AS "SANTAS"

São mulheres vivendo os seus sonhos. Muitas acreditam em fadas, gnomos, príncipes, princesas e amores de outro mundo. Não. Elas não são loucas, nem doidas e nem pirada. Elas simplesmente desejam viver com prazer.

COMO O CÉU SE TRANSFORMA NUM INFERNO…

COMO O CÉU SE TRANSFORMA NUM INFERNO…

25a70390-965c-4405-817a-4b1f9299c022-373-00000056814a62b5_tmp

O silêncio do quarto à meia-luz era roubado pouco a pouco pelos tórridos gemidos que jorravam dos lábios do casal enroscado no emaranhado de lençóis na cama.

As mãos dele, tão ávidas, percorriam as curvas da moça e apertavam sua carne macia. As dela se moviam nas costas do homem, suas unhas marcando a pele dele com arranhões de paixão.

Os corpos se moviam em sintonia, indiferentes a qual dos dois conduzia aquele tango horizontal. A sensualidade envolvia o cômodo como uma alma penada vagando no mundo.

O pudor fora posto para fora por um chute do pecado e desaparecera no ar.

Os sussurros arfantes e munidos de palavras ardentes eram depositados cuidadosamente no ouvido do parceiro, sorrisos maliciosos se formavam no canto da boca, mascarando a inocência há muito perdida.

O excesso regia os sentidos, era pedido mais de tudo e então os desejos se realizavam. Mais toques, mais desordem no caos sobre o colchão umedecido, mais suor, mais luxúria e mais outros vários pormenores que embalavam o ato não ensaiado.

Ao final de tudo, os corpos se descolavam, os olhares se escondiam e os pensamentos vagavam em outros lugares até retornar ao mesmo ponto de partida.

Depois do espetáculo encerrado e das palmas de aprovação expelidas, o silêncio voltou a pairar no local, esperando pacientemente por uma ruptura que não demorou a surgir.

– Você quer um café? – ela perguntou despretensiosamente, com a cabeça apoiada no braço, encarando o homem que mantinha o olhar fixo no teto.

– Eu aceitaria algo mais gelado – ele admitiu com um sorriso brincalhão.

– Que tal uma taça de vinho?

– Seria ótimo.

Ela libertou-se do lençol e cortou a escuridão até a porta, a silhueta de seu corpo desenhada no espaço onde o luar penetrava no ambiente.

Um corpo gracioso e provocante, uma mistura de moça boa e mulher fatal.

Na cozinha, ela apanhou duas taças e a garrafa de vinho branco na geladeira.

Antes de retornar ao quarto, olhou tudo ao redor, uma pia com pratos sujos, armários vazios e várias caixas espalhadas pelo chão.

img_6985

Aquela era a primeira noite dos dois na casa nova.

As paredes ainda cheiravam a tinta fresca, estavam nuas de quadros e virgens de marcas de sujeira. A estante na sala aguardava os porta-retratos que logo a usariam de pedestal.

Pouca coisa havia sido desencaixotada.

O homem surgiu no breu, silencioso sobre seus pés descalços e vestindo apenas o corpo suado.

– Achei que você tivesse se perdido no caminho de volta – ele brincou.

Ela caminhou até ele, entregou-lhe as taças e serviu o vinho.

O beijo que se seguiu foi gelado e levemente frisante.

– Promete que nunca vai me abandonar?

– ela perguntou olhando dentro dos olhos noturnos dele.

– Essa é a promessa mais fácil de cumprir – ele rebateu e a cozinha se tornou o palco de uma nova cena de amor.

Ela abriu os olhos e despejou as lágrimas que estavam presas.

Desprendeu-se do devaneio e encarou a fotografia que um dia fora um momento presente e logo em seguida fechou o álbum.

A casa estava escura, no vento forte a chuva desabou e os relâmpagos clarearam os cômodos vazios.

Quase tudo já havia sido encaixotado.

Todos os quadros retirados, toda a mobília desmontada e toda a saudade contraditoriamente imensa e no encaixe perfeito da palma da mão.

Ele cumprira a promessa fielmente até seu último suspiro e para ela, viver naquela casa sem sua presença seria um doloroso martírio, por isso ela decidira se mudar dali, exatamente no dia em que completava um ano da primeira mudança.

d54cc29b-70a8-446f-b486-1a74925054b5-373-000000579b3f3001_tmp

O amor não escolhe qual história vai durar para sempre, ele eterniza o tempo efêmero que uma vida a dois possui…

IGOR HUNSAKER.

 

hunsaker

Sou o que sou. Sou incoerente por vezes, sou sonhador sempre, temo o desconhecido sem contudo deixar de arriscar, tenho planos e projetos, construí e ví cair em minha frente castelos. Como um anjo voei aos céus mas longínquos, e como um cometa caí. A queda me machucou, contudo me fez mais forte. Sou falho e impreciso. Simplesmente indefinível, enfim sou apenas um IGOR mas, o IGOR HUNSAKER.