Parabéns escritora deste texto…

Eu faço minha as suas palavas.

Imagem relacionada

Ontem conversando com algumas conhecidas minhas, fiquei pensando no porque escrever sobre este assunto. Mas foi mais forte que eu e resolvi compartilhar com vocês, público masculino e (espero eu) politizado. Uma amiga estava contando que se separou do marido e o mais engraçado, achamos até divertido, foi que a mãe dela disse “você está deixando um príncipe encantado pra trás!”.  Papo vai, papo vem, muitas histórias e uma conclusão entre três mulheres com mais de 30 anos, empreendedoras e com um filho cada: homem não tem nada de príncipe quando é tocado no bolso!
E cada uma relatou seus ensejos, seus problemas conjugais, falamos mal dos nossos maridos e todas tivemos as mesmas queixas: quando os homens se sentem acuados, quando uma separação ou uma briga acontece, o dinheiro está no ponto principal da discórdia. Muitas vezes achamos que é “privilégio” nosso ter alguém que nos cobra umas migalhas, ou que ainda joga na nossa cara o quanto custamos por mês. Mesmo que tenhamos assumido o compromisso de cuidar dos filhos, da casa e até do bendito marido, recebemos a fatura no final da relação. 
É tanto amor, tanto fervor que tudo vira briga! Os casos que mais parecem bizarros são aqueles no qual o casal vive super bem, tem uma vida confortável. O marido sai para trabalhar, a esposa fica cuidando dos filhos e da casa (afinal a casa não é automática, nem a comida, nem a organização) e se der sorte, ainda tem um tempinho para ganhar a vida em um emprego modesto, pois é o tempo que sobra. Aí então o casamento começa a ruir, acontece a separação e esta mulher fica desamparada, não tem onde morar, não tem renda suficiente, os filhos passam necessidades, o pai diz que não tem condições. Logo em seguida arranja uma namorada, faz viagens incríveis (as quais nunca levou sua esposa), arranja outros filhos e aquela primeira família vira uma pedra no seu sapato. 
O mais enigmático de tudo é que enquanto você estava na rua trabalhando, podendo ter tempo para todas as suas atividades (algumas vezes traindo sua esposa), ganhando a vida, estas pessoas faziam a sua vida acontecer. Pense bem: se você tivesse que cuidar dos filhos, da casa, etc, como você passaria o dia todo por aí? 
Quero te avisar meu amigo leitor, que este mal dura para sempre, esses filhos não esquecerão o que você causou nas suas vidas. Acho louváveis os homens que assumem não querer mais um relacionamento e se separaram, mas continuam amando seus filhos e os deixando confortáveis, dentro de suas casas, e não mentindo para juízes e advogados em audiências que estão quebrados, que não têm dinheiro para arcar com pensão, mas que prontamente voltam às suas vidas de solteiros caindo em baladas, trocando de carros e levando suas namoradas para Nova Iorque.
Fico feliz se não estamos nesse barco, eu e você! Eu estou casada e confesso que esse medo todos nós temos. Mas é bom sermos positivos e pensarmos que nada irá acontecer.  E se acontecer seja lá o que Deus quiser, ou o que deixamos planejado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *