tinha q lubrificar meu rabinho. Fomos pra debaixo do chuveiro, ele ensaboou a mão e metia no meu cuzinho, me pôs de quatro no chão do box, metia e socava, até se ajoelhar atrás me pegar pela cintura e me penetrar com força o meu cu, fiquei chorando e ele fudendo, ia fundo e voltava:
– Minha cachorrinha tem o rabinho gostoso… o anel é bem apertado… deliciava ammmm ammmm
– calma minha putinha, já vou gozar nas suas tripas….
Socou até gozar.
Todos os dias ele me come, as vezes na sala mesmo, fico de quatro no sofá e ele soca na minha bucetinha, depois me coloca pra mamar até gozar na minha boca.
Ele é muito bonzinho pra mim, além de comida e dinheiro, compra roupa pra mim e calçado. Praticamente dormia em sua casa quase todos os dias. Saia e voltava sem minha tia desconfiar.
Já tínhamos quase um ano de caso. Um dia meu tio q morava em outra veio nos visitar, avisei seu Gustavo q não poderia sair à noite até ele ir embora.
Meu tio era tão ruim quanto minha tia. Ele ficou sabendo na rua q eu era puta da rua e entrou no meu quarto xingando. Estava só nos dois, ele puxou meu cabelo e me deu um tapa me chamando de vagabunda. Cai na cama e ele olhou pro meu corpinho e disse;
– Já q vc é puta mesmo, vou aproveitar tb, porque puta é pra fuder mesmo.
Se deitou sobre mim na cama e me fez tirar a calcinha, abriu o zíper e baixou as calças, isso tudo com uma mão, a outra ele apertava minha garganta, abriu minhas pernas e se deitou sobre mim penetrando minha xoxota, e ficou socando, abrindo minhas pernas…. eu pedia pra ele parar. e ele dizia
– cala boca puta, a boca dessa buceta já tá arrombada….
Continuou socando e apertando meus petinhos
– Acho q vou te levar pra morar comigo… sempre pago as putas da zona, pelo menos vou economizar….
– Mas tio, eu não quero me mudar… ai ..
– Vc não tem querer, vou falar com sua tia, vagabunda… na minha casa vc vai ser Minha escrava…. ammmm delícia de xoxotaaaaa aaaaaa
Titio gozou na minha bucetinha e depois saiu, falou com titia q ia me levar, ela nem se importou. Tentei avisar seu gustavo, mas titio me levou a força pro seu carro, deu tempo de pegar partes das minhas coisas…

 

E como o calor estava intenso mesmo com o ar ligado…

PACIENTE 241018-03

Sonia era uma jovem estagiaria de advocacia
Estava prestes a se formar, morenaça jambo, seios empinados e uma cintura que realçava os quadris largos, uma bunda bem equilibrada a seu corpo.
Sabe como é estagiaria, horário de trabalho reduzido e precisando colocar em dia todo seu conteúdo de trabalho.
Foi assim que ocorreu com a Sonia, ficava até tarde no escritório para assim poder deixar seus arquivos em ordem.
E naquele dia ela não se deu conta que o advogado chefe do escritório também tinha ficado fazendo extra.
Depois de um feriado prolongado acontece sempre acumulo de serviço
Pois bem. E Sonia absorta em seu trabalho, não notou que a porta do escritório do Dr. Claudio estava entreaberta.
E como o calor estava intenso mesmo com o ar ligado.
Achando-se sozinha, Sonia sentiu-se à vontade, deixando um botão da blusa aberto, coisa simples, mas com o decote já sinuoso ficou os seios uma boa parte amostra.
E Claudio de sua mesa pela fresta da porta entreaberta só olhava aqueles seios e devaneava em desejos de poder sugar aqueles mamilos apetitosos.
Ficando por demais excitado, logo achando-se também sozinho colocou aquele membro latejante pra fora da calça, acariciando-se e vislumbrando a imagem da Sonia que absorta em seu trabalho nem imaginava o que se passava ali bem próximo, Dr. Claudio tamanha era sua excitação que começou a masturbar-se em pouco tempo soltou gemidos de intenso prazer chegando ao orgasmos solitário…Mas sem se dar conta soltou gemidos altos que Sonia chegou a ouvir, então sem saber do que se tratava ela foi até a sala ao lado da sua saber da procedência daqueles sons.
Ao adentrar a porta exclamou um Aiii. Pois pegou o Claudio ainda com membro teso fora das calças. Imediatamente Claudio tentou se recompor tentando se desculpar dizendo que achava que estava sozinho no seu escritório.
Ficou sem graça é claro, mas nada podia fazer no momento a não ser pedir desculpas.
Como ele sempre foi muito safado aproveitou para dizer que em parte ela tinha sua parcela de culpa por ser tão sexy ao ponto dos homens a imaginarem.
Sonia desconcertada ia saindo da sala desculpando-se pela invasão de privacidade, mas antes deu sorriso largo para o Dr. Claudio e falou!
Mas Dr. Claudio só porque viu minha blusa um pouco aberta já imaginou meus seios que ficou assim?
-Sim Sonia foi isso mesmo!
-Então com voz bem provocante Sonia disse quer tocá-los? Ou algo mais?
-Claudio apenas disse tem certeza disso moça atrevida? hein…ele nem pensou duas vezes Claudio levantou-se com uma rapidez tamanha em segundos já estava junto a Sonia bolinando-a e apalpando a moça.
Que parecia uma gata no cio enroscando-se os braços ao redor do pescoço do Claudio deu-lhe um beijo molhado.
Um verdadeiro sugador de línguas.
Ai foi demais de irresistível para o coroa que se esqueceu do bom senso, de onde estava e até da esposa em casa.
Tirou a blusa da moça e sugava seus seios com sofreguidão causando um leve estremecimento de prazer à ambos.
Roupas tiradas que foram jogadas sobre os processos.
Volúpia e prazer, o ar da primavera aquecia os corpos nus que se entrelaçavam em uma dança sensual.
A maciez do tapete servia como bálsamo, a um total frenesi do vai e vem dos dois.
Claudio com sua experiência de homem maduro e vivido.
explorou cada parte do corpo de Sonia.
E assim a moça foi lambida e sugada por Claudio que chupava seu clitóris tirando gemidos da moça que rebolava sob a cara de Claudio deixando-o todo lambuzado coisa que ele estava adorando assim faziam os oito e o oitenta e oito também.
Já depois de gozar na boquinha de Claudio a moça ficou à mercê do patrãozinho de quatro esperando ser penetrada por ele, que não se cansava de acariciar a estagiária. Enfiava-lhe a língua lubrificando-a tirando o máximo de prazer.
Assim a moça foi enrabada com lentidão no início depois em um galope sensual e gostoso que fez o Claudio gozar naquele buraquinho apertado. Em espasmos de volúpia.
Chegando ambos a um prazer imensurável.
Abraçados nus no tapete Claudio confidenciou que havia dias que a moça povoava seus sonhos, que fazia acordar com cacete armado.
Mas quem lhe servia era a esposa que se esbaldava de ver a excitação do marido altas horas da noite.
A conversa ia solta, mas os sentidos aguçados e logo estavam aptos a iniciar uma nova sessão de sexo. Sonia foi tomar banho enquanto o Claudio bebericava um wiskhy.
Sonia saiu do banheiro enrolada com uma mini toalha que só cobria uma parte de seu corpo. Sua xoxota lisinha de fora.
Claudio se aproximou e com seu cacete duro começou a tocar na moça, que gemia entreabrindo as pernas com prazer. Recebendo o membro rígido em sua gruta molhada desejosa de ser penetrada.
E assim a Sonia foi comida com um pé sob a cadeira encostada a parede que serviu-lhe de apoio para receber o Claudio que estava com desejo insano de comer aquela estagiaria que o tratava com tanta deferência e respeito.
Cada estocada eram urros de prazer de ambos.
Claudio o bom e sério Dr. sucumbiu aos encantos da moça que alugou um Apê que serve de local para encontros dos dois em dias de reuniões fantasiosas e horas extras.
Nunca foi feito tantas horas extras naquele escritório como agora. O que o Dr. Cláudio tem feito que anda meio pálido. Rsrsrsr
Ninguém sabe…Mas a estagiária anda feliz da vida recebendo flores e caixa de bombons que a deixa com um ar de felicidade em sua face meiga.
Pois é…