Eu sussurrei no seu ouvido e ele me deu um tapa…

PACIENTE 25919

Como disse, na época eu tinha 17 anos, e o pastor Fabrício tinha 42.

Depois daquela noite, haviam se passado dois cultos sem eu me encontrar com ele de novo. Quando estávamos sozinhos, rolava uma mão boba, mas nada demais. Até que em uma noite, não seria ele a ministrar o culto e eu estava sentada quase perto dele, e levantei, olhando para ele, que estava com a esposa e os filhos e saindo do local para ir até os fundos da igreja, onde não tinha ninguém naquele horário.

Ele me viu e pouco depois, ele estava onde eu estava o esperando e eu lhe dei um beijo. Ele retribuiu, mas me afastou devagar dizendo que ali era muito perigoso, mas eu estava com muita vontade e não desisti, então ele me levou para uma área que seria como depósito e fechou a porta.

Ficamos no escuro e dava para ouvir o pastor falando. Nos beijamos com vontade, e ele me tocou por baixo da saia, me fazendo gemer e eu desabotoei sua calça e sua cueca, masturbando ele e deixando seu pau duro e me abaixei para chupá-lo. Ele se movia, fodendo a minha boca e me fez ficar em pé, se abaixando para chupar minha buceta, arredando minha calcinha para o lado.

O pastor continuava a pregar e aquilo deixava tudo tão excitante. Ele subiu me beijando e me botou de costas para ele e eu me apoiei na parede. Ele pegou a camisinha da carteira e começou a me comer. Eu queria gemer, mas não podia fazer barulho. Ele apertava meus peitos e me comia gostoso. Ele beijou meu pescoço e meu corpo inteiro se arrepiou.

Ele se sentou numa cadeira de plástico que tinha lá e eu sentei nele, de costas para ele. Era possível ver um pouco através de algumas frestas de luz que vinham do teto e ele não tirava os olhos da minha bunda quicando em cima dele. Ouvimos o som de uma música começando a tocar e as pessoas louvando, e nossa como era excitante.
Ele me levantou e me colocou de quatro em cima da cadeira e me comeu.

Eu forçava a garganta para não gemer e ele apertava a minha bunda enquanto me fodia com força. Não demorou muito para gozarmos e soltamos um gemido baixo quando gozamos. Ele saiu de dentro de mim e nos demos um beijo gostoso e cheio de tesão.

“Você me fode tão gostoso, pastor”,

Eu sussurrei no seu ouvido e ele me deu um tapa na bunda e mordeu meu lábio. Nos ajeitamos e voltamos em momentos diferentes para a igreja e sentei num lugar diferente também, no fundo da igreja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *