A visão dele nu embaixo do chuveiro me deixou mais excitada….

PACIENTE 221118-5

 Hoje sai com o Jorge de novo, para mim estava sendo um dia especial pois havia recebido uma promoção no meu trabalho e estava muito feliz.
Quando contei a ele, me disse que isso era motivo para uma comemoração.
Fomos direto para o motel, chegamos, nos abraçamos, beijamos, tiramos a roupa e fomos para o banheiro, afinal tínhamos trabalhado o dia todo e nada mais justo que tomarmos um banho primeiro.
A visão dele nu embaixo do chuveiro me deixou mais excitada do que já estava e fui logo para junto dele, ele pegou o sabonete e começou a me ensaboar, me abraçando por traz, beijando minha nuca e acariciando minha xana, passei a mão para traz e comecei a massagear seu cacete que já estava teso, rebolando devagar, esfregando minha bunda nele, até que ele não resistiu mais, me curvando, me deixando quase que de quatro e me penetrou de uma só vez, soltei um gritinho de prazer e passei a rebolar com mais velocidade, e gemendo como uma louca gozei, com a água do chuveiro escorrendo pelas minhas costas se misturando com meu gozo.
Terminamos de nos lavar e vamos para o quarto, deitei na cama e ele pegou duas latas de cerveja e deitou também, começamos a conversar e tomar cerveja, até que ele começou a acariciar minha xana de novo, dizendo que adora sentir o calor dela, brincando com seus lábios e clitóris intumescido, deixando-a molhadinha, então  se abaixou, colocando sua cabeça entre minhas pernas, que quando sentiu seus cabelos encaracolados roçando suas coxas se abriu feito uma flor e minha xana já molhadinha recebeu sua boca gostosa que sugou, chupou, mordicou, invadiu ela todinha me fazendo gozar de novo, então levantou a cabeça, ergueu minhas pernas bem para o alto e enquanto me fudia me beijou na boca onde senti meu próprio gosto na sua. O calor de cada um se confundia incendiando o ar ao redor. Deitou-se de costas e eu subi em cima dele, cavalgando gostoso enquanto ele sugava meus seios, ora um, ora outro. Então me virou de quatro, fez com que eu ficasse na beirada da cama, onde fiquei com a bunda bem arrebitada e arreganhada pra ele, aquela visão deixou-o atordoado e me invadiu com uma ganância como se estive com medo que eu saísse correndo e, quanto mais me fudia, mais eu me arreganhava pra ele, gemendo, gritando, urrando, pedindo mais e mais. Ele, para me atormentar mais, ora me fudia na xana, ora no meu rabinho, se prolongando o mais que pode até gozarmos juntos e cairmos exaustos e satisfeitos na cama, nos beijamos, namoramos mais um pouco, tomamos banho e ele me levou pra casa, onde tive um sono delicioso, sentindo o cheiro dele empregando na minha pele o resto da noite….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *