SERÁ QUE O TEMPO MUDOU MUITO MESMO ???

Antigos filósofos gregos nos concederam uma grande fonte de sabedoria sobre a vida, morte, política e natureza. Além disso, eles também refletiam sobre as relações amorosas, especialmente o casamento.

O site Mental Floss reuniu nove pensamentos que os filósofos tinham sobre a questão. É interessante como algumas reflexões ainda fazem todo o sentido nos dias de hoje, enquanto outros são ultrapassados, como por exemplo, o papel da mulher dentro de uma relação. De qualquer maneira, vale a pena conhecer suas linhas de raciocínio.

1- Aceite as picuinhas da pessoa amada

Na Moralia, uma coleção de seus discursos e ensaios de Plutarco, ele dá conselhos para seus amigos recém-casados. O texto se assimila a um discurso de casamento e é voltado especialmente à esposa. O filósofo explica que, homens, assim como animais, são facilmente irritados por certos tipos de sons ou cores – alguns homens “não podem aguentar a visão do vermelho ou roxo”. Cabe à esposa descobrir os incômodos do marido e evita-los, para que vivam “em constante gentileza” um com o outro.

2- Desafie seu companheiro para descobrir quem ama mais o outro

Rufo, um filósofo estóico, fez uma série de palestras sobre o propósito do casamento e como ele se relaciona com a filosofia. Ele descreve um casamento ideal como aquele em que os dois parceiros se esforçam para superar o outro em devoção. Se duas pessoas competem entre si para mostrar o quanto uma se importa com a outra, elas terão uma bela união, digna de “inveja”. Por outro lado, ser egoísta é a fonte de todos os problemas: se uma das partes só pensa em si mesma, o casal estará fadado ao desastre, ou a experimentar a solidão em uma relação.

“Quando cada um olha apenas para seus interesses e se esquece do outro… a união está fadada ao desastre”

3- Não use poções para conquistar um amor

Plutarco diz que se você enganar outra pessoa que ela se case com você, é até possível conseguir um companheiro – entretanto, você deseja que esse alguém se apaixone por truques? O filósofo faz uma analogia entre pescar e conseguir um companheiro: uma mulher que conquista um homem com poções, assim como uma que pesca usando veneno, tornando o peixe “impossível de comer”, não consegue o que deseja.

“Mulheres que usam poções do amor e feitiços em seus maridos […] se descobrirão casadas com tolos”.

4- Se divirta com seu companheiro, ou ele se divertirá com outro

Para Plutarco, o casamento pode unir duas pessoas a ponto de se tornarem uma só. Para isso, é preciso passar bastante tempo ao lado do parceiro para se divertir e rir com ele. Caso contrário, a diversão será encontrada em outro lugar.

“Homens que não se divertem com suas esposas estão ensinando a elas que procurem seus próprios prazeres longe do marido”

5- Sua sogra provavelmente será ciumenta

Esse conflito está longe de ser uma questão moderna. Plutarco diz que isso é algo inevitável. Para ilustrar essa questão, ele conta a história sobre um costume de casamento africano: no dia seguinte do casamento de uma noiva na cidade afriacana Leptis, ela pede uma porção de maconha à mãe do noivo; se a mulher recusar, esse é um sinal do que será a relação entre elas no futuro.  O filósofo aconselha as noivas de que as sogras sempre serão hostis, pois elas sempre as invejarão. Seu conselho é direto: é preciso ter cuidado ao tratar a relação entre mãe e filho.

“Um jeito de curar a hostilidade é criar afeição por ela, sem afetar o relacionamento da mãe com seu filho”.

6- Para uma relação dar certo, ambos devem ser boas pessoas

Rufo explica que, para uma boa relação, as duas pessoas devem ser boas. O casamento simplesmente não vai funcionar se ambas forem “más” pessoas, também como se uma for ruim e a outra for bacana. Mas em que consiste ser uma boa pessoa? Para o filósofo, “Ter auto-controle, justiça” e “respeitar o caráter e a alma”.

7- Não cometa adultério

Rufo repudiava o adultério, argumentando que “ia contra a natureza e era algo do que se envergonhar”. Embora ele reconheça que alguns de seus contemporâneos não pensassem dessa maneira, ainda mais quando se tratava de sexo com escravas – o que ele também abominava. Ele desafia o marido a imaginar um cenário invertido, onde sua esposa tivesse relações com outro.

“Se um homem acha que não é errado ter relações com sua própria escrava, especialmente se for solteira, pergunte a ele como seria se sua esposa tivesse relações com um escravo”.

8- … mas se seu marido te trai, é porque ele te respeita demais

Plutarco não segue a mesma linha de pensamento que Rufo. Ele explica que os reis persas jantavam com suas esposas, mas as mandavam embora quando queriam se embebedar e fazer sexo selvagem com suas concubinas. De acordo com ele, os reis estavam fazendo um favor à suas mulheres ao se divertirem com escravas, porque não querem sujeitar suas esposas a episódios lascivos.

“A esposa não deve se zangar ou ficar brava, e sim entender que o respeito do rei por ela o leva a dividir sua lascividade com outra mulher”

9- O tempo vai fortalecer sua relação

Plutarco afirma que as relações apenas ficam mais fortes com o passar dos anos. Ele aconselha aos recém-casados a tomarem cuidado com a discórdia, discussões e brigas – pois enfraquecem a relação.

“Depois de um tempo, quando estiverem realmente ligados, não podem ser separados nem por fogo nem por aço

Um comentário em “SERÁ QUE O TEMPO MUDOU MUITO MESMO ???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *