RELATO (QUASE) PESSOAL 629.

Hum… como posso começar?

Era uma noite chuvosa e fria. Meu corpo estava carente de algo que realmente possa me queimar… talvez estivesse na seca ou excitada o suficiente para deitar-me sob a cama e sentir sua presença saindo do chuveiro. O vapor correndo entre sua pele, as gotículas quentes d’ água deslizando em seu peitoral, ajeitando seus fios de cabelos molhados com suas grandes mãos que as franziam para trás, sua pele estava avermelhada como o outono devido á água quente, seu rosto parecia corado, porém com um leve sorriso entre os seus lábios que eram cobertos por um belo sorriso á que tornava seu charme encantador e com uma toalha feita á algodão que cobria desnecessariamente, as suas intimidades.

Secando-se calmamente, você me olhou e sorriu ardentemente perguntando á mim: Sem sono?

Eu o fitei de cima á baixo…

Ó céus…

Como você estava bonito…

Eu retruquei com um olhar que rementia á um sorriso tímido e o respondi: Parece que o sono demora á chegar, não?

Então você riu franzindo seus cabelos e em seguida deslizando suas mãos com a toalha em seu árduo corpo.

Logo sua intimidade para mim é exposta ao retirar do pano de algodão ao vestir seus trajes.

Neste momento, meu corpo arde em chamas… o coração palpita… a respiração se torna ausente…

Elevo minhas emoções e a vergonha toma conta de meu rosto, abaixo a cabeça esperando que o momento cesse e voltamos aos simples elogios… disfarço… porém estou louca para que meu homem perceba meu tesão… sinto minha intimidade molhar e meus seios arrepiarem-se.

Eu o queria ali, meus desejos mais uma vez tornaram-se, reais.

Então, você percebe o meu silêncio e retruca: o que há em seu silêncio, querida?

– estou apenas te observando, querido. Respondi entre os resmungos baixos e com as mãos sob a coxa imaginando-o me tocando intensamente.

Não pude disfarçar meu tesão. Meu rosto estava vermelho e meus olhos cabisbaixo ao imaginá-lo.

Então você me fita com um olhar de amor, sorri e se aproxima para um beijo.

Nos beijamos, seus lábios pincelavam os meus e suas mãos acariciavam meus cabelos. Eu sentia seu corpo colado ao meu, estava quente… você cessa o beijo e sussurra calmamente em meus ouvidos: – Acha que não poderia perceber seu tesão, amor?

Neste momento meu corpo e minha alma respondem por si, eu o desejava ardentemente e as intimidades cada vez mais úmidas.

Em seguida aos beijos, nos deitamos na cama e sinto suas quentes mãos tocando meu corpo ao retirar minhas vestimentas. Suas mãos acariciam meus seios e sua língua passa á lambe-los, deixando eles completamente molhados com sua saliva.

Ao finalizar, você desce com sua boca em minha intimidade e a abocanha deliciosamente, sua língua percorre minha intimidade intensamente, fazendo-o sentir o gosto.

Seus dedos a cariavam meu clitóris e sua boca sugava minha intimidade.

Eu estava ardendo em fogo, o tesão falava por si e meus olhos se fecharam em aprovação ao sentir sua quente língua. Os gemidos estavam dando o ar da graça e meu corpo somente respondia ás suas chupadas. Me encontrei encurralada entre seus dedos e sua língua, mas estava adorando…

Abri os olhos e pude ver seu rosto entre minhas pernas e seus rosto arranhando minha pele, desci minhas mãos para os seus cabelos e os acariciei em aprovação. E outra vez, fecho os olhos e sinto sua boca á sugar, chupar, melar e lamber minha intimidade. Sua língua pincelava meu clitóris, os lábios e o ânus. Minha intimidade estava pulsando em prazer e cada vez mais molhada e gosmenta, eu gemi sem hesitar e pude sentir seus dedos grandes e grossos brincarem com meu clitóris, os dedos desceram mais e brincaram no “vai e vem”.

Em meio á tantas brincadeiras e gemidos, sinto o orgasmo chegando e meu corpo pedia para jorrar…

O fogo me domina, sinto que vou voar e a felicidade toma meu ser…

Dentro de sua boca eu gozo dando um leve gemido de satisfação. E com a respiração ofegante e o corpo suado, nos encaramos…

E rimos um do outro, apaixonadamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *