Dentro daquele sorriso, puta merda, aquele sorriso!

Ela era pesada, muito pesada. Tinha o peso do mundo inteiro sobre os ombros. Como amar uma garota assim? Mas olha esse sorriso, puta merda, olha esse sorriso. Ela consegue qualquer coisa de mim com isso. Eu achei que nós tínhamos todo o tempo do mundo e esse foi o problema. Tivemos tempo, mas não soubemos lidar com o mundo. O mundo um do outro.

Tardes de sábado sempre me fazem pensar de você. A cortina desenhando sombras nas suas coxas grossas deitadas naquela cama de solteiro. Pizza de sexta a noite na mesa da sala de jantar. Alguma música indie falando sobre livros e saudades. A praia e o doce novembro. Cenas que se enquadrariam nas frases de Caio F. Mas a cama ficou vazia, o lugar na mesa agora é o sofá surrado, o vinho demora para acabar, as séries estão paradas, a cabeceira da cama está vazia sem seus livros e minha escova de dente nunca ficou tão deslocada quanto agora. 

E no domingo esta tudo bem de novo. Domingo tem cara de domingo, tem lembrança de domingo. Cheiro de domingo. No domingo penso na segunda e se vou encontrar alguém com cheiro de felicidade. Sabe? Alguém que me faça abrir os olhos em qualquer dia da semana e eu pense que é aquele sábado. Me sentisse como naquele sábado. Dentro daquele sorriso, puta merda, aquele sorriso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *