Então desculpa se eu não mandei fotos para vocês aqui, deixo vocês apenas na imaginação mesmo….

PACIENTE 10620.2

Com essa pandemia eu tive que fechar meu depósito nas últimas semanas, a fiscalização passou e me fez fechar, mesmo sem movimento de pessoas, apenas eu e meus dois motoboys, eles alegaram várias coisas e não me deixaram trabalhar, deram o primeiro aviso e eu tentei continuar trabalhando, mas aí voltaram de novo e achei melhor fechar do que ser multada.

Como eu contei da última vez, fizemos muito sexo aquele dia com os dois, e de lá pra cá, o bicho pegou, a gente transava praticamente quase todo dia, se não era um, era outro, ou os dois, eu não ficava sem sexo, todo dia tinha, no horário do almoço, ou um pouco antes de fechar o depósito, eu me entregava para eles.

Mas com a pandemia, eu acabei ficando chupando dedo, o máximo que eu tinha era uma conversa por whatsapp, por um outro chip que eu arrumei, sem fotos e sem nada, apenas para esse tipo de conversas, até porque, como eu sempre falo, sou casada, tenho filhos, pais, e se alguma foto minha cair na Net, pode acabar com a minha vida, então sou muito receosa a respeito disso, eu fiz o Cláudio apagar as fotos que ele tinha tirado, as fotos com o Hudson, e ele concordou, até porque não tem o porque me ameaçar mais, sendo que ele tem o que queria comigo.

Então desculpa se eu nunca mandei fotos para vocês ou postei aqui, é muito arriscado, deixo vocês apenas na imaginação mesmo, de uma morena de 46 anos, 1,70, cabelos até os ombros, porque eu fiz um corte novo no último final de semana, seios médios, tô com o corpo mais fininho, mais durinha, no último ano comecei com caminhadas, entrei na academia, e pedalo sempre que dá nos finais de semana, não sou do tipo gostosona, sou bem normal, bumbum de 97cm, e também 68kg, adoro usar vestidos, é o que mais tem no meu guarda roupas, tenho estrias e celulites como toda mulher.

Mas vamos ao relato, essa semana eu reabri o meu depósito, graças eu pude voltar a fazer as minhas vendas, não ficou fechado por muito tempo, como eu já disse em outros relato, graças a Deus as vendas cresceram pra mim nessa pandemia, mas com essas poucas semanas sem trabalho, eu fiquei dentro de casa, sem nada pra fazer, e o principal, sem sexo.

Transei com meu marido uma ou duas vezes, foi gostoso, mas eu gosto é de pegada, de ser maltratada, e com ele é mais sexo tipo amor, é gostoso, mas uma mulher precisa de sexo mais selvagem de vez em quando.

Mais pra frente eu vou contar a conversa que eu tive com a minha irmã, o que nós duas aprontamos, e o que isso refletiu no meu casamento com o meu marido, é uma história muito grande, vou demorar alguns relato para explicar tudo, mas isso não vem ao caso agora, fugi de novo do assunto principal desse relato .

Voltando de novo, no final de semana eu liguei para os dois falando sobre a reabertura do depósito, eles se animaram, continuaram trabalhando com entregas por aplicativo, mas eles sempre falam que trabalhar pra mim dá para tirar mais dinheiro, e eles ainda tinha uma coisa que não teriam em nenhum outro emprego, EU.

Antes que vocês pensam, eu não deixo eles super a vontade no depósito fazendo o que querem, temos a nossa diversão, mas o trabalho tem que ser sério, até porque temos contas no final do mês para pagar, então pra tudo tem hora, quando o dia está puxando não tem nem como brincar.

No final de semana, avisei todos os meus clientes, por whatsapp, Instagram e e-mails, que voltaríamos a atender, fiz uma boa divulgação, mas na segunda as vendas ainda foram mais fracas, teve um pedido ou outro, e isso facilitou o que nós três estávamos querendo, sexo.

Durante a tarde tivemos apenas três pedidos, Cláudio fez entrega de dois s Hudson apenas de um, quando Cláudio, saiu para entregar o segundo, Hudson chegou logo depois, falei com ele que se quisesse poderia ir, que o dia estava fraco, e se caso houvesse mais algum pedido, poderia ser entregue no dia seguinte.

Mas ele me disse que não iria, que estava morrendo de saudades de mim, havia passado todos os dias pensando em mim, e que nunca desejou tanto voltar a trabalhar igual nós últimos dias, disse que estava louco em mim, e nunca ficou com uma mulher tão gostosa e que gosta tanto de sexo igual eu.

Eu adoro ouvir essas coisas, gosto de saber que eu deixo eles com vontade de me pegar, que deixo com saudades de me comer, isso me dá mais tesão e me deixa ainda mais excitada.

Ele me perguntou se eu não queria ir para algum motel com ele, falei que não, e disse, pra que perder tempo indo para ao motel ? Se o tempo que a gente iria perder saindo daqui até chegar em um, da para a gente aproveitar muito aqui, de tanto a gente transar no serviço, ele tinha comprado um colchão inflável, que ficava em um dos cômodos, mas na verdade, eu não queria sair dali, porque estava esperando o Cláudio chegar também, queria matar a vontade que eu sentia dos dois.

Enquanto Cláudio não chegava, tirei a calça do Hudson e sentei ele no sofá, subi em seu colo e o beijei, matei a saudade daquela boca gostosa dele, ficamos nos beijando, sem parar, um beijo gostoso, cheio de vontade, saudade, tesão.

Eu que estava de vestido, comecei a rebolar, esfregando minha bucetinha ainda de calcinha sobre a cueca dele, que fazia movimentos como se tivesse me comendo, sentia seu pau duro me cutucando.

Estava muito gostoso, minha calcinha já começava a ficar molhada, mas eu queria mesmo era pau, estava doida para sentir ele dentro de mim de novo, enquanto ele chupava meu peito com vontade, eu coloquei a mão dentro de sua cueca, punhetava ele devagarinho, eu sentia seu pau pulsando na minha mão.

Eu saí de cima dele e tirei sua cueca, veio aquele cheiro gostoso de pau de macho, eu abaixei e chupei um pouco, queria sentir aquela pica preta na boca outra vez, chupei com vontade, matei o tesão que estava de sentir uma piroca preencher a minha boca, engoli até onde conseguia, batia com ele na minha cara, adoro bater com a piroca no meu rostinho enquanto olho nos olhos do carinha que estou chupando, e faço cara de safada, isso deixa os homens louquinhos.

Depois disso, ele correu no cômodo onde fica o colchão, e pegou uma das camisinha que eles trouxeram, deixam guardada em uma caixinha lá dentro, ele me deu e eu coloquei com a boca, do jeitinho que ele gosta.

Ele voltou a sentar no sofá, e eu fui por cima, encaixando devagarinho, aquela pica gostosa e grossa, nossaaa piroca preta é boa demais, eu fui descendo devagar até entrar tudo, fiquei parada com ela toda lá dentro, enquanto isso voltei a beijar ele de novo.

Comecei um sobe e desce devagar enquanto o beijava, ele me segurou forte pelo cabelo, beijou meu pescoço todinho, comecei a aumentar o ritmo, ele também começou a meter mais rápido em mim.

Estava demais, sentir aquela piroca batendo fundo, eu delirava quicando nele, quando ouvi o portão abrindo, era o Cláudio chegando, me deu mais tesão ainda, minha buceta encharcou, só de saber que em pouco tempo receberia duas picas.

Eu aumentei o ritmo, cavalguei com vontade, só pra ele ver sua chefinha sentando gostoso, Hudson falou, você gosta né vagabunda, gosta de receber duas rola né, só de ouvir o portão abrindo ficou mais safada ainda, eu falei, sofro meu negão, agora acaba comigo pra ele ver.

Ele me pegou pela cintura e me forçava com vontade, nisso o Cláudio chegou, entrou no depósito e me viu, toda safada sentando forte no Hudson, falou, nossa que delícia minha gostosa, isso era tudo que eu queria, passei o dia todo pensando nisso.

Me deu mais tesão ainda, saber que ele estava doido pra me fuder, eu só falei, bem cá vem, pega a camisinha e vem matar sua vontade, ele não perdeu tempo, foi na caixinha e já voltou abrindo a camisinha, com ele eu não queria preliminares, já tinha feito antes, queria só rola.

Eu deitei o Hudson no sofá, empinei mais a bunda, e o Cláudio veio comer meu cuzinho, nossa é gostoso demais receber duas rolas, vocês mulheres que estão lendo, é a melhor sensação possível, o tesão é imenso, se tiverem essa oportunidade com pessoas de confiança, não desperdicem a chance.

Cláudio foi forçando no meu cuzinho, ele apenas cuspiu e molhou ele com os dedos, foi colocando devagarinho, é sempre dolorido assim que entra, eu adoro morder quando comem meu cuzinho, e o Hudson que sofre, Cláudio começou a meter bem gostoso em mim, eu gemia alto, beijava e mordia o Hudson que estava embaixo, ele também metia gostoso, sentir dois paus entrando e saindo com toda vontade, levando tapa na bunda e tapa na cara ao mesmo tempo, não tem coisa melhor.

Cláudio começou a forçar cada vez mais forte, a me chamar de cachorra, falava que nunca viu uma puta igual eu, que eu dava show nessas putas de rua, mas que eu era apenas puta dos dois, eu me sentia ao ouvir isso, gosto mesmo de ser bem puta na cama, gosto de satisfazer quem eu tô transando.

Ele depois tirou do meu cuzinho, colocou na minha bucetinha, nossaaaa é demais, sentir duas rolas me rasgando, duas rolas dentro da buceta, entrando e saindo ao mesmo tempo, eu me sentia completamente arrombada, eu berrava a cada estocada, gritava alto, ali eu podia me soltar, eu ficava toda marcada, de tanto apanhar, de tanto levar pirocada, minha bucetinha ficava muito inchada.

Cláudio me segurava forte pela cintura e metia sem dó, enquanto Hudson apertava meu pescoço, adoro ser enforcada assim quando tô dando.

Depois eu deitei, fiquei de ladinho, Hudson me comendo gostoso, enquanto eu chupava o pau do Cláudio, engolia ele todinho, gemia com ele na boca enquanto era fudida com toda vontade, engasgava com ele cada vez o Hudson aumentava o ritmo.

Depois trocaram, só que o Cláudio veio comer meu cuzinho de novo, ele era viciado em comer meu cu, sempre que transavamos ele comia, falava que o meu cuzinho era muito apertadinho e bem quentinho, e eu sempre deixava ele gozar dentro.

Depois fiquei de quatro, Hudson veio de novo comer minha buceta, já estava bem inchada e dolorida, ele foi aumentando o ritmo, eu estava quase gozando, ele disse que estava prestes a gozar também, falei pra ele gozar na minha bucetinha, então ele meteu ainda mais forte, me puxou pelo cabelo, eu que estava com o pau do Cláudio né boca, gritei mais alto ainda, mas era abafada pelo seu pau.

Não aguentei e gozei, apertei o pau dele com a buceta como adoro fazer, ele avisou que iria gozar, eu pedi na buceta, ele tirou a camisinha, começou a se masturbar, e gozou bem gostoso do lado de fora da minha bucetinha, me melando todinha, mas saiu foi muito leito viu, nossa, aquele leite quentinho, ele pegou a rola e ficou esfregando na minha buceta, passando a porra toda nela, depois aproveitou e enfiou seu pau em mim, deu umas cinco estocadas, eu deixei, ele gemeu mais ainda com seu pau sem camisinha dentro de mim, ele então falou, nossaa você é quentinha demais, ainda vou te comer bem gostoso assim, eu não disse nada, apenas sorri.

Mas era a vez do Cláudio, pela primeira vez ele não me limpou, acho que o tesão falou mais alto, ele apenas abriu minha bunda e meteu, o safado tinha tirado a camisinha e eu nem vi, comecei a piscar o cuzinho, apertar seu pau, isso deixa ele doido, ele não aguenta segurar muito assim, não demorou muito, ele encheu meu cuzinho de leite, gozou muito também.

Pela primeira vez eu levei leite na buceta e no cuzinho com os dois sem camisinha, não era o que eu esperava, mas aconteceu, e foi delicioso.

Depois eu fui no banheiro me limpar, nossa estava muito gozada, não parava de sair leite de dentro de mim, eu limpava, e escorria mais, tava toda inchada e dolorida.

Depois nos arrumamos, despedimos, eu fui e abri o portão, quando eles iriam sair de moto e me esperar lá fora para eu tirar o carro, tinha uma pessoa do lado de fora do portão que eu não esperava e não via já a algum tempo.

Era o Gabriel, meu segurança da época das lojas que eu tinha, ele deu um sorriso ao me ver, eu fiquei toda sem jeito e sem o que falar pra ele, ficamos nos encarando, eu parei o carro do outro lado da rua, fechei o portão e sai do carro, Hudson e Cláudio ficaram me olhando

Mas agora não é hora de contar o que conversamos, até porque isso aconteceu essa segunda feira, fica para os em próximos relatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *