Certo dia eu estava limpando algumas prateleiras…

Imagem relacionada

PACIENTE 10.6.19-1

Cezar era um cara alto. Estava sempre de barba, com um olhar misterioso e um sorrisinho safado. No meu trabalho de vez em quando, eu o atendia como todos os outros simpática, mas por dentro queria mesmo era tirar aquela camisa, e ouvir gemidos e sussurros da boca dele.

Certo dia eu estava limpando algumas prateleiras empoeiradas e como algumas eram altas, precisei subir em um banquinho. Tirei os livros e coloquei embaixo do braço. Estava distraída, limpando e ouvindo a música que tocava, um jazz, desses bem lentos, mais alegres, eu mexia minha cintura conforme o ritmo da música, adoro aquele ritmo!

De repente, sinto uma mão na minha cintura.

– “Oi! Não pude deixar de te notar dançando.”

Aquele jeito dele, de aparecer e sumir discretamente, sempre sério e educado ao mesmo tempo, me fazia delirar. Achei estranho o fato dele ter segurado minha cintura, afinal não tínhamos nenhuma intimidade. Gostei, e já queria sentir ele pegando mais forte.

– “Olá! Você me assustou. “

Ele se ofereceu para me ajudar com os livros e eu aceitei.

– “E então, você já tem planos para amanhã? Quero tomar um vinho em sua companhia.”
– “Adoraria.”
– “Ok. Então nos encontramos às 20:00 no Café Bistrô.”

Sai do trabalho e fui direto pra casa, tomei um banho rápido, passei meu hidratante, soltei os cabelos e coloquei uma calcinha preta de renda transparente, porém discreta. Eu já sabia o que queria.

Conversamos muito, bebemos algumas taças de vinho, ele já não tinha aquele ar tão sério. Sabia conversar, era muito inteligente e isso me deixava com ainda mais tesão.

Já era tarde. Ele se sentou do meu lado, e disse:

– “Sabe Stefany, eu sempre te observava ali. Simpática, alegre e queria te conhecer um pouco melhor.”

Ele colocou minha franja atrás da orelha, observou minhas mãos, às segurou, se aproximou da minha boca e beijou, suavemente.

Ele sabia como tratar uma mulher. Agradeci o elogio. Cheguei perto do seu pescoço e senti o cheiro dele delicadamente, me aproximei do seu ouvido e falei baixinho de um modo bem sutil:

– “Vamos sair daqui, quero você!”

Quando cheguei em casa, abri a porta e o convidei para entrar. Deixei a luz apagada. Segurei na sua mão, e o levei até a poltrona da sala. Pedi para que ele se sentasse. Ele o faz, calado.

– “ Posso me sentar no seu colo?” – Perguntei com uma voz de safada.
– 
“Claro” – Respondeu ele prontamente.

Ele ficou olhando pra mim, ainda sério. Beijei primeiro sua nuca, subi até a orelha, lentamente, sem pressa. Segurei seu rosto, e trouxe até minha boca. Beijei-o, lentamente. Eu ouvia claramente sua respiração, que já estava ofegante. Ele estava morrendo de tesão (e eu também).

Tirei a camisa dele, desabotoando lentamente e olhando-o fixamente nos olhos. Levantei e pedi pra que tirasse a calça. Ajoelhei, ficando no meio de suas pernas abertas. Beijei suas coxas suavemente, fazendo com que ele sentisse minha respiração. Subi até a altura do seu pau, que já estava todo molhado.

Segurei na base, com vontade. Olhei pra ele e passei minha língua de leve. Em seguida tirei da gaveta do lado, um óleo, ele me encarou com um olhar curioso. Eu nunca havia usado aquele óleo, apesar de ele já estar à um tempo na gaveta, então também estava curiosa pra experimentar.

Coloquei algumas gotas na cabecinha e espalhei com as mãos, ansiosa pra provar. O sabor era de morango. Senti minha língua quente (que delícia!). Eu estava tão excitada, com tanta vontade que já estava toda molhada, chegava a ser visível.

Segurei o pau dele com uma mão, chupando-o enquanto o masturbava ao mesmo tempo. Com a outra mão, me tocava. Quanto mais ele gemia mais gostoso ficava. Chupei ele todinho, da cabeça até a base. Depois fui aumentando o ritmo, quando ouvi ele dizer:

– “Vou gozar!”

E aproveitei para gozar junto, gemendo, e me deliciando com a cena.

O sorriso estampado em seu rosto deixava claro que ele estava em êxtase. E eu me encontrava na mesma situação. Passamos o restante daquela noite juntos, entre conversas e sacanagens.

Quando o dia raiou, ele voltou para sua casa pois precisava se arrumar para o trabalho.

Será que voltarei a vê-lo? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *