A noite durmo nos braços do meu marido….

PACIENTE 291118-9

Sou casada.
Como toda dona de casa, tenho a difícil tarefa de esticar o dinheiro até o final do mês. Estão faço economia na alimentação.

Tenho 41 anos, mulata clara, estatura média, um rabão bem montado, peitões fartos e pernas grossas.

Quinzenalmente vou no Armazém de Sr. Joaquim, um homem branco, charmoso, de rola média e grossa, que me fornece: cereais, enlatados, carnes, massas e produtos de limpeza.

Ele separa tudo e me aguarda. Passo na porta ele me avista e me segue.

Entramos numa casa que oferece encontros. O quarto pequeno, me viro para ele e o mesmo me puxa, mete a mão na camiseta, estou sem soutean.

Ele fecha os olhos e puxa as alças para os braços, os peitões aparecem. Ele vai com a barba crescida arranhando os bisões dos seios, amo e me êxito.

Agora chupa e aperta fico gemendo de tesão, e chupa com força murmurando:
–    Ainda te tiro do seu marido, égua fogosa.

Desce as mãos para a saia rodada e levanta, cerra os lábios e diz:
–    Tire a calcinha e me chupe.
Tiro-a e deixo ele cheirando a peça.

Me abaixo, abro a calça e a cueca e tiro a rola rosada e quase dura. Chupo o homem maduro de uns 60 anos, mas de rola firme, me xinga e cheira minha calcinha.

Chupo a rola toda, lambo e cheiro toda, vou abocanhando e está dura.

Em pé me seguro na cama, me viro de costas levanto e prendo a saia na cintura e levanto a perna e ele mete, mete… gosto soca, soca… xinga e por trás aperta os peitões.

Sinto esse homem me arranhando as costas, tenho tesão e me come … come … come e gozo ele urra e goza.

Me lavo com sabão e água, me visto e saímos.
Chego depois dele no Armazém. Um menino me ajuda a levar as compras num táxi.

É o mesmo de sempre.
Um rapaz de 23 anos, mulato de lábios grossos, alto corpulento e com um sorriso de matar.

Vou atrás, abro as pernas e mostro a calcinha, a mesma, mas tiro-a e deixo no banco, ele ri. Vamos para uma Fábrica desativada, guardada por um senhor.

Entramos ele me segurando na cintura. Tira minha camiseta e mama fartamente com a bocarra de lábios grossos me olhando. Me êxito e gemo como cabrita no cio, desce a mão para a” priquita” e fica apertando e chupando os mamões.

Me solta e desço atrás da rola. Abro a calça e puxo junto com a cueca e ela salta. Chupo um “monumento de pica” grande achocolatada e grossa lambo toda de cima a baixo e baixo a cima. Ele geme, geme e ela cresce e se estica toda, pronta.

Levanto a saia e me seguro numa escrivaninha velha e me escancaro com a bundona de costas para ele. Vem e… enfiiia tudo no cú e… deliro, deliro com a entrada, ele vai metendo e comendo suo de prazer e ele soca com solavanco fortes no cuzinho… grito o velho ver tudo… seguimos e gozo e ele tira e enfia a tudo e goza.

Me limpo com papel higiênico que está na escrivaninha. Me visto e na saída dar um trocado ao homem e saímos.

Para na minha porta descarrega tudo ele se vai e eu entro.

Difícil vida na economia das contas da casa.

A noite durmo nos braços do meu marido.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *