EU SEI COMO “UMA AMANTE” DEVE SE SENTIR…

Imagem relacionada

Não sei o que é, passar uma data de comemoração ao lado do meu amor, esperar por aquele que você ama chegar.
Não sei como é ver você acordar pela manhã.
Não sei o que é sair de férias prolongadas junto com você.
Não sei como é ter a liberdade de ligar a hora que for necessário.
Não sei o que é depender e precisar da pessoa amada a qual escolhemos para ficar ao nosso lado…
Muitas coisas simples do cotidiano de uma família eu não sei, pois não tenho marido, mas sou amante.
È solitário e vazio passar as noites sozinhas, lembrando das noites que passei acompanhada.
È a incerteza de se estou esperando alguém que realmente virá.
È o medo eterno de perder aquilo que amo, nunca saber se realmente o tenho.
È a longa espera para ouvir apenas:
“olha depois te ligo para dizer o que ficou resolvido… ah minha esposa, está bem, ela está aqui do lado…”
È saber que logo seus olhos sentiram saudade de ver a imagem do seu amor, e não poder fazer nada a não ser se consolar com retratos.
È ter medo de muitas coisas:
Ter medo de sofrer na ausência e ter medo de se acostumar com a sua presença.
È acordar todas as manhãs colocando os dois pés firmes no chão, tentando lidar com a realidade de que hoje eu posso perder tudo.
Afinal sou apenas uma amante!
Como muitas pessoas acham “sou uma mulher de apenas alguns momentos bons, não sou como uma mulher casada, não estou acostumada a cuidar de um homem todos os dias, não estou acostumada a rotina e a conflitos do dia a dia.”
Realmente talvez não seja mentira, mas duvido que a esposa que está sempre junto com o marido saberia ser uma amante.
Ser ela é fácil!
Ela sabe que o marido está como casado com ela diante da justiça, sabe que horas o marido vai chegar que horas que vai ir trabalhar, sabe que se precisar de alguém para emergência ela tem, sabe que se olhar pela casa em algum lugar terá retratos espalhados de seu marido…
Mas e eu?
Eu, espero, sofro quieta, me encontro escondido; encho-me de esperanças com um toque de medo de ser abandono totalmente, passo dias sem contato, sinto a perna tremer de medo de ser descoberta em flagrante, passo todas as datas comemorativas vendo casais juntos felizes, me consolando somente com promessas de que ele virá me ver quando for possível…
Ser amante é pior do que ser solteira; quando se está solteira sabemos que estamos sozinhas, mas que você ainda tem a oportunidade de conhecer alguém. Mas e a amante?
Sabe que não está sozinha, mas não sabe se vai ficar sozinha repentinamente e nunca sabe se vai ser suficiente o tempo da presença de seu “companheiro”.
A única certeza que uma amante pode ter é que qualquer filho que ela lhe der será “bastardo”, não tem direitos legais sobre nada e que deve evitar ao máximo se aproximar da esposa dele.
A certeza absoluta que eu tenho é que eu o amo, e que por isso aceito ser a amante; não posso obrigar a ninguém se separar, sem poder assumir as conseqüências.
Então o que me resta é: sim eu sou a amante, que divide os momentos bons e se sufoca em meio à solidão nos momentos ruins.
Gostaria de deixar claro a toda e qualquer mulher que atraí-se por homens como eu, que se apaixona por aqueles que com certeza possuem a capacidade de ter um relacionamento e ser o homem da casa, ser o homem de uma mulher. 
Olha: não se engane com o mesmo engano que o meu. Há homens por aí que ainda não estão preparados para um relacionamento, porém se você souber envolvê-lo ao ponto dele querer te ter você o terá, não se renda, não se entregue, negocie sem que ele saiba e o conquiste com todo seu coração, só depois entregue-se. Seja a mulher de um homem que seja seu, não o divida comigo, não dê espaço para isso, caso isso aconteça não aceite, pois se ele “amar as duas” será eternamente a sua desculpa para nunca se envolver com ninguém sentimentalmente de verdade, mas apenas viver as relações mais cômodas e interessantes que ele puder conquistar. Seja mais que apenas uma conquista, eu sou a amante que não é mulher, que não é amada de verdade, sou aquela que buscará sempre conquistar alguém que já perdi e nunca foi meu, pois nunca me verá de verdade, logo ignorará como ignora a sua atual mulher.
Sou a amante que gostaria de nunca ter sido, talvez nunca ter lhe conhecido, mas me prendi tanto, que não sei quem eu seria, aliás, sei que sou amante, mas se eu não fosse quem sou, não sei quem eu seria pra ser sincera.
Sou um relato de um amor que não existirá, fadado ao fim, cuja fé emanada dentro de mim por esta ideologia passional me matará em vida e faz-me despedir-me de vós com este ponto final.

IGOR HUNSAKER.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *