Afilhado, se não tem, sonhe em um dia ter…

PACIENTE 29620 B

CAPITULO II

O relato não será tão grande igual o outro, mas vou fazer o possível para ser gostoso igual .

Depois daquela noite maravilhosa que eu tive com ele, eu voltei para o meu quarto, tomei um banho rápido e deitei, nossa eu estava morta, parecia que eu tinha sido atropelada por um caminhão, minhas pernas doloridas, dor nas costas, a bucetinha inchadinha e toda vermelha, quando eu ia fazer xixi doía, ele acabou comigo, mas não tem dor mais gostosa do que essa de um sexo bem feito, de ser fodida de jeito, eu dormi com um sorriso no rosto.

No outro dia, eu acordei tarde, consegui descansar muito, meu marido já tinha saído com os outros, liguei para a minha comadre, ela me falou onde elas estavam, dei uma molha, desci e tomei o meu café, e depois fui ao encontro delas.

Assim que eu cheguei ela me perguntou, nossaa a noite foi boa em, só pela sua cara o bicho pegou, eu sorri e falei, que nada menina, meu marido apagou, estou assim pelo lugar que estamos mesmo, nunca imaginei que seria tão bom assim, e realmente estava tudo ótimo, e depois da noite do ontem, perfeito.

Demos um passeio pelo lugar, nadamos, e no final da tarde eu encontrei com o Júlio, ainda estava todo mundo por perto, mas quando ele chegou perto de mim na piscina, falou pra mim bem baixinho, tô morrendo de saudades, e com mais vontade ainda, eu tinha que disfarçar, não podia falar nada, mas só de ficar perto dele, eu pegava fogo mesmo na piscina, o tesão estava demais, como nunca reparei nesse menino antes, como eu perdi uma piroca dessas por todo esse tempo.

Deu a noite e ficamos todos juntos, até meu filho estava dessa vez, nós bebemos e conversamos muito, o papo estava ótimo, muita bobeira sendo dita, muita bebida, até que meu filho disse que tinha que ir, perguntei onde ele iria, falou que iria encontrar com a Letícia, eu falei pra ele ter juízo, ele levantou e ia saindo, eu fui atrás dele e joguei uma indireta, vai voltar pro quarto hoje né meu filho ? Fiquei sabendo que você chegou de manhã, ele falou que não sabia, que gostou muito da menina e estavam se conhecendo, eu voltei a perguntar, mas você vai voltar ? Queria ter certeza se estava tudo liberado para mais tarde, ele disse que não sabia, provável que não, e me xingou falando, não sou mais criança mãe, sei me cuidar, a senhora tá sendo muito indiscreta, e foi dando as costas e saindo, eu ainda gritei, não é criança mas vai continuar sendo meu filho, ele foi e gritou pro Júlio, e você deixa de ser fofoqueiro, e foi embora.

Continuamos batendo papo, quando meu marido falou para o Júlio, e você não arrumou nenhuma menina por aí não ? Tá fraquinho em, você tá muito mole, mal sabendo ele que de fraquinho ele não tinha nada, e tava levando logo eu, ele foi e falou, que nada padrim, tô conhecendo uma pessoa aí, então eu decidi ficar só com ela, então tô dando um tempo das outras, nossa eu me senti toda toda, fiquei molhadinha na hora, meu marido que já estava bem tinto foi e disse, é coisa séria ? Se não é tem que aproveitar, você tá novo, tem que fazer a limpa, eu falei, fica quieto, deixa o menino, se ele não quer é porque ele deve tá gostando, ele só respondeu, ô e como tô, meu marido continuou sendo inconveniente e disse, eu conheço ? Essa deve ser das boas, depois você apresenta pra gente, ele respondeu, pode deixar uma hora eu apresento sim.

Depois disso o assunto mudou e continuamos conversando, depois de mais algum tempo, meu marido não aguentava mais nada, falou que iria ao banheiro e levantou, não aguentava nem andar direito, me fazendo passar vergonha, não tinha necessidade de ficar assim, Pedro também bebeu muito, mas não estava igual ele, falou que iria ajudar ele a ir no banheiro, os dois demoraram mas depois voltaram, meu marido disse que queria subir, que estava cansado, mas não sei de que, cansado só se for de beber muito, eu levei ele no quarto com ajuda do Pedro e voltamos, ficamos mais umas meia hora conversando, depois o pessoal falou que iria dormir, eu fui fazendo hora, chamando eles para uma saideira, mas acabaram falando que já tinha dado a hora deles, Júlio que já tinha se levantado para subir com o seus pais falou, então eu fico e tomo mais uma com a senhora madrinha, aí depois te acompanho até seu quarto e vou pro meu, eles concordaram e foram dormir.

Assim que eles se afastaram o suficiente, ele me disse, quando o padrim me perguntou sobre a garota que eu estava pegando, eu fiquei morrendo de vergonha e também de falar, hahaha, claro que eu não iria falar, mas vontade dá.

Eu falei, eu tô com vontade é de outra coisa, tô quebrada menino, você acabou comigo, ele, acabei mas a senhora já tá querendo de novo né, eu, claro né, tudo que é bom, tem que provar várias vezes, e dei uma mordidinha nos lábios, Ele, não morde os lábios assim não, porque se tem uma coisa que me dá tesão é mulher mordendo os lábios assim quando fala sacanagem, eu, então você gosta, quando falam sacanagem, olhei bem nos olhos dele e disse, vamos pro seu quarto pra você acabar comigo de novo ? E voltei a morder os lábios, ainda mais sexy.

Ele, com a senhora fazendo isso não tem como resistir, nos levantamos e fomos pro quarto, falando uma ou outra sacanagem pelo caminho, antes eu passei no meu para ver meu marido, estava do jeito que nós o deixamos, na mesma posição, tinha apagado.

Tranquei a porta e fomos, assim que entramos, ele me atacou, me encostou na porta e me beijou todinha, nem conferirmos se meu filho não estava lá, a vontade era bem mais maior do que tudo, eu engolia sua língua, ele me apertava toda, passava a mão no meu corpo todinho, apertava minha bunda com força, subia as mãos e apertava meu peito, eu ficava bambinha, adoro homem com pegada, ele me pegou no colo e me levantou, foi me levando pelo quarto, eu não parava de beijar sua boca, ele foi entrando comigo lá pra dentro, quando me dei por conta, já estávamos no banheiro.

Ele me desceu do seu colo, foi tirando a minha roupa, entramos dentro daquele Box enorme, lá eu quis chupar aquela anaconda preta toda molhada, me lambuzei nela todinha, engolia até onde eu conseguia, o que não era muito, mas eu brinquei muito, lambia ela todinha, chupava suas bolas, batia com ela na minha cara enquanto olhava pra ele nos olhos, fazendo cara de safada, com meu rostinho todo molhado, mordia aquela cabeçona com carinho, passava a língua na pontinha da cabeça, depois lambia ela todinha.

Ele gemia, enquanto segurava minha cabeça e controlava a minha chupada com aquelas mãos firmes.

Depois ele me levantou puxando pelo cabelo e voltou a me beijar, depois foi beijando meu peito, chupando com vontade, engolindo ele todo, apertava com vontade, eu fiquei doidinha, passava as mãos naquele peitoral forte dele, o safado foi descendo cada vez mais, até chegar na minha bucetinha, colocou minha perna em seu ombro, e começou a me chupar, nossa ele foi no meu grelinho, depois enfiava a língua na minha bucetinha, voltava pro meu grelinho, quando ele ficava aí, enfiava um dedo dentro de mim, colocava e tirava, mexia com o dedo lá dentro, eu ia a loucura.

Depois pegou minha outra perna e colocou no outro ombro dele, eu fiquei suspensa, encaixadinha com a bucetinha na boca dele, o safado me forçou pela bunda, engolindo minha bucetinha todinha, eu rebolava em sua boca, bem gostoso, era ótimo ficar assim.

Depois ele me desceu, minhas pernas estavam bambinhas, desligou o chuveiro e nos secamos um pouco, fomos pra cama, ele falou, vou ali levar a camisinha, eu, que camisinha o que, ontem fizemos sem, hoje eu quero sentir você gozar dentro de mim de novo, coloca bem gostoso em mim, e me arreganhei toda, ele deu uma molhadinha no seu pau e foi colocando em mim, doeu de novo, menos do que no dia anterior, mas doeu, não tinha como não doer, era muita rola.

A cada centímetro que entrava eu gemia mais e mais, ele era gostoso demais, conseguiu colocar tudo dentro e parou, nossa era incrível sentir aquela piroca toda dentro, eu me sentia completamente preenchida, toda hora que ele tirava e colocava, fazia barulho na minha bucetinha, sabem aquele barulho de buceta quando tá toda preenchida e começa a sair ar, era assim que eu ficava toda hora que ele metia.

Ele começou a tirar até a cabeça e meter tudo dentro, era incrível isso, sentir ela deslizando toda dentro de mim, eu estava encharcada, deixei seu pau todo molhado de tanto tesão que eu sentia, juro para você, mas eu gozei muito rápido, o tesão que eu sentia era enorme, quase incontrolável, não sei o que ele fazia comigo, mas eu me entregava completamente.

Ele começou a aumentar o ritmo das estocadas, eu comecei a arrumar suas costas, quanto mais eu gritava, mais forte e mais rápido ele metia, meteu com vontade, e eu como a puta que sou, pedia sempre mais forte.

Ouvia ele falar, nossa madrinha você me dá tesão demais pedindo desse jeito, eu retrucava, então mete sem pena na sua madrinha querido, o safado me arreganhada mais ainda e comia com vontade.

O tesão só aumentava, a cada posição que ele né colocava eu ficava mais louca ainda, quando me colocou de quatro, eu empinei todinha e ele colocou em mim, eu não aguentei e gozei de novo, gozei mordendo a cama, com ele socando com toda a força dentro de mim, batendo na minha bunda e puxando meu cabelo, ele sabia como me comer gostoso, eu gozava fácil com ele, a cada pegada mais forte.

Depois eu quis cavalgar gostoso nele, segurei aquela rola, fui guiando até encaixar direitinho e sentei, como sentei naquela piroca, colocava ela todinha dentro, rebolava bem gostoso com ela toda dentro de mim, batia em sua cara, ele devolvia o tapa ainda mais forte na minha, e acham que eu não gostava ? Nossa eu adorava, adoro apanhar na cama.

Aquela noite foi maravilhosa, acabamos com ele gozando bem gostoso dentro de mim, depois deu gozar umas 4 vezes antes dele.

Eu ficava acabada depois de transar com ele, mas eu queria mais e mais, por mim eu fazia de novo assim que terminavamos, mas era perigoso demais, eu tinha que voltar para o meu quarto.

Aquela semana transamos quase todos os dias, toda noite que meu marido ia dormir bêbado, eu já pro seu quarto e dava gostoso, mas dava com muita vontade, adorava ter aquela anaconda me arrombando toda noite.

Durante o dia, vez ou outra a gente dava uma afastada, brincávamos um pouco quando a piscina estava mais vazia, uma pegada aqui, outra ali, nos agarravamos na trilha, eu me sentia uma adolescente fazendo as coisas escondidas, e era gostoso demais.

Depois nos voltamos para Niterói, já estava acostumada a dar todos os dias ora ele, então eu senti muita falta na primeira semana sem sexo, mas continuamos a conversar pelo celular, falávamos muita sacanagem sempre que podíamos.

No sexta ele me perguntou se queria sair com ele, é óbvio que eu aceitei, deitei meu carro em um estacionamento e ele me buscou de moto, fomos direto para o motel.

Chegamos lá, ele me pegou com vontade, estava realmente com saudades, só pelo jeito que ele me pegou, me devorando daquele jeito que só ele sabia, eu apalpava aquela piroca preta que estava morrendo de saudades, queria sentir ela logo na minha buceta.

Ele me deitou na cama e tirou minha roupa, voltou a me comer como quem não transava a anos, ele já começou com tudo, metendo forte, me fazendo gritar alto, beijando a minha boca enquanto me fodia, eu só conseguia gritar, revirar os olhos e arranhar ele todinho.

Não tinha coisa melhor do que ter aquela anaconda dentro de mim, eu me sentia preenchida e bem puta.

Eu adorava receber aquele leitinho quentinho dentro da buceta, e ele gozava muito, sua porra escorria pela minha buceta e ia pro seu pau e depois pra cama, de tanta porra que saia.

Depois dessa primeira vez que fizemos fora, sempre que dava a gente transava, dei pra ele dentro do meu carro, do carro dele, fizemos na rua a noite, ele me levou pra uma rua mais deserta e me comeu do lado de fora do carro, foi uma rapidinha, mas foi muito gostoso.

Eu dei pra ele até em cima da moto dele, ele me levou pra um bairro que ainda estava começando em Neves, não me recordo bem do nome, mas eram só lotes, eu fui de vestido, ele me colocou de bruços na moto e me comeu gostoso, aquele perigo de alguém passar e pegar a gente, foi incrível, eu dei muito, voltei pra casa com a buceta ainda suja de porra

sempre que saia com ele, o safado mandava eu voltar pra casa com a buceta ainda com leite, gozava dentro e me mandava vestir a calcinha, pra quando chegasse em casa e fosse tirar, poder lembrar dele, e é claro que eu obedecia, não podia desobedecer meu macho dominador.

Mas a coisa mais incrível que aconteceu, foi o dia que ele me pegou em uma festa de amigos, nos estávamos completamente fora de controle, o tesão falava mais alto do que tudo, a gente perdia a noção das coisas quando estávamos juntos, mas essa historia é grande, e ainda vou lhe contar aqui no consultório separado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *